segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

SINDICALISTAS COM MANUEL ALEGRE

Uma candidatura presidencial define-se pela conjungação de diversos factores, políticos, ideológicos, sociais, culturais, programáticos e até conjunturais. Um deles, seguramente um dos mais significativos, é o que reflecte a relação existente entre um candidato e os trabalhadores, com particular relevo para os activistas, quadros e dirigentes que dão vida quotidiana aos sindicatos. Por isso, me parece importante transcrever um texto sobre o documento "Um Compromisso entre Manuel Alegre e os Trabalhadores", recebido da direcção de campanha do candidato , que nos diz o seguinte:


"Manuel Alegre assinou um documento de compromisso com cerca de uma centena de dirigentes sindicais da CGTP e da UGT, no qual promete usar todos os seus poderes para defender os direitos sociais e os serviços públicos, intitulado “Um compromisso entre Manuel Alegre e os trabalhadores”, tendo o candidato presidencial recebido o apoio destes sindicalistas.


O candidato deixou uma garantia aos dirigentes sindicais: “Se for eleito Presidente da República ninguém contará comigo para pôr em causa o Serviço Nacional de Saúde, a escola pública, a segurança social pública ou os direitos sociais”.

Manuel Alegre compromete-se assim “a usar todos os poderes presidenciais para defender a democracia, direitos políticos e direitos sociais, para defender os serviços públicos, para defender os valores do 25 de Abril que estão consagrados na Constituição da República”. O candidato compromete-se ainda a lutar por defender “o direito dos jovens à esperança num futuro que garanta a dignidade humana, só plenamente alcançável com o direito ao emprego”.

Portugal precisa do Presidente Manuel Alegre.

“Nós, sindicalistas e activistas sociais, comprometidos com o mundo do trabalho, a defesa do Estado social e dos direitos dos trabalhadores, identificamo-nos com este candidato que tem uma visão humanista de Portugal e não uma visão contabilística. Um homem para quem as pessoas são pessoas e não números.”

Este documento foi assinado por dirigentes sindicais como Delmiro Carreira (Presidente do SBSI – UGT), Carlos Trindade (Dirigente do STAD – Com. Executiva CGTP), António Avelãs (Presidente SPGL – FENPROF), Paulo Sucena (Presidente Conselho Geral SPGL – FENPROF), Carlos Silva (Presidente SBC – UGT), Guadalupe Simões (Sindicato Enfermeiros), Manuel Camacho (Presidente UGT/Lisboa), Mário Jorge Neves (Presidente da Federação Nacional dos Médicos), Ulisses Garrido (Com. Executiva CGTP), António Chora (CT Autoeuropa), Rui Godinho (Presidente UGT – Setúbal), Óscar Antunes (Presidente SITEMA - UGT), Ana Paula Viseu (Presidente Mulheres/UGT) e a histórica dirigente socialista da UGT, Wanda Guimarães, entre outros".

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

CANDIDATO EM BUSCA DE SI PRÓPRIO


O Dr. Nobre esteve em Beirute: eis a irreprimível memória. Não se sabe bem a fazer o quê, mas certamente foi algo de louvável e corajoso. Congratulemo-nos.

O Dr. Nobre é um sacrificado e faz questão de o lembrar a cada momento. O Dr. Nobre é amigo dos pobres, dedicou a vida aos sinistrados e aos feridos. É certo que não chega a ser uma madre Teresa de Calcutá de calças. Mas será que tanto lhe podia ser exigido?
Alguém um dia confidenciou uma sua fraqueza: quando se olha ao espelho fica ufano e não resiste a perguntar: “espelho meu, há alguém mais ONG do que eu ?” Consta que o espelho lhe respondeu:” Não és um franciscano descalço arrastando-se esfomeado por entre tendas, em solidariedade para com os oprimidos, mas és muito ONG! “

É pois natural que o Dr. Nobre seja uma daquelas almas satisfeitas consigo próprias, que pairam muito acima da política dos mortais. É a sua história que o sussurra: quando o Salazar estava em Portugal, moendo-nos a paciência, ele espreguiçava-se, distante, na Bélgica. Outros, menos etéreos, políticos empedernidos, lá derrubaram o fascismo. Resolveu então vir até cá. Gostou. Ficou. Fez muitas coisas úteis que talvez nem ele consiga apagar por mais que as instrumentalize numa sofreguidão de popularidade.

Mas algo ocorreu no Olimpo do Dr. Nobre que o fez descer das alturas para o comércio rasteiro da política normal. E foi assim que , mesmo abominando a política normal, cheia de ideias , de luta de paixões, de interesses que se contradizem de esperanças que se opõem, não resistiu à tentação de entrar nela como turista.
E foi assim que se aproximou hoje de Durão Barroso, para depois migrar para Mário Soares, aventurando-se mesmo a frequentar o esquerdismo do Bloco de Esquerda. Forte dessas experiências de versatilidade , tentou a cambalhota suprema : apoiou ao mesmo tempo António Costa, em Lisboa e António Capucho, em Cascais. E rodeou toda essa versatilidade quanto a republicanos, de uma monárquica vassalagem, dentro da causa real, ao herdeiro do miguelismo, perante o qual curvou reiteradamente a espinhela numa comovente deferência.

Terá sido num dos seus passeios turísticos pela política normal, que tanto abomina, que alguém lhe terá dito: “Ó homem, você é o candidato presidencial ideal. Esteve em Beirute, é o rosto da AMI, já se aninhou nos mais diversos nichos político-partidários, sabe dizer dez palavras seguidas com convicção e pode fazer com denodo aquele velho choradinho do “sou português” e “gosto muito dos desgraçadinhos”. E , acima de tudo, pode fazer aquela clássica rábula dos políticos que fazem política como se a detestassem.

E assim nasceu o candidato Nobre. Podia ter sido o candidato do queijo da serra ou outra figura folclórica qualquer, deixando na campanha um rasto de boa disposição. Mas o seu ego não lho consentiu. Ele era muito maior do que isso. Ele era o “MAIOR”.E resolveu levar-se a sério na campanha. Falou uma, duas, três vezes; esgotou o guião elementar das grandes ocasiões e voltou ao princípio repetindo-se, uma e outra vez. E foi essa reiteração que estragou tudo. De facto, por detrás das palavras que foi dizendo acabou por ganhar evidência a raiz política do que ia proclamando.

Trovejando independência, arrasando o sistema político, queixando-se dos eleitos como se eles fossem os culpados psicológicos das características objectivas do tipo de sistema económico em que vivemos, talvez se tenha julgado um anjo vindo do céu da política, forte da companhia de imaginários deuses, para vir reduzir a pó os castelos de areia dos pobres mortais.

Mas se o apolítico Nobre tivesse um vestígio de cultura política , uma grão de conhecimento sobre a história das posições que se enfrentam no mundo em que vivemos, há muito que teria percebido que o seu discurso atrauliteirado e primário ostenta um evidente código genético que o identifica como uma variante previsível e tosca da velha ideologia reaccionária do populismo de direita.

E é essa neblina que o esconde de si próprio que faz com que o candidato Nobre ande à pedrada contra os vidros da democracia, sem perceber que aquilo que atira são pedras e que aquilo contra o qual as atira é a própria democracia. É por isso que, embora o candidato Nobre tenha estado em Beirute, seja um “ONG” conhecido e um médico sem fronteiras reputado, politicamente é aquilo que há de mais parecido com um nulo.

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

OS DOIS CAVACOS

A campanha para as eleições presidenciais continua a rolar, tão discretamente quanto possível, ao sabor dos poderes fácticos mediático-conservadores.

Nela deslizam dois Cavacos. Um, luminoso e institucional rodeado de figuras públicas, banhado melancolicamente pelo fado, desportivo entre os jovens, ostentando os galões de uma alegada competência como economista, piedoso perante as desgraças, vertendo uma lágrima furtiva pelos pobres e abandonados, avô de todas as crianças, moderníssimo na sofreguidão do ciberespaço. É o nosso presidente a navegar através das nossas angústias como um barco de serenidade. Arauto imodesto das suas vastíssimas virtudes é a segurança em forma de gente, embrulhada na bandeira nacional. É o vencedor coroado passando continuamente pelo seu arco do triunfo.

Mas há um o outro que, pouco a pouco, se vai afirmando como a sombra indelével do anterior. É um Cavaco hirto, tropeçando tenso nas palavras, escondendo ex-amigos debaixo do tapete, ficcionando glórias de governo num esforço para apagar a memória dos atalhos, por onde nos conduziu. Desliza como um felino pelas dificuldades da conjuntura, feroz e hipócrita para com os adversários internos, ronronante bichano perante os poderes fácticos internacionais que querem pôr um garrote no futuro do nosso país. Percorre os territórios densos da cultura, com o visível embaraço dos visitantes acidentais. Quando a pressão aperta, deixa vir à superfície a marca ostensiva da direita histórica que tão meticulosamente tem guardado no baú dos seus segredos.


Caminha através do seu própio discurso como se fugisse dele. As suas palavras são folhas secas que desenham outonos, mesmo quando revestidas pela previsibilidade do jargão mediático e pelo que há de mais “kitsch” no senso comum. As agências de imagem fazem tudo para o salvar. Em vão. As suas palavras atropelam-se com mais frequência, os seus gestos tornam-se mais hirtos, os seus discursos vivem em labirinto. As agências de imagem não desistem: esvaziaram-no meticulosamente da sua incerta humanidade, da contingente carne e do incómodo sangue. E aí está um candidato empalhado, movendo-se aos soluços numa sofreguidão de votos, distante de si próprio, reinventado pela direita numa saudade mórbida.

Estas dois Cavacos caminham a par no trajecto para as eleições presidenciais. O mais luminoso foge metodicamente da sombra que o persegue. O mais lunar não abandona a presa; e, como sombra que é, está sempre próximo e ameaçador.

Talvez não cheguem a encontrar-se, mas se isso vier a acontecer, o mais provável é que se abra um inesperado buraco negro político na direita portuguesa, ficando assim o povo em condições de poder respirar melhor.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

MANUEL ALEGRE : PRESIDENTE


Caloroso ambiente de combate, bandeiras desfraldadas, discursos fortes. Foi a sessão dedicada ao lançamento da Comissão de Honra da candidatura presidencial de Manuel Alegre. Maria de Belém, Jorge Sampaio, Manuel Alegre, fizeram-nos ouvir palavras limpas, complementares, intensas.


A esperança não é um território perdido. É possível evitar a sombra do recavaquismo. É indispensável. Não se pode deixar crescer mais a arrogância da direita, banhada por uma tecnocracia economicista, com a qual se julga blindada. Não se pode deixar crescer ainda mais essa direita melíflua, disposta a suportar molemente a vergonha de todos os "diktats", desde que sejam da responsabilidade do que resta de imperial no xadrez europeu, do poder frio do dinheiro ou das sombras autoritárias dos poderes de facto. Uma direita como sempre preparada para balir como um cordeiro perante os predadores internacionais que nos cercam e para rugir como um leão contra o seu próprio povo.


Manuel Alegre, Presidente : é uma oportunidade única para um regresso do povo de esquerda à sua enorme força de se mover em conjunto, ao mesmo tempo, para o mesmo lado. É uma oportunidade, não é uma oferta. É um objectivo possível, não é uma certeza. É o oxigénio que todas as esquerdas podem respirar, sem terem que deixar de ser elas próprias.


Manuel Alegre, Presidente: é a muralha que nos protegerá dos bárbaros, que, mesmo com os seus ouropéis coloridos e tonitroantes, não conseguem esconder a sofreguidão com que procuram salvar-se, à custa de um retrocesso civilizacional, que começaria por afundar os povos, para depois arrastar na sua voragem o volátil conforto dos senhores.


Manuel Alegre, Presidente: não é a oportunidade de um poeta, nem o destino de um combatente. É a oportunidade de o povo de esquerda regressar à sua viagem.

UMA MELANCÓLICA EQUAÇÃO POLÍTICA


Há uma equação política que vale para qualquer partido, ganhando um relevo acrescido quanto aos partidos de esquerda. Ela pode identificar-se mais ou menos assim: um governo não pode agir sistemática e continuadamente ao arrepio dos sentimentos, das opiniões, das ideias e dos interesses do seu eleitorado mais fiel, mas principalmente da sua base social de apoio histórica. Se o fizer corre o risco, não só de sofrer um enorme desastre eleitoral, mas também de quebrar o elo de identificação ideológica, simbólica e afectiva com o cerne da sua base social, abrindo assim a porta a que uma outra organização ocupe esse lugar ou uma significativa parte dele. Isto, sem excluir o risco de uma pura e simples dispersão dessa sua base social, que assim ficará politicamente anulada, pelo menos , no plano institucional.

Se acontecesse hoje, isso ao PS em Portugal, a direita,forte dessa nova vantagem estratégica, por certo, não resistiria à tentação de procurar anular o 25 de Abril, como sempre tem querido.

Se isso ocorresse, no plano Europeu, ao PSE, a prazo, a União Europeia correria o risco de implodir, ou de subsistir melancolicamente como um museu triste da Eurásia.

sábado, 18 de dezembro de 2010

PRESIDENTE LULA: uma calorosa despedida


Na revista brasileira CartaCapital, um texto assinado pela Redacção comenta o facto de, numa recente sondagem, o Governo de Lula ter batido o recorde de aprovação. O subtítulo é sugestivo: "Presidente encerra seu mandato com 87% de aprovação da população brasileira."
Mas, vejamos o texto:


"Pesquisa do Ibope divulgada nesta quinta-feira 16, encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostra que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem aprovação pessoal de 87% da população brasileira, a maior já registrada até agora. Na última pesquisa, realizada em outubro ele teve 85% de aprovação.O índice de brasileiros que aprovam o governo é de 80% e o dos que confiam no presidente é de 81%, novo recorde. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.
Entre as pessoas ouvidas, 62% acham que a presidenta eleita, Dilma Rousseff, fará um governo ótimo ou bom. Numa comparação com o governo do presidente Lula, 18% acreditam que a eleita Dilma Rousseff será melhor; 58% pensam que será igual; e 14% que será pior.
A região Nordeste do País é a que faz a melhor avaliação do governo, 86%. Nas regiões Norte e Centro-Oeste o governo é considerado ótimo ou bom para 81% da população. No Sudeste, 78% avaliam o governo positivamente e, no Sul, 75%.
As áreas apontadas pela população como prioritárias para o novo governo são a saúde, educação, segurança pública, o combate à fome e à pobreza, combate às drogas, a geração de emprego e o combate à corrupção. Em nove áreas de atuação do governo atual, sete tiveram avaliação positiva, com destaque para a segurança pública".

[A pesquisa foi feita entre os dias 4 e 7 de dezembro, com 2.002 pessoas, em 140 municípios.]

domingo, 12 de dezembro de 2010

PS/COIMBRA : duas eleições frustradas


1. Por duas vezes, se frustrou recentemente, em reuniões da Comissão Política da Federação de Coimbra do PS , a eleição do Secretariado da Federação. Vou hoje analisar os aspectos estatutários dessa questão, sem me preocupar com uma análise política do que está a acontecer.

Nos termos do art. 46 dos Estatutos do PS são órgãos de cada Federação, entre outros, a Comissão Política da Federação e o Presidente da Federação.

Nos termos do nº 7 do artº 47 dos mesmos Estatutos : « O Secretariado da Federação é eleito em lista completa, pela Comissão Política da Federação, de entre os seus membros, sob proposta do Presidente da Federação ».

Segundo o nº 10 do art.19 dos referidos Estatutos : « Quando a lista submetida à votação depender da propositura de outro órgão, a sua eleição ocorrerá com a obtenção da maioria favorável dos votos expressos ».

Conjugando estes três preceitos dos Estatutos do PS, verifica-se que o Secretariado de cada Federação distrital é eleito pela respectiva Comissão Política Federativa, sob proposta de um outro órgão, o Presidente da Federação, o que implica, para que esse Secretariado se considere validamente eleito, « a obtenção da maioria favorável dos votos expressos ».

Portanto, em qualquer das duas votações recentemente ocorridas, para a eleição do Secretariado da Federação de Coimbra, os estatutos foram respeitados, o que também aconteceu quando, em ambas, foi declarado não eleito o Secretariado proposto, uma vez que teve mais votos desfavoráveis do que favoráveis.



2. No calor das controvérsias, foi aventada a hipótese de, perante a repetição do resultado da primeira votação, o que realmente veio a ocorrer, o Secretariado Nacional impusesse uma Comissão Administrativa à Federação de Coimbra.

Ora, a única hipótese, admitida pelos Estatutos do PS, em que o Secretariado Nacional pode impor uma Comissão Administrativa, que substitua o Secretariado de qualquer das Federações, é a que resulta do art. 56 dos Estatutos, cujo nº 3 diz que : « No caso de se verificarem vagas no Secretariado da Federação, compete à Comissão Política da Federação eleger os membros em falta, sob proposta do Presidente da Federação” ; acrescentando o número seguinte que : « Nos casos em que a suspensão ou demissão de elementos do Secretariado da Federação provoquem a falta de quorum, e se a Comissão Política da Federação não proceder atempadamente à sua substituição, o Secretariado Nacional pode nomear uma Comissão Administrativa, que substituirá o Secretariado até à eleição de um novo ».

Percebe-se que a previsão inscrita neste artigo nada tem a ver com o que ocorreu em Coimbra recentemente e atrás se referiu. Está em causa, neste último preceito, o suprimento de uma inércia de um órgão que não actue « atempadamente ». Suprimento esse, que consiste na instituição provisória de um Secretariado, até que o órgão competente para o escolher quebre a sua inércia e assuma na prática a competência que tem. É essa inércia que desse modo se sanciona, nesses exactos e moderados termos, não o conteúdo de uma decisão.

Ora, o que ocorreu, recentemente, em Coimbra foi muito diferente. No exercício da sua competência o Presidente da Federação submeteu, uma e outra vez, uma lista ao sufrágio da Comissão Política da Federação que, também no legítimo exercício das suas competências, recusou a sua aprovação. Não tendo havido qualquer atropelo aos Estatutos, nem a qualquer preceito legal, de um ponto de vista jurídico não pode haver lugar a qualquer sanção.

Pensar o contrário, só faz sentido defendendo-se que a CPF estava obrigada a votar a favor da proposta que lhe foi apresentada. Mas isso é algo que não faz sentido. Seria de facto uma inovação inaudita dar a uma qualquer estrutura um poder de escolha, acompanhando-o com a imposição de que essa escolha lhe fosse ditada do exterior. Aliás, se fosse essa a posição querida pelos Estatutos, eles devê-lo-iam ter dito com clareza, dispondo expressamente que o Secretariado da Federação fosse designado pelo Presidente da Federação. Mas, não sendo isso que dizem expressamente, quando o poderiam fazer, não faz sentido sustentar esse exótico entendimento como tácito ou implícito.

Parece, pois, claro que nem o Secretariado Nacional, nem qualquer outro órgão nacional têm legitimidade para impor uma Comissão Administrativa à Federação de Coimbra, apenas por terem ocorrido as duas votações referidas com os resultados que tiveram.

3. Sendo assim, só está ao alcance dos órgãos nacionais do PS o recurso ao art. 100 dos Estatutos, que no seu nº 3 diz : « A Comissão Nacional, sob proposta da Comissão Política Nacional, e após prévia audição do respectivo órgão executivo, pode dissolver qualquer Secção ou Federação que deliberada ou sistematicamente viole a Declaração de Princípios, o Programa do Partido, os Estatutos ou os Regulamentos do Partido ». Sendo certo que nos termos do número seguinte : « Das deliberações previstas nos números anteriores 1 e 3 cabe recurso para a Comissão Nacional de Jurisdição, a interpor dentro do prazo de quinze dias ».

Assim, a interferência de órgãos nacionais na vida de uma Federação não decorre de nenhuma superioridade hierárquica legalmente reconhecida, que coloque na dependência da sua vontade se, quando e como podem intervir numa estrutura distrital. Pelo contrário, só a Comissão Nacional, depois do conjunto de diligências acima apontadas e perante uma prévia proposta da Comissão Política Nacional, pode dissolver uma Federação. Mas só a pode dissolver desde que ela « deliberada ou sistematicamente viole a Declaração de Princípios, o Programa do Partido, os Estatutos ou os Regulamentos do Partido » e não por qualquer outra razão..

Portanto, todos os receios de outro tipo de intervenção são simplesmente fantasiosos, na medida em que sendo anti-estatutários são ilegais ; e sendo ilegais não podem estar no horizonte das possibilidades cogitadas pela direcção nacional do PS.

4. Tudo isto apenas pretende demonstrar que estamos perante uma questão política e não perante uma infracção estatutária. E uma questão política como esta só pode ser resolvida, pela livre e conjugada decisão dos militantes da Federação de Coimbra investidos das responsabilidades que os militantes neles delegaram, sem interferências administrativas exteriores, que como vimos carecem de legitimidade e de fundamento jurídico.

CONTRACAPA DA VÉRTICE - 50


Vértice - nº 296- Maio de 1968

"São como esses fantasmas que projectam na sombra o clarão enganador da lanterna mágica; nenhuma realidade têm, mas imitam espantosamente a verdade que desfiguram..."

ALMEIDA GARRETT
( Discussão da Resposta ao Discurso da Coroa, 726 B)

sábado, 11 de dezembro de 2010

CONTRACAPA DA VÉRTICE - 49

Vértice - nºs 254-255 -Novembro-Dezembro de 1964

" O vosso país é devorado mesmo às claras pelos estrangeiros."


ISAÍAS, I...7

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

CALINADA OU AVISO ?


O nosso (de Coimbra) jornal diário mais emblemático, carinhosa e ancestralmente designado por "calino", distrai-se por vezes, talvez absorvido pela qualidade e pelo profissionalismo de quem o faz, esquecendo-se do imperativo de, uma vez por outra, fazer jus ao seu cognome. Mas lá se vai lembrando,de quando em vez, como ontem aconteceu ao referir-se, quanto aos dois oradores de um momentoso evento de uma enérgica Secção do PS, ao nome do primeiro.
Isto é, pelo menos, o que parece mostrar a imagem acima reproduzida. Mas se a nossa reflexão se activar, por um minuto, seremos, quase de certeza, assaltados por uma desconfiança: muito mais do que uma "calinada" não haverá aqui uma subtil e dramática mensagem subliminar ?
Por mais que isso possa ferir as almas púdicas não posso deixar de o dizer. O nosso Diário de Coimbra, discreto mas ousado, sentiu-se irresistivelmente obrigado a avisar-nos que em matéria de mobilidade urbana estamos fodidos.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

ILUMINADOS E PERIGOSOS


Os arautos de teorias de salvação nacional proliferam. Alguns podem até ser, psicologicamente, democratas sinceros, mas todos têm uma estrutura de pensamento marcada pelas suas origens, como apaniguados mais ou menos discretos ou simples pajens do velho salazarismo.

Por isso, têm tanta destreza a desenhar cenários aparentemente diversificados, mas onde se surpreende sempre um denominador comum: alguém por acto de vontade própria, de preferência um sujeito providencial, mas podendo ser um poder de facto instituído internacionalmente, sem a preocupação de se basear no seu consentimento democrático, virá dizer aos portugueses o que têm que fazer, distribuindo entre eles arbitrariamente sacrifícios e proveitos.

Ignoram assumidamente as diferenças ideológicas, quando se propõem impor a sua vontade, fingindo não perceber que mesmo isso já reflecte, por si só, uma opção ideológica específica. E, claro: dispensam-se inexplicavelmente de esclarecer por que razão se julgam infalíveis e pensam que os outros estão totalmente errados, até ao ponto de lhes poderem impor o seu caminho.

Uns desembainham um futuro Cavaco de hipotético segundo mandato, finalmente em condições de ser igual a si próprio, gélido e autoritário, preparando-se para salvar os portugueses de si próprios, não hesitando para isso em vestir a pele sombria de um salazar do século XXI.

Outros, mais modernizados, limitam-se a ansiar por um impessoal FMI que desagúe implacavelmente em Portugal , armado pela alegada objectividade do que lhe terão dito os seus números, talvez para virem repetir entre nós mais um dos seus recorrentes erros causadores de desastres.

Uns e outros, sozinhos ou misturados, armados pela fé da direita de sempre ou crédulos na imensidão da sua escassa ciência, por mais que se revistam de palavras mansas e vaticínios amargos, descontada a sua melíflua generosidade de superfície, quando exista, trilham afinal o mesmo caminho em que o fantasma de salazar insiste, aprisionado no seu providencialismo autoritário e cego pela novidade de um século que apenas começou.

domingo, 28 de novembro de 2010

OS LIMITES DO FANATISMO ANTI-SÓCRATES


1. Quem no interior do PS pensa que Sócrates deve ser substituído tem uma boa oportunidade no próximo Congresso. Mas, se antes não ocorrer um qualquer evento dramático e se Sócrates se recandidatar à liderança, ou eu me engano muito ou os que agora, deslizando pelos corredores do poder, esgotam a sua margem de coragem política, sussurrando a hipótese de uma substituição de Sócrates, vão ficar ronronando silêncios, quando seria exigível que falassem.

Mas se algum inesperado vulto se erguer numa súbita coragem, para dizer estou aqui, ainda se terá que perguntar se partilha a adesão ao essencial do caminho percorrido, apenas exacerbando detalhes num arremedo de demarcação, ou se, realmente, se afirma pela convicção de ser necessário enveredar por um outro caminho, qualitativamente distinto do que tem vindo a ser trilhado.

Se estivermos perante uma demarcação substancial, ficará aberta a porta para um Congresso útil que, valendo naturalmente pelas suas opções mais estruturantes , valeria também, desde logo, pelo tipo de debate em que necessariamente se traduziria. Mas, neste ponto, há que sublinhar que de modo nenhum, se poderá aferir a profundidade e a autenticidade de qualquer alternativa pelo grau de veemência do discurso. Veemência que facilmente o poderá aprisionar num tom insultuoso, em detalhes conjunturais ou em trivialidades. Mas deve também estar-se atento ao risco de o saudável vigor crítico praticado no interior do PS se alimentar das agendas políticas da propaganda dos nossos adversários.

A consistência e a radicalidade das demarcações de fundo são factores qualificantes do debate e indícios de uma utilidade objectiva para o Partido dos protagonismos em que se traduza. Os insultos, os processos de intenções, as vozearias, que se encerram em questões menores, são apenas indício de primarismo político, facilmente apropriáveis pelos quadrantes políticos adversários, como armas ao seu serviço. Verdadeiramente, quem seguir por esses caminhos sôfregos e crispados, quer no assalto aos virtuais castelos do poder quer na sua defesa, não será, por certo, um elemento da seiva da vida política, podendo, pelo contrário, contribuir para o seu descrédito. E nunca poderá ser encarado como um protagonista de uma acção cívica, mas pode ser olhado com um simples galaró de combate, absorvido pela fúria estéril de um rixa que só pode contribuir para tornar a vida política mais rasteira e abafada.

Só uma radicalidade estratégica, resolutamente ancorada num horizonte socialista, poderá dar sentido a qualquer alternativa, rompendo a estéril disputa gerada por uma espécie de concorrência entre perfis individuais ou entre tribos. Dito isto, não se deve cair no erro de julgar que qualquer proposta de uma orientação política alternativa se pode limitar a este ponto de partida. Mas, sem este ponto de partida, nenhuma verdadeira alternativa se pode construir.

2. Quem do exterior do PS pensar que, sem recurso a novas eleições, Sócrates deve ser substituído como primeiro-ministro ou que deve ser substituído no PS por um novo líder num próximo Congresso, pode merecer discordância, mas não passa a fronteira da irracionalidade ou da hipocrisia, se o fizer como simples cidadão que exprime uma opinião.

Mas, se disser o mesmo, na qualidade de um actor político que quer contribuir para ver concretizado o que diz, merece uma observação. Pode ser encarado de duas maneiras. Numa primeira hipótese, essa posição é um simples fingimento. Fingimento de quem, achando embora que Sócrates deve continuar, por julgar que essa continuidade beneficia os seus adversários, diz o contrário, por pensar que assim reforça a hipótese de que isso não aconteça. Quem assim proceda, podendo ser qualificado como cínico, não deve ser considerado como politicamente estúpido. A sua estratégia pode ser eticamente repugnante, mas tem uma lógica que a torna compreensível.

Numa segunda hipótese, esse actor político diz o que pensa e quer. Ou seja, ele quer ver Sócrates pelas costas, mesmo que o Governo continue a ser do PS . Nesse caso, a sua tomada de posição pública é uma atitude grosseiramente estúpida de um ponto de vista político.

Realmente, quanto mais relevantes e numerosas forem as vozes exteriores ao PS, apontando nesse sentido, menos provável será que o PS as acolha positivamente. De facto, devia fazer parte da informação mínima de qualquer actor político português, a fortíssima improbabilidade de o PS alguma vez consentir que lhe ditassem do seu exterior quem deve ser o seu secretário-geral, ou quem deve ser indicado para liderar um governo do PS. E quanto mais os seus adversários, ou seja quem for do seu exterior, falarem nisso, mais se acentuará essa improbabilidade, bem como o repúdio por essa via no interior do Partido. De facto, cada voz pública nesse sentido reforça a irredutibilidade da sua recusa.

Por isso, pode afirmar-se, com segurança, que os actores politicos exteriores ao PS, que publicamente insistam na ideia de que o Partido deve fazer com que Sócrates saia da chefia do Governo e da sua liderança, ou
são cínicos ou são estúpidos.
[A versão original deste texto sofreu correcções de estilo, hoje, dia 29 de Novembro de 2010, às 10 h e 30 m.]

sábado, 27 de novembro de 2010

A COMUNICAÇÃO SOCIAL BRASILEIRA

A poeira começa a assentar no Brasil, depois de passada a turbulência eleitoral que teve o desenlace feliz da continuidade: Lula governou oito anos e contribuiu, decisivamente, para a vitória eleitoral da sua continuadora, Dilma Roussef.


Não foi uma vitória fácil, conquanto tenha sido clara e expressiva. A direita não se poupou e foi igual a si própria, robustecida pelo apoio precioso e largamente dominante dos grandes meios de comunicação social. Eles, que tão docilmente lamberam as botas dos generais, quando estes tomaram o poder pela a força em 1964, recorreram a tudo o que puderam para abater Dilma. Tal como haviam falhado duas vezes com Lula, falharam de novo com Dilma.

Pareceu-me ser este um tempo adequado para que se reflicta sobre tudo isso, até por que em Portugal esta é uma matéria acerca da qual se têm vindo a acumular equívocos. E assim resolvi transcrever neste blog uma entrevista difundida recentemente na revista brasileira CartaCapital. E aí se esclarece que se trata de uma " matéria do Viomundo originalmente publicada no Carta Maior", acrescentando-se que a"entrevista [foi]concedida originalmente ao site Carta Maior". A entrevistada foi a reputada especialista em filosofia política, Marilena Chauí, professora universitária brasileira da USP, que por mais do que uma vez ouvi em Coimbra em iniciativas do CES. O seu prestígio dispensa apresentação, a sua densidade teórica recomenda uma leitura atenta, mas a sua lucidez garante proveito à leitura.
No título da entrevista diz-se que a" mídia brasileira é uma das mais autoritárias do mundo”, sublinhando-se que "na campanha eleitoral a guerra se deu entre o preconceito e a verdadeira informação".


Em entrevista à Carta Maior, Marilena Chauí avalia a guerra eleitoral travada na disputa presidencial e chama a atenção para a dificuldade que a oposição teve em manter um alvo único na criação da imagem de Dilma Rousseff: “o preconceito começou com a guerrilheira, não deu certo; passou, então, para a administradora sem experiência política, não deu certo; passou para a afilhada de Lula, não deu certo; desembestou na fúria anti-aborto, e não deu certo. E não deu certo porque a população dispõe dos fatos concretos resultantes das políticas do governo Lula”. Para a professora de Filosofia da USP, essa foi a novidade mais instigante da eleição: a guerra se deu entre o preconceito e a verdadeira informação. E esta última venceu.


Carta Maior: Qual sua avaliação sobre a cobertura da chamada grande mídia brasileira nas eleições deste ano? Na sua opinião, houve alguma surpresa ou novidade em relação à eleição anterior?

Marilena Chauí: Eu diria que, desta vez, o cerco foi mais intenso, assumindo tons de guerra, mais do que mera polarização de opiniões políticas. Mas não foi surpresa: se considerarmos que 92% da população aprovam o governo Lula como ótimo e bom, 4% o consideram regular, restam 4% de desaprovação a qual está concentrada nos meios de comunicação. São as empresas e seus empregados que representam esses 4% e são eles quem têm o poder de fogo para a guerra.
O interessante foi a dificuldade para manter um alvo único na criação da imagem de Dilma Rousseff: o preconceito começou com a guerrilheira, não deu certo; passou, então, para a administradora sem experiência política, não deu certo; passou, então, para a afilhada de Lula, não deu certo; desembestou na fúria anti-aborto, e não deu certo. E não deu certo porque a população dispõe dos fatos concretos resultantes das políticas do governo Lula.
Isso me parece a novidade mais instigante, isto é, uma sociedade diretamente informada pelas ações governamentais que mudaram seu modo de vida e suas perspectivas, de maneira que a guerra se deu entre o preconceito e a verdadeira informação.


CM: Passada a eleição, um dos debates que deve marcar o próximo período diz respeito à regulamentação do setor de comunicação. Como se sabe, a resistência das grandes empresas de mídia é muito forte. Como superar essa resistência?


MC: Numa democracia, o direito à informação é essencial. Tanto o direito de produzir e difundir informação como o direito de receber e ter acesso à informação. Isso se chama isegoria, palavra criada pelos inventores da democracia, os gregos, significando o direito emitir em público uma opinião para ser discutida e votada, assim como o direito de receber uma opinião para avaliá-la, aceitá-la ou rejeitá-la.
Justamente por isso, em todos os países democráticos, existe regulamentação do setor de comunicação. Essa regulamentação visa assegurar a isegoria, a liberdade de expressão e o direito ao contraditório, além de diminuir, tanto quanto possível, o monopólio da informação.
Evidentemente, hoje essa regulamentação encontra dificuldades postas pela estrutura oligopólica dos meios, controlados globalmente por um pequeno número de empresas transnacionais. Mas não é por ser difícil, que a regulamentação não deve ser estabelecida e defendida. Trata-se da batalha moderna entre o público e o privado.


CM: Você concorda com a seguinte afirmação: “A mídia brasileira é uma das mais autoritárias do mundo”?


MC: Se deixarmos de lado o caso óbvio das ditaduras e considerarmos apenas as repúblicas democráticas, concordo.


CM: Na sua opinião, é possível fazer alguma distinção entre os grandes veículos midiáticos, do ponto de vista de sua orientação editorial? Ou o que predomina é um pensamento único mesmo.


MC: As variações se dão no interior do pensamento único, isto é, da hegemonia pós-moderna e neoliberal. Ou seja, há setores reacionários de extrema direita, setores claramente conservadores e setores que usam “a folha de parreira”. A folha de parreira, segundo a lenda, serviu para Adão e Eva se cobrirem quando descobriram que estavam nus.
Na mídia, a “folha de parreira” consiste em dar um pequeno e controlado espaço à opinião divergente ou contrária à linha da empresa. Às vezes, não dá certo. O caso do Estadão contra Maria Rita Kehl mostra que uma vigorosa voz destoante no coral do “sim senhor” não pode ser suportada.

[* Matéria do Viomundo originalmente publicada no Carta Maior]

UMA VISITA À IRLANDA EM 2001.


Um velho amigo e camarada, Nuno Filipe, pôs à minha disposição, para possível divulgação neste blog, um texto da sua autoria, publicado em 2001, quando a Irlanda era ainda um paradigma de sucesso, atirado pelos neo-liberais à cara dos que não se vergavam, por completo, à respectiva cartilha. O texto fala, por si. O seu autor achou apenas útil antecedê-lo de uma breve nota explicativa, onde diz que:


"Em resultado de uma visita de trabalho à Irlanda, escrevi para “As Beiras” em Junho de 2001 o artigo que a seguir se reproduz.
Infelizmente, as dúvidas e aquilo que apontámos como erros da corrente dominante do neoliberalismo, resultaram na dramática situação que hoje vive o povo Irlandês.
Por isso entendo, que uns por comodismo, e outros, nalguns casos, por facilitismo e corrupção, são responsáveis pela crise que se abateu sobre uma boa parte do mundo, estando na linha da frente os responsáveis por um modelo politico-económico que só pode conduzir os povos ao abismo, quer na Europa, quer noutras partes do Mundo."


O MITO IRLANDÊS

[Publicado em Junho de 2001]

Depois do movimentado e frenético aeroporto de Heathrow, em Londres, e de um voo de cerca de uma hora, o avião sobrevoou as terras calmas e verdes da Irlanda, aterrando suavemente no aeroporto de Shenanon, que há décadas atrás foi uma das mais importantes plataformas entre a América e a Europa, mas que deixou de o ser com a autonomia de voo acrescida das aeronaves.
De Shanonn a Limerick, confirma-se a paisagem verde e calma, com arvores e campos viçosos de planície fértil e rica em pastagem, que alimenta largo universo de animais, designadamente ovinos e bovinos, que se contam por largas centenas de milhares de cabeças, contribuindo de modo considerável para uma economia que aparece pintada de “milagre Irlandês”.
O povo Irlandês, logo nos primeiros contactos, revela-se de grande afectividade e hospitalidade, que faz lembrar a nossa maneira de ser e de receber, povo que no entanto não esquece a repressão dos Ingleses, do seu carrasco Cromwell e Guilherme III, que impuseram, um domínio violento do protestantismo, ao ponto de expulsarem muitos milhares de católicos. (1)
A curiosidade da visita era, pois, obvia, tanto mais que alguns políticos, provavelmente sem conhecerem, e por motivos puramente demagógicos, apontam o crescimento económico e o modelo da Irlanda como exemplo a seguir, sendo certo que não conseguem, ou não querem distinguir, entre crescimento económico e desenvolvimento social.
Face a esta postura, pretendemos colher o maior número de informações directas, para de modo isento, avaliarmos a realidade da Republica da Irlanda.
Percorremos, durante alguns dias, parte significativa do território, e dessa experiência e conhecimento directo, tentaremos uma síntese daquilo que julgamos ser fundamental para uma ideia geral da vida económica e social do pais.
O crescimento económico Irlandês, que nos últimos anos tem ultrapassado o dobro da média Europeia, permitiu, na verdade, dar um salto, especialmente na produção, na especialização e na multiplicação de grandes, mas também médias e pequenas unidades empresariais.
Resultou assim, nos últimos dez anos, um aumento da taxa de emprego e de níveis salariais significativos. Por exemplo, o salário médio mensal de um Farmer Worker (trabalhador agrícola), laborando 39 horas por semana, é em média de 700 Libras, cerca de 175 contos por mês.
Por outro lado, na educação, o ensino superior faz uma ligação directa e prática à industria e á produção, tendo hoje a Irlanda parques tecnológicos muito importantes.
Diria que estas são as notas mais positivas que devem ser destacadas.
No entanto, o crescimento foi selectivo de modo obsessivo e os aspectos negativos, mesmo francamente negativos, ressaltam de modo chocante.
Comecemos pela mão-de-obra. Actualmente, 70% dos trabalhadores são empregados de cinco grandes multinacionais, ligadas aos Estados Unidos.
Somente 30% da mão-de-obra Irlandesa tem emprego nas pequenas e médias empresas e na agricultura. Será interessante referir que o aparecimento das multinacionais é contemporâneo dos fundos comunitários e que, se para infelicidade dos Irlandeses, estas multinacionais “zarparem” será uma avalanche de desempregados com as consequências sociais e económicas que se adivinham.
Quanto ao desenvolvimento social o panorama é desolador: O governo Irlandês (neo-liberal) não tem qualquer projecto em áreas decisivas para a coesão social, como sejam a infância, juventude e terceira idade, isto é, não há qualquer política oficial, tanto para creches, como para o ensino pré-escolar e terceira idade. Centros-Dia, Lares Residenciais e Apoio Domiciliário, não existem. O que existe nestas áreas respeita quase exclusivamente á iniciativa privada e lucrativa.
Quanto a infra-estruturas básicas o seu nível de desenvolvimento fica muito distante do de Portugal.
A rede de estradas na Irlanda tem mais de 50 anos, e embora todas alcatroadas, são idênticas as nossas antes do 25 de Abril. Quanto a auto-estradas existem escassas dezenas de quilómetros.
O saneamento e a rede de abastecimento de água, fora dos centros urbanos são quase inexistentes.
Os pregadores políticos da nossa praça, não saberão também, que o transporte de energia eléctrica e os postos transformadores (Pts), são ainda de madeira e que o parque habitacional, em média, está muito longe do parque habitacional Português.
O tratamento de efluentes, só agora começa no rio Shannon. No entanto convém dizer que o aspecto das praças e outros lugares públicos é agradável e limpo.
Fomos recebidos, de modo acolhedor, no seio de famílias Irlandesas inexcedíveis em amabilidade. (O cuidado de Miss Pat era comovedor ao perguntar que desejávamos para o pequeno almoço do dia seguinte).
As habitações em que é praticado turismo de habitação, em Portugal não seriam licenciadas, por não terem as condições exigidas aqui.
Outro aspecto que nos deixou espantados, foi o de algumas unidades industriais que visitamos. Uma delas na terceira cidade da Irlanda, isto é, em Limerick. Impressionou tanto pela falta de higiene como de segurança. O ambiente de trabalho parece-se com as unidades de produção asiáticas: sem arejamento, ou pé direito mínimo, nem tão pouco medidas de segurança essenciais, como extintores e saídas de emergência.
O nosso desejo sincero é que o povo Irlandês não seja vitima da gula voraz do lucro e do crescimento cego, que foi erigido como modelo e milagre económico pelos neo-liberais, que não tiveram em conta o essencial, que são as pessoas.
Pretendemos com este apontamento ajudar a desmontar o discurso, tantas vezes inconsistente e demagógico de uma oposição sem pudor e que pretender vender, quase sempre, gato por lebre.

(1) (Mais tarde entre 1800-1829, com o recrudescimento do proselitismo protestante dirigido pelo Bispo anglicano Magee, opõe-se eficazmente o Bispo Irlandes Dr. Doyle, antigo aluno da nossa Universidade de Coimbra).

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

A DESCOMUNICAÇÃO SOCIAL


Uma comunicação social com olho de lince: é o que é a portuguesa.

Por isso, embora o vice-presidente do BCE, Vítor Constâncio, aliás como aconteceu com o próprio Presidente, terem pela enésima vez assegurado que não tinha qualquer fundamento a tentativa de meter Portugal no mesmo saco do que a Irlanda, para se dizer que o FMI vai ser chamado a intervir no nosso país, ela não se deu por vencida.

E, num assomo de forte rigor jornalístico, foi ouvir as opiniões de dois abalizados especialistas:
Micas, a boa, técnica de convívio num bar de alterne; e Tonito, industrial de biscates. Ambos foram peremptórios: o FMI vai ser chamado a Portugal já. E vem já uma vez que Portugal se parece com a Irlanda, como se fossem dois irmãos gémeos, até porque ambos os países descendem dos romanos e dos fenícios. Aliás, as declarações da Micas abriram mesmo o Telejornal de um dos canais televisivos, a qual aproveitou a oportunidade para dizer adeus à mãe, radicada em Trás-os-Montes.

MAIS UM ARTEFACTO PEXISTOTÈMICO


Diz a imprensa que o FMI, entende que o"fosso entre ricos e pobres esteve na origem da crise financeira".

Eu traduzo: O FMI diz que o resultado das suas receitas foram a causa da crise.

Nem sei se é caso para chorar de raiva ou para rir às gargalhadas.

Estamos realmente a assistir ao regresso dos pexistotémicos...

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

A GREVE, O SAPO E O ESCORPIÃO


1. Fiz greve. Como professor universitário tinha razões para o fazer: o Processo de Bolonha vai continuando o seu trabalho de corrosão das universidades públicas e uma austeridade desenhada e imposta pela irracionalidade neoliberal vai agravando a deriva.Além disso, cumpri a decisão do meu sindicato.

2. As esquerdas parecem epicamente condenadas a degladiarem-se entre si. As direitas navegam em águas aparentemente mais tranquilas. Abaixam-se para ver se a tempestade lhes passa por cima e se no fim ficam mais fortes e as esquerdas mais fracas.

3. O sector dominante da esquerda institucional resmunga oficiosamente uma imagem de fracasso da greve que a realidade teimosamente desmente. Os sectores dominantes das esquerdas sociais desenham um cenário demolidor que, se tivesse a dimensão afixada, já teria varrido qualquer governo. Esgrimem entre si números como se o peso da greve não fosse o resultado de um balanço sócio-politico, mas um hipotético apuramento impessoal de uma luta entre números.

4. O primeiro parece acreditar que, se fizer os sindicatos morder o pó, poderá navegar tranquilamente numa imaginária harmonia, gerida pelos generosos e altruístas senhores do dinheiro, que lhes continuarão a deixar movimentar as alavancas do poder. Os segundos parecem acreditar que se destroçarem o sector dominante da esquerda institucional verão abrir-se as portas de um outro poder político, onde os interesses que defendem tenham verdadeiro eco.

Mas se os trabalhadores forem vencidos e os sindicatos aniquilados, na constância do capitalismo, nenhum governo de esquerda respirará sequer cinco minutos de poder institucional. E se a esquerda institucional dominante for desmoronada, seguir-se-ão governos de direita, cuja novidade será o agravamento brutal de tudo aquilo que fez com que os sectores dominantes das esquerdas sociais combatessem o sector dominante da esquerda institucional.

Por isso, esta greve teve também uma dimensão trágica. Ela fez-me recordar aquela história do sapo que para ajudar um escorpião a atravessar um ribeiro o transportou no seu dorso. Contudo, a meio da travessia o escorpião espetou o seu ferrão venenoso no sapo. E ferido mortalmente o sapo perguntou. "Porque me matas, sabendo que se eu morrer também tu morres". E o escorpião respondeu: "É da minha própria natureza". E morreram os dois.

Mas neste caso, é como se a história envolvesse dois pares de sapos e de escorpiões. Num deles é a esquerda institucional que faz de sapo; no outro, são as esquerdas sociais. O desenlace é o desaparecimento de todos, seja qual for o papel que desempenharam.

5. Há uma subtil ironia, impregnando tudo isto. Embora pareçam desconhecê-lo, para cada uma das partes, os problemas da outra são afinal também seus. E cada uma delas precisa da força da outra para que, a prazo, não fique irremediavelmente enfraquecida.

Reconheço que a probabilidade de isto ser entendido por qualquer das partes, é escassa. Possivelmente, cada um dos lados continuará a incensar a sua própria santidade e a construir infernos onde gostaria de ver o outro; a construir minuciosamente a culpa do outro e a inocência própria.

Mas quem conseguir despir o seu olhar, por um momento, da neblina das aparências mais prementes, facilmente verá que, se ambos os lados continuarem a intercambiar sucessivamente entre si os papeis de sapo e de escorpião, acabarão por se afundar.

Este não é um resultado que qualquer das partes vá imputar à greve de hoje, mas foi uma reflexão que ela em mim, irresistivelmente, desencadeou. Não é entusiasmante. Mas poderemos passar-lhe por cima, ignorando-a, só pelo facto de nos incomodar ?

terça-feira, 23 de novembro de 2010

INDISPENSÁVEL LER !

Indispensável ler de João Silva “ERA PRECISO
QUE O PS SE LEVANTASSE DO CHÃO…” escrito
no seu blog
"BOM DIA MONDEGO"



segunda-feira, 22 de novembro de 2010

O MISTERIOSO SR. MERCADO


Quando se fala no Sr. Mercado, como a sombra que paira sobre a Europa, não se está a dizer o seu nome completo. Dever-se-ia dizer o Sr. Mercado de Capitais. Mas ainda assim, se fosse desta maneira que ele fosse referido, não se estaria a dizer tudo.

De facto, o Sr. Mercado de Capitais é uma maneira discreta de designar uma neblina, por detrás da qual se escondem, certamente por modéstia, pessoas e entidades. São pessoas e entidades muito diferentes entre si. Mas que têm uma característica comum: dispõem de capitais que precisam de investir. E como é que se chamam as pessoas e as entidades que dispõem de capitais e os querem investir? Capitalistas, diria eu se quisesse chamar as coisas pelo seu nome mais apropriado.

E agora, que já disse isso, talvez ouse pensar que não será só por modéstia que essas pessoas e entidades não se assumem tal como são e aceitam andar escondidas por detrás da cortina representada por uma alegada existência de um imaginário Sr. Mercado, sujeito volátil e imprevisível..

Imaginem o que aconteceria se nas primeiras páginas dos jornais e nas aberturas dos noticiários televisivos, em vez de se dizer que o Sr. Mercado especula com as dívidas dos estados, que o Sr. Mercado se prepara para atacar especulativamente o euro, que por causa do Sr. Mercado perderam emprego e entraram na pobreza milhões de europeus, se dissesse que por causa de alguns capitalistas, vários países europeus se aproximavam do colapso e milhões de seres humanos viam as suas vidas desfeitas.

Imaginem o que aconteceria. E estejam certos de que esses senhores já imaginaram. E é precisamente por isso que passaram a chamar-se Sr. Mercado de Capitais, e a serem familiarmente conhecidos por Mercado.

sábado, 20 de novembro de 2010

O GRANDE CIRCO DA NATO


Milhares de pessoas confluem em Lisboa. São pessoas graves, circunspectas, levando penosamente às costas o peso do mundo. Cada político arrasta consigo a sapiência lisa de muitos peritos. Mesmo nos almoços, surpreendem-se conversas densas, jogos complexos de misteriosos desígnios. Cá fora, milhares de polícias construem a imagem pura de um perigo imaginário. Vestindo as alvas roupagens da paz, uma mistura de jovens e de menos jovens esbraceja ao longe slogans épicos e desagradáveis contra a NATO. Uma pedra perdida voa numa ambição de estilhaço, um polícia num automatismo sereno dá uma cacetetada. Donas de casa espantadas, reformados ociosos e criaturas simplesmente curiosas surpreendem deleitados ao longe a sombra fugidia de Obama. A chuva num toque melancólico desce pela tarde. Sábios jornalistas , ágeis de muitas guerras, experimentados em todos os labirintos do poder, aguardam tensos a chegada das palavras ditas. Nos meios de comunicação social domésticos, espraia-se o enciclopedismo dos naftalínicos da política; os carimbados com os novos saberes, sobre qualquer coisa que seja internacional, falam com a superficialidade de manuais vivos, sobre os alegadamente grandes deste mundo.

Navios, tanques, aviões, carros de combate, jovens armados como felinos da morte, generais mortíferos como milhafres, mísseis fatais como maldições, aguardam impacientes a palavra arguta dos estrategas, o desígnio histórico dos políticos de horizonte.

E as palavras chegam: medidas, plenas de uma exactidão sem mácula, subtis como serpentes, ópios dissimulados em alusões de esperança. Os jornalistas mais experientes observam-nas com o microscópio das rotinas instituídas, percorrem o seu interior com uma paciência sem limites, pesquisam as entrelinhas com a curiosidade dos detectives. Mas, em vez de serem possuídos por um sobressalto de espanto, pela novidade que cega, descem melancolicamente das suas curiosidades, reclinam-se cépticos ao longo das conclusões proclamadas e experimentam, mais uma vez, a náusea suprema do já visto.

E é essa suprema náusea que verdadeiramente resume o alvoroço destes dias, afinal vazios. Um vago estudante de Relações Internacionais, nos primeiros passos de caloiro, a quem um professor optimista pedisse o bocejo de um texto simples, sobre a geo-estratégia das desgraças e das guerras, à porta das quais se ajoelham a Europa e a América, não criaria um produto textual mais plano, mais previsível e mais inócuo.

Em seus fatos escuros, em seus vestidos cinzento-choque, os grandes e as grandes deste mundo saíram repetidamente de grandes carros pretos, almoçaram-se discretamente, uma e outra vez, num sussurro de conversas cifradas, cujos códigos parecem ter esquecido. Grande representação de um novo teatro do absurdo, em que todos parecem caminhar apressadamente para lado nenhum.

Exaustos, recolherão a suas casas, como se tivessem mudado o mundo de sítio, mas afinal a luz que verdadeiramente se acende, no mais íntimo das suas profundidades, é a volúpia indizível de terem deixado tudo na mesma.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

O MISTÉRIO DA MULTIDÃO PERDIDA


Uma multidão entusiástica, vinda de todos os recantos da Europa, da América do Norte, do Iraque e do Afeganistão, juntou-se a várias centenas de milhares de portugueses numa enorme manifestação popular de regozijo pela realização de mais uma cimeira da NATO, desta vez realizada em Lisboa.

Os diversos líderes políticos, aplaudidos e acarinhados pelo povo, deram muitos autógrafos e deixaram-se fotografar inúmeras vezes ao lado de manifestantes empolgados e agradecidos.

As janelas das casas das ruas vizinhas estavam engalanadas com flores e bandeiras; e repletas de cidaddãos calorosos e entusiastas que não se cansavam de aplaudir as notabilidades presentes.

PERFUMES SECRETOS

Uma das mais secréticas figuras da cena secreta portuguesa demitiu-se. As trombetas da comunicação social doméstica rugiram entusiasticamente a notícia. Graves figuras de Estado sussurraram publicamente alegações descansatórias.

Pela minha parte, olhei com cautela, para um e outro lado, e atrevi-me a pensar , embora em segredo:


"É estranho! Então a demissão de uma figura secrética não tem que ser por natureza secreta ?"

LIGEIRA ALJUBARROTA


Portugal, enquanto claque, lavou ontem a alma batendo a Espanha por 4 a 0 no jogo de futebol realizado em Lisboa. Bater a Espanha tem sempre um sabor a Aljubarrota, mesmo quando se trata de um jogo amigável. Estava fresca a memória da derrota sofrida na África do Sul, a nossa selecção estava a sair de uma fase difícil. Afinal, Portugal arrasou.

Passei os olhos pela imprensa estrangeira, de onde respiguei 15 reacções ao desfecho do jogo acima citado. Utilizei jornais brasileiros, espanhóis, franceses, italianos, ingleses, mexicanos e argentinos. Eis as quinze alusões seleccionadas:


1. Portugal surpreende e aplica 4 a 0 na campeã Espanha

2.
Portugal faz barba, cabelo e bigode contra a Espanha: 4 a 0

3.
Portugal goleia a Espanha em clássico-
portugueses estragaram a festa espanhola em jogo que promovia Copa conjunta dos dois países

4. Nuevo papelón del campeón del mundo en un amistoso

5. Humilla Portugal 4-0 a España

6. Portugal vapulea a la campeona

7. España derrocha prestigio

8. Portugal golea a España liderada por Nani y el madridista y retrata a una campeona del mundo que se arrastró en Lisboa.

9.
Vendetta Portogallo: 4-0 alla Spagna

10. Spagna, clamorosa debacle.

11.
Le Portugal corrige les champions du monde espagnols

12.
Une sacrée revanche

13.
Le Portugal écrase les champions espagnols 4-0.


14. Spain suffered defeat by Portugal in Lisbon, their heaviest loss since Scotland beat them 6-2 in 1963

15. Portugal eventually beat the World Cup holders 4-0, but the game was goalless when Ronaldo turned Gerard Pique inside out and dinked a glorious shot over Iker Casillas.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

DIAS CINZENTOS


Ser Ministro exige competências técnicas, competências políticas, densidade cultural e, nos dias que correm , sangue frio mediático.

E quanto mais complexa é a conjuntura que se atravessa, mais importante é medir as palavras que se dizem, calibrar cada frase com rigor milimétrico, falar numa linguagem lisa e desprovida de qualquer neblina que suscite equívocos. A qualquer cidadão é exigível que encare a luta política como um combate, onde não há lugar para duplicidades nem traições. Nem neste nem noutro qualquer plano se pode exigir menos a um Ministro.

Ora, nestes últimos dias, foi possível ver um Ministro afundar-se num inesperado resmungo laudatório sobre coligações governamentais, um outro emaranhar-se em "fe-em-is"numa entrevista a uma revista estrangeira e um terceiro subir para o "tgv" e descer dele , uma e outra vez, no decurso de um debate parlamentar.


Travem ! Falem contidamente, calem-se apropriadamente. Sejam simples e directos. Não tentem ser geniais ou infalíveis. Estejam certos de que se não procurarem ser mais do que cidadãos comuns e desse modo sujeitos a errar umas vezes e a acertar outras, tudo será mais fácil e natural.

domingo, 14 de novembro de 2010

COLIGAÇÕES E EMBOSCADAS


Há hoje um governo do PS sem apoio parlamentar maioritário na Assembleia da República por duas razões cumulativas. A primeira radica-se no facto de o PS ser o partido com um maior número de deputados eleitos; a segunda resulta da incapacidade de o conjunto dos partidos de todas as actuais oposições se entenderem para a viabilização de um governo que os envolvesse a todos.

Há uma conjuntura nacional difícil para a qual contribuíram fortemente factores internacionais. Há um período de alguns meses durante o qual não é constitucionalmente possível a realização de eleições. Tudo isso abriu a porta a um estado de quase-necessidade que contribuiu muito para tornar possível um entendimento entre o Governo e o PSD para a viabilização do orçamento, que tudo indica que venha a conduzir à sua aprovação.

Alguns dos expoentes politico-reflexivos mais ocos que se espraiam pelo espaço mediático, fazendo coro com a direita mais radical, têm advogado um governo de salvação nacional que,excluindo o PCP e o BE, significaria que o PS se associaria à direita, passando a ser uma minoria no novo governo. A direita ganharia, por força de uma política de corredores, o que os eleitores atempadamente lhe negaram. Outros, mais modestos, advogam um prosaico bloco central que abrangesse apenas o PS e o PSD. Outros falam apenas numa coligação sem lhe assinalarem os limites. Não me parece que qualquer desses caminhos nos salve, por si só, seja do que for, mas acho natural que o debate político se trave nesse terreno.

Já me parece uma insuportável intromissão na esfera soberana do PS a desfaçatez com que vozes que lhe são exteriores advogam a substituição de Sócrates, como condição para que se materialize o caminho que eles próprios sugerem. Ou estão de má-fé, usando essa proposta de coligação para empurrarem para cima do PS uma hipotética culpa pela sua recusa, que sabem tanto mais inevitável quanto a fazem preceder por uma condição impossível; ou ignoram a mais elementar tabuada de qualquer negociação política, que exclui naturalmente que cada um dos parceiros pretenda decidir quem representa os outros, e nesse caso são politicamente incompetentes.

Não vêem que se , por absurdo, o PS aceitasse tão intolerável cominação, se estaria a condenar a uma quase certa implosão ? Implosão essa que, sendo a devastação de uma área política nuclear da nossa democracia, não deixaria também de a ferir muito profundamente. O PS deve ter a noção(e julgo que a tem ) que, embora com graus de importância distintos, nenhum dos partidos das oposições parlamentares é politicamente dispensável na actual conjuntura. Mas a recíproca não é menos verdadeira: as oposições devem perceber o que representaria de dramático para democracia portuguesa, na conjuntura actual, o esvaziamento do PS.

Seria , por isso, um bom contributo para a decência do debate político que cada um defendesse o que lhe aprouvesse quanto a acordos e coligações, mas que deixasse de se sentir ungido pelo estranho poder de mandar em casa alheia.

É que, não o esqueçamos, só não há uma alternativa imediata ao Governo PS, porque as oposições, que em conjunto detêm uma maioria de deputados na Assembleia da República, não são capazes de (ou não querem ) ser a base de um governo que a todas representasse. É, por isso mesmo, ainda mais estranho que alguém pretenda fazer impender sobre o PS a responsabilidade pela solução de um problema que , verdadeiramente, só existe pela incapacidade ou pela vontade conjugada de todos os partidos da oposição.

sábado, 13 de novembro de 2010

VIVA O SACRIFICADO- GERAL !


Há momentos na História dos povos em que todas as luzes que orientam os caminhos parecem apagar-se. E as trevas descem então sobre os mortais como estranha maldição. Mas de súbito, é a própria História que se espreguiça, indo buscar às suas arcas mais fundas uma estrela, que a todos nos oferece depois, generosa e materna.


O mais recente fenómeno dessa natureza manifestou-se através do Ministro Amado, quando ele nos mostrou, com a simplicidade dos luminosos e a disponibilidade para o sacrifício dos estóicos, o caminho salvador da coligação, como remédio certo para as maleitas do Governo a que pertence e para as desgraças que se abatem sobre o povo que somos.

Uma coligação entre o partido do governo e o maior partido da oposição, com Paulo Portas à porta, chorando diatribes. Uma coligação PS/PSD, plana, previsível, pronta a vestir, para que a política institucional seja anestesiada e o Sr. Professor Mercado nos possa dar a sua benção. Só então a Europa, austera e distante, nos dará o resto dos rebuçados que nos prometeu. O Pedrinho tirará os seus calções de menino traquina e entrará em S. Bento com toda a pompa necessária na circunstância. Tudo ficará na santa paz do senhor, o povo com um furo mais no aperto do cinto e suas eminências biblicamente preocupadas com os pobrezinhos, sem caírem no exagero da excomunhão dos ricos. Mas o Ministro Amado não se embaraça com detalhes. Ele apenas convive com os grandes desígnios.

Acontece que eu, talvez empolgado pela visão felina do alumiado Ministro, acho que se deve ir mais longe. E dentro desse mesmo espírito, o PS e o PSD têm que se fundir, numa vontade única de ferro, numa organização simbiótica, que todos os Professores Mercado deste mundo, aplaudirão, estou seguro, olimpicamente e de pé.

E, quando esse transcendente objectivo for atingido, quem estará mais bem colocado do que o Ministro Amado para aspirar ao posto supremo da nova organização: o lugar de Sacrificado-Geral .

O MISTÉRIO DOS BICHANOS QUE RUGEM

Foram bichanos ronronantes, enquanto lhes pareceu que Sócrates era forte. Quando, no mais recente Congresso Nacional do PS, apresentámos uma moção alternativa no plano político, foram como cordeiros a balir, no seio da corrente dominante, sem estados de alma a toldar-lhes a decidida fidelidade.

As dificuldades por que passam o Governo e o PS parecem ter-lhes aberto o apetite. E já se imaginam vistosos tigres a rugir ferozmente sonoridades audíveis pela comunicação social. Megafones de jornalices banais afixam poses que julgam ser a de “homens de Estado”. Transcendentemente, afixam uma coligação hoje, uma remodelação amanhã, como quem oferece ao espanto dos mortais, ideias dignas de um oráculo.

Estarão possuídos pela miragem que os coloca à mercê dos nossos adversários como instrumentos seus. Talvez involuntariamente transformam-se em janelas de esperança para aqueles que, de fora do PS, se sentem autorizados a dizer quem deve ser o nosso secretário-geral, quem devemos indicar para a liderança dos governos que o voto dos portugueses nos encarregar de constituir.

Com a autoridade de quem pertence ao pequeno quadrado dos que contrapuseram uma moção de orientação própria à de Sócrates, sublinho que é ao PS que cabe decidir quem o lidera ou a quem delega a sua representação política externa. Não é um qualquer brilhante cabeça de abóbora que irá ditar em nossa casa aquilo que gostaria de fazer na dele.

Aos bichanos que acordaram do seu longo remanso de veneração a Sócrates para darem pequenos sinais de que não concordam com ele neste ou naquele detalhe, apenas se lhes pode pedir um pouco de verticalidade. Aos socialistas que há muito não escondem divergências que não são de pormenor nem de circunstância, deve apelar-se para que assinalem com profundidade as suas diferenças estratégicas, para que a diversidade entre socialistas se evidencie no plano das ideias mais amplas e dos vectores de profundidade da evolução social, se for esse o caso, deixando para a voracidade mediática e para a rafeiragem que erra pela vida política as urgências e os dramas das agendas efémeras.

A todos os socialistas é tempo de pedir que valorizem as clivagens que implicam caminhos diferenciados dentro do espaço socialista e esqueçam os reflexos de bando, as fidelidades a pessoas, os cálculos de carreiras. É tempo de assumir, rumo a um próximo congresso, alternativas políticas claras e de proscrever uivos mediáticos de circunstância com sabor a punhaladas nas costas seja de quem for.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

SOMBRAS DO PASSADO


Que não haja ambiguidades! A criminalização da política é um sintoma inequívoco de qualquer regime ditatorial. Não se trata de uma opinião discutível que se possa questionar com bonomia. Trata-se de um sinal de alarme que se tem que denunciar com vigor.


Seja o sindicalista Palma ou o político Passos, é quando o ovo da serpente ainda não foi chocado, que as vozes se têm que erguer.

E, já agora, não esqueçamos também essa cambada de idiotas que anda para aí a cuspir fins de regime como se falasse em rosas, quando afinal apenas se está a acolher à pestilenta sombra do fascismo.

Mastigaram fins da história, quando caiu o muro, democratas de olhos em alvo reconciliados com um futuro que se esqueceu de acontecer. Apelam agora ao "duce" de Santa Comba para que os salve da democracia.

É certo que só os mais estúpidos, e assaz raramente, dizem realmente ao que vêm. Mas na algaraviada economicista, que infesta o espaço mediático de uma sofreguidão neoliberal, é essa sombra política que realmente paira.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

PERGUNTEM AO VIEIRA.

Assinalável feito do Benfica, liderado pelo mui subtil Vieira: decorrida a 10ª Jornada do Campeonato, está em segundo lugar, a dez pontos do primeiro classificado, o F. C. Porto, e a dez pontos do décimo quarto ( 1º acima da linha de água), o Portimonense.

domingo, 7 de novembro de 2010

TOTALITARISMO DO MERCADO


O diário espanhol El País publica hoje uma entrevista que Juan José Millás fez a Felipe González. Entre as muitas perguntas, destaco duas, com as respectivas respostas:

-¿Estamos viviendo un totalitarismo del mercado?

-Exacto, no quería ser tan duro, pero así es. En lugar de dictar tú la norma para que el mercado funcione, el mercado te impone la norma para sobrevivir (que, por cierto, es la ausencia de norma). Y eso es lo peor, porque el mercado sin reglas te pide hoy lo contrario de lo que te va a pedir mañana. O de lo que te pidieron ayer, que era que rescataras la mano invisible del mercado de la propia catástrofe que había generado. Esto es, que hagas intervencionismo del más descarado a costa del contribuyente o del ahorrador, para rescatar al mercado. Sitúate en la piel de Obama: debo poner primero setecientos mil millones, después ochocientos ochenta mil, total, dos billones de dólares solo para salir de esa catástrofe provocada por el sistema financiero sin reglas. Muy bien. Y una vez que pongo ese dinero, puro erario público, puro endeudamiento, y usted ya está rescatado, ahora me exige que reduzca dramáticamente el déficit y el endeudamiento al que he llegado para rescatarlo. Me pide que me endeude y después me exige que me desendeude o me penaliza. Esto es lo incomprensible de la situación que estamos viviendo. Si se tuviera poder y decisión para regular el funcionamiento del sistema financiero, no volvería a ocurrir lo que ha ocurrido y devolverían el dinero público que se les ha entregado.



-Está muy claro, se está pagando con nuestros impuestos una crisis que no hemos provocado nosotros. ¿No es como para tomar las armas?

-Sí, sí, produce una revuelta... Estamos incubando la siguiente crisis financiera y la diferencia con esta será que los ciudadanos ya no tolerarán que haya centenares de miles de millones de dólares para rescatar a los banqueros de sus propios errores. Probablemente, estamos ante la última oportunidad de una reforma seria del funcionamiento del sistema.

O BE, A CHINA E O SOCIALISMO DEMOCRÀTICO



Há duas almas, uma sombra e muitos espíritos, na raiz do Bloco de Esquerda. Uma alma trotskista, uma alma maoista, uma sombra do fantasma de um MDP desaparecido e muitos espíritos generosos e inquietos à procura de uma esquerda perdida, ou talvez apenas transviada. Há depois a complicação de um eleitorado excessivo, hesitante entre o simples castigo contra o sítio de onde veio e a vertigem de assentar arraiais num terreno novo aparentemente movediço.

As duas almas têm vindo a digerir-se com apreciável êxito. Nem a memória da morte trágica de Trotsky às mãos de um simples núncio de uma das mais sólidas referências dos maoistas parece perturbar uma tão suave harmonia.

Um episódio da actualidade política abriu-me, no entanto, uma janela de espanto. Perante a visita de Hu Jintao, Presidente da República Popular da China ao nosso país, foi tornado público que o BE não estará presente no Parlamento uma vez que o regime chinês é «uma ditadura com créditos firmados na violação dos Direitos Humanos». Sublinhando um dos seus dirigentes, que : «A nossa posição tem a ver com uma avaliação muito crítica que fazemos do Estado em causa, uma ditadura que tem créditos firmados na violação de Direitos Humanos, de direitos individuais e sindicais». Ele compreendia «que o Estado português tenha relações diplomáticas com a China e que haja momentos de discussão formal dessas relações». Mas não podia deixar de sublinhar :
«Entendemos, contudo, que na Assembleia da República, que é a casa mãe da Democracia devemos dar um sinal de distanciamento relativamente a regimes como o da República Popular da China».

Será que a alma maoista do BE abandonou o seu código genético e se conformou com o imperativo de renegar as suas raízes ? Ou terá sido afinal submersa por uma inesperada vaga de socialismo democrático, transportada para o seu seio no bojo oculto da alma trotskista ou nas almas simples dos seus eleitores?

Incrédulo quanto ao milagre de uma tal conversão, deambulei pela internet e chegando a Alcanena tive uma surpresa, quando li , num escrito oficial do BE aquando da inauguração de uma sede, o seguinte naco de discurso:
“ Baseando-se no Socialismo Democrático, o Bloco de Esquerda tem sido sempre activo na defesa dos valores da verdadeira Democracia, e propõe-se continuar essa luta.”

Era pois verdade, todas as almas e todas as inquietações fundadouras do BE estavam agora fundidas no Socialismo Democrático. Como militante do PS, só posso congratular-me com a chegada ao socialismo democrático de mais um partido político. É certo que em muitos aspectos do seu dia a dia político ele ainda não parece adequadamente integrado na área a que diz pertencer, mas para tudo há um caminho e para percorrer qualquer caminho há um tempo a gastar.

sábado, 6 de novembro de 2010

AINDA A CRIMINALIZAÇÃO DA POLÍTICA


1. O Horta Pinto, velho amigo que tem a amabilidade de fazer com frequência comentários neste blog, num que fez ao texto que aqui escrevi sobre a estranha concepção de Passos Coelho quanto à mistura da justiça com a política, deu a conhecer um dos seus mestres, o Delegado Palma, Presidente do Sindicato dos Mag. do Min. Público, velejador confesso e alegado latifundiário alentejano, que teve que desmentir Ângelo Correia, quando este o identificou publicamente como militante alentejano do PSD.


O texto é um arrazoado onde são visíveis as marcas de um pensamento reaccionário, que termina com a pérola seguinte: "É urgente que a democracia se salve e fortaleça, invertendo o rumo de descrédito acentuado, e se evite o recurso a homens providenciais. São necessários novos mecanismos de responsabilização dos titulares de cargos públicos. A começar pelos membros do Governo. Se o Primeiro-ministro e o Ministro das Finanças são pródigos nos gastos públicos, se fazem uma gestão ruinosa do país e dos impostos pagos pelos portugueses, concebe-se que continuem civil e criminalmente impunes? ".


2. Sem querer, o homem revela o cerne da sua posição ideológica, ao considerar como um recurso cogitável, para resolver problemas criados em democracia, o poder de um homem providencial, aliás um eufemismo para designar a imposição de uma ditadura. Subliminarmente paira aqui um dos fantasmas mais reaccionários da direita : os desgraçados ditadores são uns pobres sacrificados que só têm que ser ditadores porque as malvadas das democracias criam problemas que só se podem resolver em ditadura.


Nesse mesmo registo, o Delegado Palma sustenta a responsabilização criminal e civil de um órgão de soberania , cuja legitimidade democrática se radica nos deputados eleitos pelos portugueses, aos quais cabe em última instância julgar o mérito das políticas praticadas e sancionar com o seu voto o que lhes parecer mal. Um ex-Secretário -Geral de um Sindicato para cuja presidência foi eleito numa lista sem concorrentes por uns imensos 426 votos, dotado dessa enorme representatividade corporativa, arvora-se assim em distribuidor de receitas de duvidoso carácter democrático. Não é a primeira vez que a figura se esmera em afirmações de agressão trauliteira ao governo democrático, estando, pela tacanhez de algumas delas, a sua credibilidade abaixo de zero. No entanto, é chocante que um Sindicato dos Magistrados do Ministério Público tenha à sua frente sem oposição uma figura com uma marca ideológica tão reaccionária e com uma ausência de senso tão profunda. Aos deputados e aos governos, no máximo só temos que os suportar quatro anos se partilharmos uma eventual rejeição com a maioria do eleitorado, mas ao Delegado Palma do Minstério Público, que nenhum de nós escolheu somos obrigados a suportá-lo nessa função toda a vida. E, ainda por cima, o referido agente do MP usa um megafone sindical para expressar os seus juízos políticos pessoais contra o actual Governo e o PS. Megafone esse, que aliás só lhe foi dado, porque o Partido que apoia o Governo que ele tão visceralmente odeia, reconheceu aos magistrados do MP o direito de disporem de sindicatos.


3. Mostrando que o que já hoje escrevi sobre Passos Coelho não é uma trovoada sobre um erro fortuito de um líder inexperiente, a referida figura já hoje insistiu na mesma tecla da criminalização da política.


Tudo isto, talvez possa a ajudar a esquerda a compreender que há uma direita histórica que existe e se mantém latente com saudades dos bons velhos tempos. E os seus bons velhos tempos são tempos de pesadelo, para todos nós. Por isso, embora ache natural e até positivo o debate político entre as esquerdas, quando sustentem posições distintas, acho suicida para todas elas que não aprendam a distinguir entre o confronto entre a esquerda e a direita e os confrontos dentro da esquerda. De facto, o cúmulo do fracasso estratégico, de qualquer linha política de cada uma das esquerdas, é a sua conversão em instrumento utilizável pela direita, para se beneficiar a si própria.