quarta-feira, 10 de abril de 2024

Um teimoso aleijão?

 Escrevi no meu FB em julho de 2019:

Num Estado de direito, respeitá-lo é um dever dos cidadãos que, em última análise, também os protege. Mas todo o edifício democrático se desmoronará, se antes de todos os juízes e os magistrados do Ministério Público não o respeitarem também escrupulosamente, em todas as circunstâncias. E que ninguém esqueça que a Constituição é a única fonte da legitimidade e do poder dos Tribunais que por força dela aplicam a justiça em nome do povo, por sua delegação; mas nunca em nome das corporações profissionais que os integram ou em sua representação.

Ou julgarão os integrantes das duas magistraturas que o simples ruminar lento dos manuais jurídicos, ao longo de um punhado de anos, os tornará santos e infalíveis, dispensando-os de qualquer controle ou escrutínio por parte de quem seja direta ou indiretamente escolhido por votos populares?

domingo, 25 de fevereiro de 2024

Uma Memória de Artur Jorge

 Uma Memória de Artur Jorge


Em Julho de 1968, em Coimbra no terraço da República dos Pyn-guyns, minha festa de formatura em Direito.  Na mesa ao lado de Joaquim Namorado, Artur Jorge [ Ninho dos Matulões] bebe; a seu lado, a "sua" Florinda pensa. Com o Rui Martins[ Trunfé-Kopos] a separá-lo de Joaquim Namorado , Alberto Martins [ Pyn-Guyns ] não deixa que lhe vejamos a cara. Em pé, ao fundo, acendendo o seu cigarro , meu pai António Namorado observa.

Nesta casa , lugar icónico da crise académica do ano seguinte, muito se congeminou. Menos de dois meses depois dessa festa, numa reunião numa sala próxima, foi onde se pensou e decidiu a nova estratégia da luta estudantil, coluna vertebral da crise que eclodiu em 17 de Abril do ano seguinte. E o Abril da "malta", com as capas negras do sonho rodeando-nos, soube chamar por um outro Abril , imenso e sem margens, inventor de futuros, que chegaria em 1974 pela sagrada mão da liberdade que soube guiar como sempre o povo. O tempo dos abutres esmoreceu. A festa nunca mais será cercada.
Tudo isso estava já escrito nessa festa . Mas nós ainda não sabíamos.
  

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2024

LULA, OS CANICHES E O MUNDO

LULA, OS CANICHES E O MUNDO

 No quadro da reunião do G20, que ocorreu no Brasil, o Presidente  Lula teve reuniões bilaterais com o  Secretário de Estado dos USA, A. Blinken, e com o Ministro dos Estrangeiros da Federação Russa, S. Lavrov. Ambos se referiram muito elogiosamente ao Presidente brasileiro e destacaram a importância política do Brasil, manifestando grande interesse em estreitar relações com este país.

Alguns pequenos caniches políticos e comunicacionais continuaram , ainda que com embraço crescente, a morder toscamente nas canelas do dirigente político brasileiro. Para esses grandes especialistas em banalidades internacionais o Mundo continua a ser um lugar estranho.


segunda-feira, 1 de janeiro de 2024

Votos de um Bom Ano de 2024!

 


Votos de um Bom Ano de 2024!

Aqui vai este meu poema com os votos de um Bom Ano Novo, com um abraço de amizade

Acompanha-o uma evocação do tempo de Dali. 

Retribuo  também deste modo os votos de Boas Festas que recebi.

Rui Namorado

_______________

Bom ano de 2024


Em modo subtil o tempo passa,

orvalho de tristezas e desastres,

incêndio de ousadias e audácias,

futuro desmedido, nunca exato.

 

Há um perfume novo a rodear-nos,

colhendo-nos  em todos os caminhos.

 

Nas ruas que nos levam pelo sonho

acendem-se jardins de encantamento.

Flor de movimento rumo à esperança,

a pérola do tempo desabrocha.

                              [Rui Namorado]

terça-feira, 19 de dezembro de 2023

UM COELHO EM EBULIÇÃO

 



UM COELHO EM EBULIÇÃO

Como qualquer Coelho que se preze Passos Coelho tirou-se , a si próprio, da cartola, desabençoando intensamente  António Costa.

Diria mais: mordendo forte e incivilizadamente  as canelas do seu antigo  adversário político.

E a dentada foi tão intensa que o seu admirador confesso e antigo súbdito André Ventura viu-se ingressado na categoria dos “Há piores do que ele”. Apressou-se, aliás, a mostrar que essa descida no ranking dos insuportáveis não o tinha deixado triste.

Pelo contrário, tinha-o iluminado na escolha do primeiro ministro do PSD de que mais gostaria, qual o líder do PSD que mais facilmente o domesticaria, qual o chefe laranja que engolirá  mais facilmente.

O cerco de Montenegro a si próprio foi reforçado por um irrequieto Coelho que o farpeou sem piedade. Na sua emaranhada desfilada, foi tempo de uma pequena dança de regozijo de André Ventura.

Perdida na  sua campanha malabarística, a direita pergunta-se: Afinal, quem devora quem?

A DIREITA EM DISSIPAÇÃO LENTA?

 

A DIREITA EM DISSIPAÇÃO LENTA?

 

Há alguns dias atrás, António Costa resolveu divertir-se um pouco perante um  atento grupo de jornalistas junto da sede nacional do PS. Assim, inquirido sobre a conjuntura concorrencial PS/PSD, afirmou sorrindo que qualquer dos dois (reais) candidatos à liderança do PS dava dez a zero em potencial de liderança ao Dr. Montenegro. Os jornalistas deliraram. Foram a correr pedir uma reacção a Montenegro.

O azougado causídico de Espinho explodiu, garantindo que era muito melhor do que  José Luís Carneiro e muito melhor do que Pedro Nuno Santos. E, logo de seguida, aproveitando o balanço, foi ainda mais longe, garantindo que é                    mesmo melhor do que o Dr. António Costa. Modéstia bonita…

Acredito, que a maioria dos vizinhos da sua rua aceitem com bonomia  tão encomiástica autoimagem. Duvido que para além deles haja alguém que não tenha tido que conter uma discreta gargalhada.

O fogoso candidato a liderar um Governo de direita abriu assim a porta do ridículo.

Quem é o CONSELHEIRO que na verdade o detesta tanto que o empurrou para esta rotunda anedota?

 

 

quinta-feira, 14 de dezembro de 2023

A DIREITA EM DELÌRIO

 

A DIREITA EM DELÌRIO

A oposição de direita nas suas várias declinações, num registo agressivo afinado pelo diapasão do Chega, demoniza sofregamente o PS, cobrindo-o de depreciações e insultos.

Com a sofreguidão de poder aguçada pelas circunstâncias infaustas que têm vindo a cercar o PS, rebenta as escalas de todos os exageros. A comunicação social, num orfeão pífio de comentadores e jornalistas captados pela direita e excitados contra o PS e o Governo, embrulha a campanha da direita numa aura de legitimidade e de objectividade imerecidas que escandaliza.

Ainda recentemente um reputado Prémio Nobel da Economia (2008), Paul Krugman, numa entrevista a um jornal português, teceu rasgados elogios à política económica seguida por Portugal nos últimos anos, o que é impossível de não levar a crédito do PS e do seu Governo. Algo que contraria expressivamente a algaraviada pessimista da oposição de direita e dos seus acólitos. As instâncias da União Europeia elogiaram também recentemente a política financeira portuguesa, em clara oposição aos megafones que fazem a direita ecoar na nossa praça.

Os inquietos expoentes das várias declinações da direita em Portugal dão da governação do PS que se aproxima do seu termos uma imagem devastadora. Regougam dislates como se fossem arcanjos de um rigor certeiro e implacável que resumam todos os malefícios possíveis da política de um governo naquilo que o PS fez. Insultam assim tacitamente o eleitorado que sucessivamente alcandorou o PS às vitórias como se ele fosse uma a legião de tontos que se deixou endrominar pela matreirice dos socialistas.

Apoplécticos contestam as consequências do tipo de organização económico-social de que são sequazes como se tivesse sido o PS que a inventou. Defendem incondicionalmente o capitalismo e atacam ferozmente as suas mais nítidas consequências. Pugnam na prática pela manutenção da espinha dorsal das desigualdades sociais como sinal estratégico da sua política, trovejando impropérios contra o PS como se tivesse sido ele a inventá-la. De facto, só lhes é possível fazer política escondendo o que realmente são com homilias angélicas que os falsifiquem.

As várias declinações da direita em Portugal sentem-se irresistivelmente atraídas pela atmosfera queirosiana que os leva a colocar: “Sobre a nudez forte da verdade, o manto diáfano da fantasia" .

 

terça-feira, 12 de dezembro de 2023

AINDA OS VIOLINOS TORCIDOS

 

AINDA OS VIOLINOS TORCIDOS

Eduardo Santa Cruz ofereceu-nos a memória deste meu texto, que abaixo transcrevo, aqui publicado em 7 de Dezembro de 2021, sublinhando a sua atualidade. Só tenho que lhe agradecer. 

Entretanto,  em 30 de Janeiro de 2022 houve eleições legislativas em Portugal, tendo-se assim iniciado a XV Legislatura da Assembleia da República. Como é sabido, foram ganhas pelo PS com maioria absoluta. A tropa fandanga de que falo no meu texto foi portanto desbaratada. Atualmente, estamos em novo período pré-eleitoral, já que o PR interrompeu uma vez mais legislatura que estava a decorrer.


“ OS VIOLINOS TORCIDOS

Pode ler-se numa página virtual do Expresso:

“Entre julho e setembro, face ao segundo trimestre do ano, só a Áustria e a França viram o PIB crescer mais que Portugal. A nível global, as economias da zona euro e da UE cresceram no terceiro trimestre, quer face ao período homólogo quer em cadeia, indica o Eurostat”.

Assim só pode lamentar-se que a realidade esteja tão largamente errada, alheia aos uivos de lamentação tremendista duma larga coligação de inefáveis aveludados, de subtis malandrecos, de rigorosos numerólogos, ou de simples tontos, que tão exuberantemente anunciam, prenunciam e inventam desgraças inenarráveis que espreitam este descuidado país.

É uma tropa fandanga onde se acotovelam fantasmas acavacados e mal passados de natais sofridos, as sereias ingénuas de um liberalismo imaginário, a atamancada ferocidade dos neofascistas, os paulíssimos das boas famílias, os chicões mais aguçados, o maior partido da oposição solidamente no centro da direita e até os pasteis subtis de todas as sedes de moderação.

Toda essa tuna de desafinados, absolutamente rigorosos, tenta desesperadamente apoucar e assustar o povo, na esperança de lhes cair no regaço a legitimidade política para devastarem o país.

Um país espantado por ver estes oráculos pífios garantirem-lhe desgraças no preciso momento em que começam a levantar-se depois duma tempestade que tão devagar se vem atenuando.

Rapaziada da corda, muito cuidado. Estes violinos rombos de melodias inventadas, anunciando-se como ungidos salvadores, mais não conseguirão nunca do que salvarem os seus privilégios e as suas mais ou menos discretas mordomias.

Cuidado rapaziada, por detrás da sua retórica pessimista, a grande aposta desta gente, o seu gritante sonho, é o de conseguiram ser uma espécie de avesso do Robin dos Bosques: tirar aos pobres para dar aos ricos.

Para isso, têm que afastar o PS da governação ou tolhê-lo o mais possível, substituindo-o, se possível, pela anemia crónica mas perigosa da direita.

Felizmente, a realidade tem resistido aos sonhos salteadores.”

 

Parte superior do formulário

 

domingo, 10 de dezembro de 2023

A SOMBRA DE UMA FRASE HONRADA E JUSTA

 

A SOMBRA DE UMA FRASE HONRADA E JUSTA

A minha opinião sobre uma boa parte das posições políticas táticas assumidas por Mariana Mortágua é negativa. Na verdade, globalmente, ela não é alguém que mereça a minha concordância  política. Dito isto, tem significado acrescido o seguinte. 

Numa entrevista que ela deu recentemente, a jornalista com quem conversava fez uma referência ao seu pai, o conhecido combatente pela liberdade Camilo Mortágua. Caracterizou-o como um “homem polémico”. Na resposta, com serena naturalidade Mariana Mortágua retorquiu: “Não, o meu pai não foi um homem polémico. O meu pai foi um gigante antifascista”.

Há gestos, frases, atitudes que marcam a nossa vida. Explosões de dignidade que nos elevam para sempre. Esta frase de Mariana Mortágua é assim.

Quanto a isso e por isso, não escapa à minha profunda admiração.

terça-feira, 5 de dezembro de 2023

CAVACO

 


CAVACO

Cavaco veio, num destes dias num jornal de referência,  sublinhar uma vez mais o seu ódio ao PS. Exprimiu uma convicção forte. Mas não a soube  envolver em qualquer  acutilância genial .

 Assim,  produziu apenas  uma papa insalubre feita de insultos , de insinuações vagas e torpes, de sapiências apavonadas.

Na verdade, por mais  que se escave na  sua esforçada prosa, não se descobre o brilho de uma ideia original ou a sombra de uma crítica percuciente. Apenas o regougar azedo de um ódio que não cansa.

Perdido, o PSD ostentou-o como um troféu de excelência.  Fê-lo passear pelo seu silêncio, como uma ruidosa orquestra de tambores. Julgou talvez que desfraldava uma bandeira, mas apenas mergulhou numa estéril anedota.

sexta-feira, 1 de dezembro de 2023

UMA ESCOLHA NECESSÁRIA

 



UMA  ESCOLHA  NECESSÁRIA

 

Há três candidatos à liderança do PS: Pedro Nuno Santos, José Luís Carneiro e Daniel Adrião. Temos assim três socialistas que se incomodam praticamente com o Partido e com Portugal. Só por isso merecem o nosso reconhecimento e o nosso apreço.

Cabe-nos agora a nós socialistas, membros do Partido Socialista, dizer quem preferimos.

Verdadeiramente, só os dois primeiros são autênticos candidatos a liderar o PS. Daniel Adrião, com total legitimidade, é um militante que gostaria de ver discutidas no Congresso algumas das suas ideias políticas gerais. E os estatutos do PS impõem que só possa promover esse tipo de debate num Congresso do partido quem o fizer no quadro de uma candidatura a secretário-geral. É um aleijão estatutário que há muito nos diminui politicamente. Ter ideias e querer discuti-las no colectivo partidário não pode obrigar a ser-se candidato à liderança do Partido. Mas a realidade deste aleijão não converte Daniel Adrião num candidato com o mínimo de densidade política exigível a quem se abalance a uma disputa deste tipo. Aliás, neste como nos casos anteriores, a formalidade da candidatura enfraqueceu a visibilidade e a relevância das ideias políticas por ele propostas para debate.

Quanto aos dois reais candidatos Pedro Nuno Santos e José Luís Carneiro, na minha opinião, a primeira coisa a dizer é que estamos perante dois dirigentes de excelência, dois quadros políticos altamente meritórios, cujo currículo os engrandece. O PS só tem que se regozijar com isso.

Mas trata-se de escolher um deles para liderar o Partido. Não tenho a mínima hesitação: opto por Pedro Nuno Santos.

Desde logo, porque, dentro do espaço socialista, me situo na mesma região de PNS, tendo o mesmo tipo de leitura do socialismo e do essencial do trajecto a percorrer pelo PS. Depois porque o seu perfil político me parece adequado às tarefas que cabem ao PS , na actual conjuntura histórica. Alem disso, tem uma atitude combatente e um carisma liderante indiscutíveis. É crível a sua firmeza e eficácia em garantir a autonomia estratégica do PS perante todos os poderes de facto, bem como na interacção com os outros partidos, sem contudo se deixar anquilosar num isolacionismo estéril.

Por seu lado, José Luís Carneiro tem mostrado ser, não o protagonista de um projecto inovador e diferenciado, de uma maneira própria de encarar a liderança do PS, mas alguém que assumiu o papel de travar a conquista da liderança do PS por Pedro Nuno Santos. É um desígnio modesto que apouca e empobrece o seu perfil político.

Aliás, a sua campanha e, principalmente, o argumentário usado por alguns notáveis para o apoiarem tem roçado a caricatura política involuntária. JLC tem sido mais uma vítima do que um beneficiário do modo como lhe têm sido dados alguns dos apoios que recebeu.

Apoio Pedro Nuno Santos na disputa pela liderança do PS, para que levemos de vencida a soturna  aliança de direita que ostenta desde já a sua incapacidade para compreender o mundo em que vivemos e o país que somos. E terá toda a razão o povo se vir nessa direita mais um risco do que uma esperança.

 

 

 

domingo, 26 de novembro de 2023

O CONGRESSO

 


O  CONGRESSO

Assombração e Silva não desiste de fazer de homem do saco. Julga ele que assusta a esquerda, oferecendo-se como ícone ao que julga serem as legiões da direita.

A direita comove-se com o reaparecimento do fantasma dos seus sonhos perdidos. Ouve entretanto com reserva o alarido que rodeia o modesto salvador que lhe oferecem.

Esperava com ansiedade um robusto galo de combate. Teme que lhe estejam a querer fazer engolir o que os seus adversários possam com verosimilhança considerar um modesto, ainda que pomposo, garnisé.

O bom povo, que eles querem cercar, olha com desconfiança o circo mediático. Das apregoadas glórias do laranjal, recorda-se vagamente. Mas menos como glórias do que como pesadelos.

São também apregoadas legiões de sábios que, em reuniões muito circunspectas, congeminam gravemente os muros com que querem rodear o nosso futuro. No essencial, procuram convencer os explorados que acentuar-se a exploração é o caminho mais seguro (quiçá o único!) para que os pobres tenham a boa sorte de aproveitar o enriquecimento dos ricos para colherem os frutos da sua proverbial generosidade.

O bom povo pensa e torce o nariz. Habituado a migalhas, estranha quando lhe ofereçam banquetes.

Assombração e Silva sai para jantar, na esperança de que a esposa o espere com um petisco.

Os jornalistas e os comentadores, plenos de imparcialidade garantem que o número caváquico foi o sucesso de topo do transcendente conclave

domingo, 17 de setembro de 2023

Visita ao Canadá do Presidente da República.

 

Visita ao Canadá do Presidente da República. 

Era para ter uma transcendência pluricontinental com ressonâncias geoestratégicas. Perdeu-se num decote constipante de uma jovem portuguesa bem-apessoada que agitou o remanso presidencial.

domingo, 30 de julho de 2023

Frustração e hipocrisia em Espanha.

 

Frustração e hipocrisia em Espanha.

 

O Partido Popular espanhol, em cuja claque alinham a direita e a extrema-direita portuguesas, alguns distraídos da esquerda baixa ou do “nem esquerda nem direita antes pelo contrário”, confrontou o PSOE com o hipotética dever deste de viabilizar um governo seu. 

Sem isso, a sua vitória revela-se incapaz de gerar uma maioria parlamentar. O PSOE, tendo sido o segundo partido mais votado, embora com dificuldade, pode negociar apoios que lhe permitam liderar um governo de coligação de esquerda com o SUMAR. Também por isso, não se mostrou disponível para dar esse “presente” ao PP.

Com os olhos em alvo, o PP alardeia a qualidade democrática da sus pretensão. No entanto, realmente, se virmos bem  o que revela é descaramento e hipocrisia políticos. Profundos!

Na verdade, depois das mais recentes eleições locais e regionais de 28 de maio, em que a direita teve mais votos, reforçando largamente os seus poderes locais e regionais, foram reconfigurados os diversos executivos com base nas respectivas assembleias municipais e regionais.

Olhemos para alguns exemplos de como a direita espanhola se comportou nesse processo. Na região da Estremadura, o PSOE foi o partido mais votado, mas quem governa é uma aliança do PP com o VOX a qual conseguiu maioria na Assembleia.

E não se ficou por aqui. Realmente, no campo municipal, o PP ocupou as presidências de mais de 200 municípios em que a sua não foi a lista mais votada; na maioria das quais, aliás, foi o PSOE o partido mais votado. E se olharmos para a Espanha como um todo, há 684 municípios em que o partido mais votado não lidera o governo municipal.

Como se vê, a pretensão do PP é o contrário do modo como se tem comportado em situações idênticas. Não é mais, desse modo  do que uma hipocrisia de náufrago que já se julgava no Palácio da Moncloa mas que  afinal “morreu na praia”.

segunda-feira, 29 de maio de 2023

“VEXATÓRIA”

 

“VEXATÓRIA”

Ontem,  [ no face book]talvez me tenha enganado, quando considerei um dislate a qualificação como “vexatória” que usou  Mariana Mortágua para se referir à actual maioria absoluta do PS. Como se ela fosse algo de pernicioso que se tinha que combater como uma quase assombração pecaminosa inventada por mentes perversas.

Talvez me tenha enganado. Se calhar a inquieta dirigente do BE estava a afinal a libertar discretamente no seu discurso uma sugestão de autocrítica. A maioria absoluta do PS é sentida como “vexatória” não por qualquer força maléfica que tragicamente a inquine, mas simplesmente por ela lembrar  ao BE o tropeção estratégica em que caiu ; o qual lhe anemiou o  grupo parlamentar, reduzindo-o em 14 deputados e tendo sobrado menos de meia d+uzia.

Foram, na verdade “vexatórias “ as consequências do tropeção táctico do BE, gerador da maioria absoluta do PS É certo que continua preso ao ritual da sua própria infalibilidade política. Mas começam já a perturbá-lo as sombras de uma autocrítica…

Terá sido afinal isso?

domingo, 21 de maio de 2023

Regresso pardo do fantasma de Boliqueime

 

Regresso pardo do fantasma de Boliqueime

O fantasma de Boliqueime voltou, espumando  uma raiva fria. O seu rosto foi assolado por um ódio pardo, quase desregrado.

Na plateia laranja e chique pairava um cheiro acre  a  cavaquistão.  Montenegro, titubeante mas deleitado, hesitava em convencer-se que estava a ser auxiliado pelo mago algarvio.

Houve então um conselho de urbanidade no debate político. Mas o conselho  sentiu-se perdido no discurso do mestre. “O que é isto?” perguntou  assarapantado. “Que moleza é esta?” quase se indignou.

No entanto, foi o  próprio mago que lhe respondeu, fazendo-o perceber que a alegada urbanidade era apenas um voto pied0so e descartável. E, para que tudo voltasse ao normal, ele próprio mostrou como realmente devia ser a cartilha do PSD: explodiu num discurso de desbragado ódio ao PS, ao seu Governo, a António Costa. Sem nuances, sem reservas, sem excepções ─ um oráculo em fúria.

Um contraponto: o PS e os seus Governos foram e são o mal absoluto; o PSD e os seus governos foram e garantem vir a ser o bem supremo. Equilíbrio, imparcialidade e tolerância; forte sentido do ridículo…

Não hesitando em proclamar-se arcanjo do seu próprio céu,  e em beatificar a memória de Durão, quebrando o seu compromisso com os Portugueses após servir umas bicas aos senhores do mundo que vieram a uma terra portuguesa fazer a  dança da guerra; Santana dissipando-se; e Passos na glória de querer ser pior que a “troika”.

Quanto ao PS, fulminou-o com um resumo das larachas rasteiras da propaganda da direita, disparando-se  num festival de diatribes, com que admoestou severamente o povo português, censurando-o indirectamente por lhe ter dado os seus votos há pouco mais de um ano. De facto, o descavacado  povo apesar de décadas de experiências  de convivência com os “diabos cor de rosa” deu a um seu Governo um suporte maioritário que o pôs a coberto de surpresas e traições parlamentares.

Na verdade, a democracia tem muito que penar até chegar aos calcanhares da filosofia política iluminada do mago algarvio. Realmente votar é um desporto ocioso; melhor seria pedir ao Senhor de Boliqueime a lista dos ministros e um programa de governo e deixarmo-nos conduzir inebriados para o paraíso caváquico. Lá CHEGARÃO: ( julgam eles!).

Por mim, permito-me um sorriso final: forte da sua consabida cultura poética, para deixar respirar um pouco a sua prosa cinzenta, não conseguiu recorrer a outro exemplo que não fosse uma leve e tosca evocação  de Sofia, uma grande voz da poesia portuguesa que no seu tempo se sentou na bancada parlamentar do PS. 

Embora espantadas, as musas sorriram. Mesmo na poesia, o comité laranja  dos arcanjos prosaicos tem de se socorrer da tribo rosada  dos sonhadores.

 

 

sexta-feira, 5 de maio de 2023

INDIGESTÃO…

 

INDIGESTÃO…

Julgavam talvez que o PS ia ser cozinhado em lume brando.

 Sabe-se agora que não vai ser assim. Pensavam talvez que tudo se resumia  a  insultar o governo, a  insultar o PS ,a insultar os socialistas, esperando-os civilizados e previsíveis na resposta, conformados no debate, mansos nas polémicas.  Vai ser um pouco mais duro.

Vão  ter a maçada de combater, de arriscar. Podem talvez fazer-nos morder o pó. Mas não são favas contadas.

Sabem agora que não vão poder  passear-se  prazenteiramente sobre as nossas dificuldades.

Aprendam : há sempre o risco de, ao fim ao cabo, o  povo socialista ser um osso duro de roer.

segunda-feira, 1 de maio de 2023

DEMOCRACIA. E da boa!!!

 

DEMOCRACIA. E da boa!!!

 

O Sr. jornalista Magalhães, um sujeito calvo de meia idade, percuciente crítico de tudo o que, ainda que ligeiramente, lhe cheire a PS, cometeu hoje na sua CNN uma alusão comparativa com a qual pretendeu mostrar bem a esse Partido as suas limitações como protagonista de Estado. Pretendia ele contar a recente história do computador à procura de um dono, dada a sua alergia a pertencer ao Estado.

Ilustrando bem para que horizontes olham alguns dos vigilantes críticos do actual Governo, recordou um episódio do tempo da “outra senhora” que apresentou como exemplo. Nele se envolveu uma intemerata enfermeira desconhecida que, plantada no seu hospital de trabalho , sofreu a transcendente visita do então Ministro da Saúde do Doutor Salazar, o popular Catedrático de Finanças da FDUL, o suave Soares Martinez. A audaz enfermeira e o feroz catedrático envolveram-se numa rixa de salão, correndo o risco de produzir forte  susto nos inocentes doentes.

O épico de Santa Comba, possuído pela sua consabida verticalidade democrática, apressou-se a despedir velozmente a azougada enfermeira; e, após algumas horas de serena reflexão,  correu também, num gesto  nobre e decidido. com o insalubre Ministro da Saúde.

Para o Senhor Jornalista,  estava assim bem destacado esse transcendente exemplo de Estado, em que participaram alguns destacados vultos da sua confessada democracia: os híper democráticos Salazar e Martinez, bem como a malfadada enfermeira.

Acachapado pela força moral do expoente comparativo deveria o PS curvar-se arrependidamente?  Ou  deveria apenas o povo socialista exclamar: Vai-te encher de moscas aos quadrados !!!

sábado, 29 de abril de 2023

Afinal quem é o Presidente da Junta?

 

Afinal quem é o Presidente da Junta?

O Presidente da Junta acordou rosnando esta manhã uma melíflua ameaça de demitir o Regedor.

A malta mais afecta ao Senhor Prior exige-o enérgica e civilizadamente. Não perdoam que o Zé dos Bifes tenha mordido, ainda que cerimoniosamente, a prima mais nova da Dona Mafalda.

A freguesia lusitana alegadamente cansada de absolutos é energicamente conduzida para uma modesta democracia relativa. Nefelibaticamente, a matilha do crescimento e da saudade ignora a respiração  reinante e troveja vitupérios num esforço de cavar sepulturas.

segunda-feira, 17 de abril de 2023

 

O Dia Claro

                 (17 de Abril de 1969)

               - fragmentos de memória poética

 

 1.

Acendeu-se este dia de manhã

na alameda da memória,

sem melancolia, sem saudade.

Apenas liberdade,

respiração sem tempo

e um cravo vermelho de audácia

na aventura.

 

Na cidade há um vago perfume

de guitarras em fogo.

O Mondego recorda-se das serras e do mar

e viaja por nós, colhendo-nos, dizendo-nos.

                          

 

2.

Colho a pureza inteira deste dia

nas lentas alamedas da memória.

Acende-se no tempo uma saudade,

firme, calorosa, doce, intensa.

 

Respira-se nas ruas, fogo lento,

uma difusa luz de encantamento

e os dedos inquietos dos estudantes

tecem as lendas do deslumbramento.

 

Estavam diante de nós os muros altos

das desoladas sombras da tristeza,

o cerco sujo da soturnidade,

o violento  punhal  da desgraça.

 

Mas a manhã abriu-nos libertando

 os sonhos  que acordaram loucamente

sedentos de alegria e liberdade.

 

Rui  Namorado

       (17.04.2023)