sábado, 30 de outubro de 2010

EMBUSTE DE CANDIDATO ?


Ontem assistimos a uma dramática tentativa presidencial de disfarçar um enorme flop político com um embuste, nem sabemos se ingénuo, se desesperado.

De facto, o Presidente da República, sentindo pulsar em si ímpetos de candidato, resolveu fazer um número com o Conselho de Estado, desde logo inquinado por ter suscitado uma estranha ambiguidade: estávamos perante uma sede de aconselhamento por parte de Cavaco que seria satisfeita por tão circunspecto órgão ou perante uma grosseira tentativa de pressão política, mesmo que de generosos objectivos?

Se estávamos perante um pedido de conselho, qual era ele? Se estávamos perante uma tentativa de pressão, em que preceito constitucional se outorga ao Conselho de Estado uma tal competência, uma tal legitimidade?

Mas tudo isto se esvaziou como um balão furado, quando, ainda em plena reunião do Conselho de Estado, foi difundido por uma estação televisiva que o Governo e o PSD tinham chegado a acordo para a viabilização do orçamento. E em vez de engolir civilizadamente o flop, congratulando-se com o êxito das conversações, o Presidente, certamente impelido pela sua costela de candidato já declarado, fingiu que ainda não havia qualquer acordo quanto ao orçamento e apelou num palavreado entaramelado para que governo e PSD chegassem a um acordo até quarta-feira, quando não podia ignorar que esse acordo já fora alcançado.

Enfim, uma reunião de legitimidade duvidosa transformada num flop político, que se tentou disfarçar através de um embuste, desesperadamente destinado a transformar numa grande vitória aquilo que afinal não passou de uma enorme escorregadela.

3 comentários:

André Pereira disse...

Cavaco não se engana nem engole...

Jah Tah A Akbar disse...

vitórias, valsas e outras coisas com v's

Pelo menos não escorrega e faz pré visões destas
Em Maio o PSD entra em ombros em S. Bento e Belém comandará o Governo

Henrique Dória disse...

É espantosa a lata dos que nos puseram neste estado: a camarilha do PSD através do seu ninho de víboras, o BPN. Com a ajuda do CDS de Portas na compra dos submarinos.Isto no imediato.
A nível estrutural: o fim prematuro da desvalorização deslizante do escudo por Cavaco Silva, em 1990, que teve seguimento na conversão excessivamente alta do escudo na adesão ao euro por Guterres, o que levou à perda de competitividade da nossa economia.
E não menos espantosa é a desonestidade impune dos comentadores políticos e económicos estilo Barreto, Medina Carreira e camarilha, que bem sabe disto mas esconde, com o objectivo de levarem a camarilha do Passos novamente ao poder para fazer novos BPN, Sociedades Lusas de Negócios etc.
Tudo gentalha desprezível
O PS esconde a face, metido que está na Face Oculta, e torna-se impotente para dizer estas verdades evidentes. O Bloco e o PC, infelizmente, só dizem idiotices imbuidos que estão no seu messianismo.
Dá vontade de nos querermos libertar deste país, como dizia Jorge de Sena.