segunda-feira, 30 de junho de 2008

Pixordices 16 - À sombra dos factos


Transcrevo do DN de hoje o pequeno extracto que se segue:


“Segundo apurou o DN, os dirigentes do PS/Algarve esperavam reunir no jantar com José Sócrates, pelo menos 1.500 dos cerca de 4.000 militantes existentes na região. Contudo, apenas terão estado no Pavilhão Arena cerca de 700 pessoas.”

Eis uma notícia, que, apesar de não ferir ninguém, tem um carácter, claramente, tendencioso, sendo exemplar, como ilustração do que é a “objectividade” de uma boa parte da imprensa portuguesa.

Efectivamente, o facto objectivo é a presença de 700 militantes socialistas num jantar realizado no Algarve. Teria sido perfeitamente legítimo comparar esse facto com outros factos paralelos, ou realizados noutras ocasiões. Por exemplo, com jantares idênticos realizados pelo PS no Algarve; ou com jantares recentes, realizados pelo PS noutros locais; ou até com jantares recentes promovidos por outros partidos no Algarve. Teria sido natural interpretar e comentar essas comparações de factos, sublinho, de factos.

Mas, comparar um número de efectivas presenças, com uma vaga alusão ao que teriam esperado fontes não identificadas, acaba por ser uma tentativa grosseira de desvalorizar o significado daquele número de presenças.


Criticar o PS ou o Governo é natural e legítimo, mas fingir que se está a emitir uma informação, quando se está a embrulhar essa informação num discurso apoucador, é pura “pixordice” jornalística.

3 comentários:

José Fanha disse...

Caro Rui,

Nas voltas pelos blogs dei com o seu. Foi um prazer dar uma leitura e voltarei por certo.

A propósito desta notícia, estamos tão cheios, tão cheios deste tipo de "informaçao"... Ainda temos a alegria amarga destes espaços para ir tentando fazer aquilo que dizia O'Neill:

"...neste reino de Pacheco,
ó meus senhores que nos resta
senão ir aos maus costumes,
às redundâncias, bem-pensâncias,
com alfinetes e lumes,
fazer rebentar a besta,
pô-la de pernas prò ar?"

Um grande abraço fraterno,


José Fanha

Crstóbal disse...

A necessidade de existirem "notícias" relativas ao executivo, a qualquer membro deste, em particular ao Primeiro-ministro é, a muito tempo, uma necessidade na "vida" dos jornais.
Quero acreditar, mesmo estando céptico, que as notícias vagas e vazias, por vezes a tocar a "informação cor-de-rosa", são motivadas pela avidez que em Portugal existe relativa a vida privada de quem é figura pública, sobretudo pelos desamores e fracassos destas. Pois bem esta noticia que utiliza para exemplo não é mais de que um modelo disso mesmo.

André Pereira disse...

Aqui está um belo exemplo da nova censura.
Bem apanhado!