quarta-feira, 8 de julho de 2015

Homenagem a Maria Barroso


A irmã dos poetas
  - homenagem Maria Barroso


Foi  a voz liberta das palavras
que os poetas fizeram por dizer.


As sílabas fugiam-lhe dos lábios
como sabores do vento e liberdade.


Dizia os versos como se inventasse
a cólera mais solta e mais cortante.


No regaço mais extremo dos poemas,
navegava em silêncio a sua voz.


Foi seta de luz rasgando a noite,
sentida pelo povo como espada.


Dizia os versos como se voasse
nas asas mais libertas do destino.


Irmã livre de todos os poetas
que escavaram no tempo a nossa hora,


quando o vento se erguer será ouvida
e o mar há de sentir a sua voz.
[ Rui  Namorado]

2 comentários:

Jgama disse...

Muito belo o poema e muito justa e bela a homenagem!

António Namorado Costa disse...

Muito Bom ! Obrigado pela partilha!