segunda-feira, 3 de julho de 2017

ALCATEIA



A verdadeira natureza do CDS e do PSD é a que aí está, na miserável tentativa de aproveitamento político de quem morreu  num incêndio de verão; nesse desbragado saborear do roubo de armas num paiol do exército, que procuram somar rasteiramente  aos cidadãos que morreram.

Aflitos pelo esquálido apoio popular que lhe sugeriam as sondagens, os “crísticos” do CDS  e os “coelhosos” do PSD agarraram-se a uma desgraça e a um roubo, como duas bóias de salvação, para  através delas poderem atacar e desgastar o Governo.

Uma estranha alcateia de plumitivos graves, de inesperados especialistas todo o terreno, de carpideiras zelosas e de hienas piedosas, associa-se à direita encartada num enjoativo festival de imputações rápidas, ansiosas por decretarem em praça pública o linchamento sumário deste governo.

Esta não é a sociedade que o povo de esquerda almeja,  esta não é a nossa sociedade; por isso é preciso melhorá-la, tornando-a outra. Isso não impede que seja nossa responsabilidade responder com eficácia às adversidades que nela ocorram e construir uma solidariedade que atenue o sofrimento das possíveis  vítimas dos seus defeitos. 

É nossa responsabilidade como partes do povo de esquerda, como apoiantes deste  governo, como cidadãos que lutam por um futuro mais justo. E naturalmente responsabilidade do nosso Governo, deste governo. Por isso, sendo quanto a ele total a solidariedade que lhe devemos, é também total , em face dos seus deveres, a nossa exigência.

Solidariedade e exigência eis o que devemos a este governo. Quanto à segurança das pessoas e quanto à segurança das armas. Estas vítimas, quaisquer vítimas, os seus entes queridos e os seus amigos, merecem o nosso respeito e a nossa tristeza. Não lhos regateamos. Merecem solidariedade e apoio. Não podemos deixar que lhes faltem.

Mas não podemos sofrer  quando há  vítimas  por causa de um incêndio, mas ignorá-las se morrerem às mãos da exclusão social gerada por uma sociedade desigual, às mãos da pobreza. Queremos uma sociedade que faça diminuir todos os riscos para todos os tipos de vítimas, não apenas para alguns. Não lamentamos algumas vítimas para apagarmos a culpa de causarmos outras. Não ficcionamos o paroxismo da indignação quanto às vítimas dos incêndios, para compensarmos a nossa defesa de uma sociedade desigual que condena os mais desfavorecidos a uma exposição permanente à desgraça.

A direita é a conservação das desigualdades que temos, da injustiça estrutural da sociedade. Em muitos casos, chora no imediato por causa das consequências a longo prazo  do modelo de sociedade que defende. A esquerda só tem razão de ser como insurreição contra a injustiça e como solidariedade permanente em face das suas vítimas. A direita, no caso em apreço, procura aproveitar-se da existência de vítimas para conseguir o que não consegue de outra maneira. Em contraponto, o dever deste governo, tal como de todo o povo de esquerda, é praticar uma solidariedade plena em face das vítimas do incêndio, bem como de todas as outras vítimas e pugnar para, no futuro, minorar acidentes e sofrimento.


O CDS , o PSD e a alcateia que os segue têm mostrado o que são e quem são. Por isso, socialistas, gente do PS, não nos esqueçamos. Aprendamos de uma vez por todas que com gente desta não se fazem acordos políticos. Nunca!

1 comentário:

b m disse...

Só espero que te oiçam, meu querido RN