segunda-feira, 6 de junho de 2011

O DIA SEGUINTE

Ontem, houve eleições. O PS perdeu. Em nenhum dos congressos que escolheram José Sócrates alinhei entre os seus apoiantes. No último disse expressa e directamente aos congressistas que não apoiava qualquer das moções, nem qualquer dos candidatos.

Muitas vezes neste blog e noutras instâncias me demarquei de posições assumidas pela direcção do PS e apontei o que achava serem insuficiências suas. Com a cautela necessária para não quebrar a solidariedade exigível, mesmo sobre a recente campanha fiz alguns reparos críticos. No entanto, nem por uma vez, nem por um momento, fui complacente para com a rafeiragem que foi lançada às canelas de José Sócrates, tão miseravelmente, por alguns dos que não gostaram das políticas que protagonizou.

José Sócrates como primeiro dirigente do PS foi derrotado. Assumiu em pleno essa derrota e de cabeça erguida saiu de cena. É possível que alguns dos que tantas vezes se estenderam como tapetes dóceis para que lhes passasse por cima, rosnem agora contra ele, mais ou menos subtilmente, sugerindo que nada têm a ver com a derrota sofrida.

Por mim, quero apenas pedir que me seja dada a honra de ter sido derrotado juntamente com José Sócrates, porque é verdade e porque sei que nesse barco de passageiro infortúnio farei companhia a todos os socialistas honrados.

7 comentários:

JR disse...

Serei mais um a acompanhar-te nessa Viagem.

Noémia Salgado Cunha disse...

E eu também...NSC

Susana Pereira disse...

Concordo ... Sócrates saiu com a dignidade de quem não fez tudo bem... mas fez muito ...Todos os Socialistas perderam ontem com ele! E todos devem levantar a cabeça, olhar em frente e caminhar por um PS forte e UNIDO.

Maltez da Costa disse...

Concordo inteiramente com todos!
Foi uma bofetada de luva branca para muita gente.
um abraço.

Henrique Dória disse...

Fica-te bem a solidariedade com os vencidos. Mas não é disso que se trata.Quem tomou medidas que qualquer direita subscreveria ( posso dar-te inúmeros exemplos)põe em causa a simples ideia de esquerda. E se medidas de direita são compreensíveis na direita, já não o são na esquerda, e legitimam a acusação a que Sócrates foi ( justa e injustamente)sujeito que era a de viver na mentira porque, dizendo-se de esquerda, toma medidas de direita.
Mais grave do que derrota de Sócrates é ter sido a ideia de esquerda foi derrotada, sobretudo por culpa de Sócrates.
E não há bons sentimentos que apaguem esta grave verdade.
Um abraço

JVC disse...

Esta sua atitude é louvável, é de homem de bem, mas parece-me politicamente pouco lúcida. No entanto, por respeito para com o seu "luto", não vou agora argumentar. Ficará para daqui a alguns dias, quando espero que os socialistas em quem ainda se pode ter alguma esperança se ponham novamente de pé e possamos começar a conversar. E deixem de ter alguma réstia de fidelidade ao chefe defunto, que é odiado por milhões de portugueses. E venham confessar que a coisa mais negra da história do PS foi o congresso de Matosinhos, em que não bastou alguém ter-se calado, faltou alguém ter tido coragem de dizer não. O rui namorado que diga alguma coisa sobre visto. Há alturas bem que alguma contrição ajuda à lavagem de pés antes de novo percurso.

André Pereira disse...

Apoiado! Eu também fui derrotado!