quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

O candidato catavento


No site de um semanário de grande circulação acabo de ler que Fernando Nobre, médico, Presidente da AMI e pai de quatro filhos, vai ser candidato a Presidente da República.

Adianta, entretanto, o essencial do seu currículo político:

1. participou na Convenção do PSD, em 2002;
2. foi membro da Comissão de Honra e da Comissão Política da candidatura de Mário Soares à Presidência da República, em 2006;
3. nas últimas eleições para o Parlamento Europeu, em Junho de 2009, foi mandatário nacional para a campanha do Bloco de Esquerda;
4. ainda em 2009, foi membro da Comissão de Honra da candidatura de António Capucho à presidência da Autarquia de Cascais, em 2009.

Em termos políticos, isto não é um candidato, é um catavento!

8 comentários:

Anónimo disse...

Que ele apoie o capucho é lá com ele, mas que não nos queira enfiar o barrete!

aminhapele disse...

Esperemos para ver.
Ele,ao que sabemos,não é tonto.
Aguardemos pelos seus apoios...

Anónimo disse...

Ao que se sabe, ser de direita não significa ser tonto. Ser de direita às vezes também não.

Tontos, serão os cidadãos de esquerda que apostem num candidato destes.

Tribuna Socialista disse...

Não concordo, mesmo nada, com o texto do Rui Namorado. Parece-me um texto mais próprio de um qualquer comité partidário destinado a desacreditar alguém, do que um texto para reflexão e debate que é o que Rui Namorado nos tem habituado neste local.
Fernando Nobre é um cidadão com um percurso, no qual os partidos são algi acessório e pouco relevante.
Satisfaz-me muito mais o conteúdo das suas multiplas intervenções civicas sobre os mais variados assuntos, nomeadamente a que proferiu perante economistas em Novembro do ano passado.
Ainda não conheço o seu programa e os apoios que ele motivará, mas o facto de se apresentar a "correr por fora", a apelar à cidadania, faz-me lembrar e muito a irreverencia da última candidatura presidencial de Manuel Alegre.
Alegre que aparece agora muito mais preocupado em garantir o apoio do aparelho do PS, em vez de manter o percurso que iniciou, e bem, na última eleição presidencial.
A sociedade portuguesa que está afunilada quanto à participação popular e cidadã, os partidos que se comportam como organizações opacas, de veneração do "chefe", autenticas agências de emprego para amigos ... tudo isto precisa de lufadas de ar fresco, de alogo que prove que as pessoas existem e podem intervir para além do parlamento, dos partidos e de todas as engrenagens opacas e burocráticas. Talvez assim, os próprios partidos (que são fundamnetais para a democracia) também mudem ...

petit paysan disse...

catavento?

pelo contrário. é um cidadão corajoso, consciente e lúcido que nunca trocou a sua independênca crítica pelo compromisso de um qualquer dogma partidário ( que, como se tem verificado, são estruturas de poder, mais próximas do terror corporativo do que de qualquer consciência de construção democrática e de percepção da REALIDADE ).

cumprimentos,

Anónimo disse...

E o que é Manuel Alegre?

Anónimo disse...

Que seja!
É mais um candidato ex-apoiante Mário Soares.
É mais um candidato ex-apoiante do BE.
É mais um candidato e ponto final paragrfo.

Todos sabemos que a Constituição de Portugal não contempla grandes poderes ao Presidente da República.

Mas, a mesma constituição contempla a qualquer cidadão candidatar-se desde que prefaça as condicionantes constitucionais.

Se ele é variável,ou simplesmente catavento, para um qualquer membro partidário, pode parecer certinho e direitinho para a maioria dos cidadãos portugueses!

Para além de que é dos poucos portugueses que só pelo bem é reconhecido internacionalmente.

De todos os que se têm apresentado como candidatos desde o 25 de Abril/74 até hoje só este Nobre senhor, que eu saiba, não tem moléstia viciante do poder.

Com isto, quero eu dizer, até chegar a votar nele vai um passo de gigante.

O mesmo não direi de Manuel Alegre, o poeta que foi até pensar ser comunista.
Aquele poeta deputado que um dia disse "Eu seja ceguinho" à esquerda e na última presidencial tanto quis uma aliança com a mesma esquerda a que ele disse essa do "ceguinho"

Por isso não concordo convosco RN

O meu senso diz-me que não acicatarei qualquer candidatura democrática s´
o por que ele virá emperrar o aparelho partidário ou de grupo.
de "O Catraio" com respeito.

Maltez da Costa disse...

Concordo inteiramente com o RN, ele é de facto um catavento.Causa-me tristeza verificar que individuos que se dizem de Esquerda, da Nova Esquerda, apoiem e prometam votar num indivíduo que não tem idiologia. Não me refiro a não ter partido, porque eu também não o tenho.Ninguém põe em causa a AMI, como organização humanitária, como acho que ninguém põe em causa uma empresa que dá trabalho a pessoas. Fernando Nobre é o dono da AMI, como um empresário é o dono de uma empresa.São os médicos e enfermeiros que dão o corpo ao manifesto para ajudar os mais necessitados, como são os trabalhadores que conseguem aguentar a empresa de pé. Denominar-se socialista libertário e pensar o contrário disto é uma farsa.Fernando Nobre não é mais humanista que Manuel Alegre, só que Manuel Alegre é um politico, é um socialista humanista, muito diferente dos socialistas libertários, utopia jamais atingida, porque não existe.É com esta esquerda que Manuel Alegre se iludiu e que agora questiona a sua candidatura. De traição em traição, esta nova esquerda não passa de um catavento.Ela pode representar, em minha opinião um regresso ao passado com as suas atitudes.