domingo, 16 de março de 2008

Cinco anos depois a mentira continua a crescer


Fez cinco anos que o "Imperador" e alguns dos seus acólitos encenaram nos Açores uma dança guerreira.

Poucos dias depois, os USA e alguns apêndices a que chamou aliados, com destaque para Blair, esse expoente de uma terceira via que ele próprio extraviou, invadiram o Iraque, à margem da ONU e num grosseiro desrespeito pelo Direito Internacional.


Hoje, é um dado de facto, que ninguém pode questionar com seriedade, que todos os pretextos usados para justificar o ataque ao Iraque eram falsos. Aquela equipa ( Bush, Blair, Aznar e Durão Barroso) ganhou, na verdade, jus ao epíteto de "Clube dos Mentirosos".


Na verdade, os resultados da invasão para os iraquianos tornaram-se num pesadelo que se traduz numa estimativa de centenas de milhares de mortos, os americanos perderam cerca de 5000 soldados, havendo mais de trinta mil feridos. O Iraque está reduzido a escombros e a guerra, para além do seu pesado custo em vidas humanas, é um factor de ruína para o erário dos ocupantes.

O terrorismo internacional não foi enfraquecido pela invasão. Passados cinco anos, Bin Laden continua sem ser preso e a violência no mundo não esmoreceu.


Algumas mentes ingénuas acalentaram a esperança de que se gerasse uma consequência colateral virtuosa: o fim do conflito israelo-palestiniano. Puro engano. Mais realista será dizer-se que recrudesceu.


A administração bushista mostrou como é, politicamente, de uma incompetência pasmosa, constituindo um dos grupos mais perigosos para a paz mundial que até hoje se deu a conhecer.

O desastre iraquiano, promovido pela administração americana e pelas suas sombras europeias, entre as quais se destacaram os membros do "Clube dos Mentirosos", causou directa e indirectamente, muito mais mortos do que todos os atentados terroristas, perpetrados nos últimos 25 anos, por pessoas ou organizações não-estatais.

E há responsáveis por esse morticínio que têm o despudor de, frequentemente, se assumirem como juízes distribuidores de sentenças que decidem quem é e quem não é terrorista. Como se lhes pudesse ser reconhecida legitimidade para emitirem com credibilidade ética juízos de valor sobre a humanidade seja de quem for.

Aliás, na minha opinião, uma das causas do fracasso da luta-anterrorista da comunidade internacional é o facto de ter como protagonistas principais, no combate aos morticínios do terrorismo não-estatal, alguns dos responsáveis maiores por outros morticínios ainda maiores, cuja legitimidade é igualmente nula, à luz da moral e do direito, e cuja impunidade resulta apenas de serem Estados suficientemente fortes , do ponto de vista militar, para estarem a coberto da qualquer retaliação armada.

Realmente, porque deverá considerar-se como terrorista um dirigente do Hamas, por ter dado ordem a um militante-bomba para se explodir entre civis; e não o deverá ser um ministro israelita que manda um avião arrasar uma zona de uma cidade, onde moram civis ?


Por que devem ser considerados terroristas os iraquianos que põem uma bomba num mercado, matando 20 civis e não o devem ser os soldados norte-americanos que bombardeiem uma zona habitada e matem 20 civis ?

Nunca é de mais repeti-lo: os personagens do " Clube dos Mentirosos" foram os responsáveis políticos por uma guerra justificada com mentiras , mas que originou um inimaginável massacre que, aliás, ainda não acabou; são os culpados por um retrocesso dramático no caminho para um mundo sem guerra e onde seja natural a fraternidade entre os povos da Terra.

Alguns afastaram-se ou foram afastados da vida política. Mas o que é inacreditável é que todos eles não tivessem, desde logo, renunciado a todas as responsabilidades públicas , depois de terem pedido desculpa pelo mal que causaram a centenas de milhares de pessoas.


Se um presidente americano foi demitido por ter mandado"grampear" um telefone e por ter mentido acerca disso, como pode aceitar-se que quem inventou uma guerra como a do Iraque continue no activo, mesmo depois de ser inequívoco que o ditador iraquiano não dispunha de armas de destruição maciça, tal como nada teve a ver com o atentado do 11 de Setembro.


Se foram essas as razões decisivas evocadas e se são falsas , não haveria outra saída. E se tudo isto vale para o Presidente Norte-Americano, também vale para o Presidente da Comissão Europeia, que aliás teve o mau-gosto de lembrar que apesar de ter mentido quanto aos motivos da guerra continuava a chefiar os Comissários Europeus.

5 comentários:

André Pereira disse...

Concordo. Só mencionar que o JMBarroso é Presidente da Comissão e não da União.
Um abraço, AP

horta pinto disse...

Inteiramente de acordo. É certo que mentiria se não dissesse que tive gosto em ver o facínora Sadam derrubado e preso (mas não morto, pois sou absolutamente contra a pena de morte). Mas a verdade é que a invasão do Iraque, sem o aval da ONU, foi um crime face às mais elementares normas de direito internacional. E um crime "justificado" por uma mentira que, sabemo-lo agora, os seus autores sabiam à partida que era mentira.
Além disso, foi um acto hipócrita, pois há pelo mundo fora ditadores piores que Sadam que o "Club de Mentirosos" não só não derruba como até apoia ou pelo menos proteje.
E além de um crime, foi um erro crasso (se eu fosse maquiavélico, como certo personagem histórico que agora não me lembro quem foi- Richelieu? Talleyrand?-, diria que "foi pior que um crime; foi um erro!"; mas eu não sou maquiavélico). Mas foi de facto um erro crasso: os "Mentirosos" abriram uma caixa de Pandora que agora não conseguem fechar, e meteram-se num vespeiro donde agora não sabem como saír.

aminhapele disse...

O "imperador",chefe dos mentirosos,é mais um centuriãozito que obedece ao Grande Imperador...
Talvez seja o seu braço "armado",mas conjuga-se com todos os outros "centuriões" que nos vão tramando a vida...
Mesmo em países como o nosso a "via" já está determinada:o Grande Imperador já decidiu quem nos irá comandar.
bb domina o mundo:a paz,a guerra,os negócios,a fome,os preços...TUDO!
bb é o grande senhor.
O nosso manda-chuva,por agora,vai-se limitando a uma obscura figura de porta-voz mas,quando bb der ordem,vai mandar em nós.
E,provàvelmente,muitos de nós irão votar nele e elegê-lo democràticamente.
O Club dos Mentirosos,com todo o mal feito e que está por fazer,é apenas uma "arma"...
A assestar baterias,sim.
Mas contra o bb!

Anónimo disse...

Se ignorarmos o poder dos nossos inimigos, corremos o risco de ser presas fáceis. Se o exagerarmos, corremos o risco de lhes aumentar a força.

Anónimo disse...

André, tem toda a razão. Já emendei.

Um abraço.
RN