quarta-feira, 31 de outubro de 2007

Espanha: Lei de Memória Histórica




Foi aprovada pelo parlamento espanhol a Ley de Memoria Histórica , com os votos contra do Partido Popular.
Foi hoje lida a sentença que condenou os autores do atentado ocorrido em Madrid, em 11 de Março de 2004, a pesadas penas de prisão. Faltavam então poucos dias para as eleições parlamentares. Numa manobra eleitoralista, o PP, à época no governo, resolveu ficcionar o envolvimento da ETA no atentado. Falhou. A manipulação ficou a descoberto e o PP perdeu umas eleições que esperava ganhar.
Com a leitura da sentença ficou confirmada a tese da não implicação da ETA. Mas o PP , numa atitude de enorme crispação, que aliás tem estendido a muitas áreas da vida política espanhola, resistiu a reconhecer o erro, deixando perceber que não desistiu ainda do absurdo de considerar aquilo que inventou como realidade.
O radicalismo do PP tem, na verdade, degradado a atmosfera política em Espanha . Os fantasmas da guerra civil parecem não ter desaparecido, por completo. Também por isso, tem um grande significado simbólico, cívico e pedagógico a lei hoje aprovada.
Achei útil, por isso, transcrever do diário espanhol "Público" de hoje, o texto que se segue, o qual me parece esclarecedor e relevante.
Las diez claves de la nueva ley

La Ley de Memoria Histórica nace para "cerrar heridas" y satisfacer a las víctimas de la Guerra Civil y ¡la dictadura franquista



1.- ¿Por qué es necesaria la ley?
Para reconocer y ampliar derechos a favor de quienes padecieron persecución o violencia, por razones políticas, ideológicas o de creencia religiosa durante la Guerra Civil y la dictadura, y para adoptar medidas complementarias destinadas a suprimir elementos de división entre los ciudadanos.

2.- Condena del franquismo.
La ley hace una condena expresa del franquismo, atendiendo a lo aprobado tanto por la Comisión Constitucional del Congreso en 2002 como por el Consejo de Europa en 2006.

3.- ¿A quiénes se pretende "recuperar y honrar"?
A todos aquellos que sufrieron las consecuencias de la Guerra Civil y del régimen dictatorial por motivos políticos, ideológicos o de creencias religiosas. A quienes perdieron su vida o su libertad y a los que lucharon por la defensa de los valores democráticos: Cuerpo de Carabineros, brigadistas internacionales, combatientes guerrilleros y la Unión Militar Democrática.

4.- Declaración de ilegitimidad de los juicios franquistas.
La ley declara la ilegitimidad de las condenas y sanciones dictadas por motivos políticos, ideológicos o de creencia por cualesquiera tribunales u órganos penales o administrativos durante la dictadura.

5.- Símbolos y monumentos públicos.
Las administraciones tomarán las medidas oportunas, incluida la retirada de subvenciones públicas, para la retirada de escudos, insignias, placas u otros objetos o menciones conmemorativas de exaltación de la sublevación militar, de la Guerra Civil y de la represión de la Dictadura. Se excluyen las menciones que sean de estricto recuerdo privado sin exaltación de los enfrentados, o cuando concurran razones artísticas o artístico-religiosas protegidas por la ley.

6.- Valle de los Caídos.
Se prohíben los actos de naturaleza política ni exaltadores de la Guerra Civil, de sus protagonistas o del franquismo en este recinto.

7.- Indemnizaciones.
La ley prevé el derecho a una indemnización en favor de todas aquellas personas que perdieron la vida en defensa de la democracia y que no habían recibido la compensación debida.

8.- Fosas comunes.
La administración facilitará a los interesados que lo soliciten las tareas de localización y, en su caso, identificación de los desaparecidos, algunos aún en fosas comunes.

9.- Información histórica sobre la Guerra Civil.
Con el fin de facilitar la recopilación el acceso a esta información se refuerza el papel del Archivo General de la Guerra Civil de Salamanca, integrándolo en el Centro Documental de la Memoria Histórica, también con sede en la ciudad castellana.

10.- Adquisición de la nacionalidad española.
Se amplía esta posibilidad a los descendientes hasta el primer grado de quienes perdieron la nacionalidad española por el exilio a consecuencia de la Guerra Civil o la Dictadura

segunda-feira, 29 de outubro de 2007

Os banqueiros e nós





Chegou trovoada, por causa de privilégios concedidos a administradores do Banco de Portugal.

Com uma segurança algo inocente, o Sr. Ministro das Finanças diz que é a lei quem consente no favor, acrescentando com uma subtileza demasiado ostensiva que o caso é antigo, deixando-nos assim saber que estamos perante eventos ocorridos sob a égide de um dos governos anteriores.

Mas o Sr. Ministro não disse por que razão o seu Governo, tão célere em cortar vantagens aos "pequenos", deixou estes "grandes" continuarem a fruir gulosamente essas vantagens realmente corporativas.

E não nos venha dizer o Sr. Ministro que essas vantagens, globalmente encaradas, não passam de uma levíssima sobrecarga no erário público, enquanto o confisco das magras vantagens antes auferidas pelos "pequenos", somadas umas às outras, representou uma soma bem gorda.

É que nenhum Ministro se pode esquecer que qualquer medida que tome (ou qualquer omissão que assuma) é também política, pelo que não pode avaliá-la apenas pela suas repercussões extra-políticas, mesmo que essas repercussões, sendo de natureza económica, adquiram óbvia relevância.

Por isso, é de uma enorme ligeireza aceitar atingir os "pequenos" nos seus direitos, antes de se assegurar que, pela lógica assumida, não subsistem privilégios na esfera dos mais fortes que devam ser abolidos . De facto, se subsistirem, os "pequenos", que são muitos, hão-de sentir-se injustiçados. E será mais fácil que se revoltem contra o que sentirão como injusto. Ou seja, podem sentir que o Governo tem força legal para fazer o que faz , mas dificilmente acharão que tenha legitimidade para isso. Não vê o Sr. Ministro que essa insólita assimetria lhe retira legitimidade ética para exigir aos "pequenos" quaisquer sacrifícios ?

Ora, não se esqueça Sr Ministro que os "grandes " são naturalmente poucos, mas os "pequenos" , pelo contrário, são muitos. Com uma particularidade interessante: o voto de cada um dos "pequenos" vale tanto como o voto de cada um dos "grandes".

Portanto, se o problema está na lei, mude-a.



















domingo, 28 de outubro de 2007

Argentina - a esquerda peronista ganha de novo




Tal como previam todas as sondagens, Cristina Kirchner ganhou as eleições presidenciais argentinas. Não será necessária 2ª volta, uma vez que obteve cerca de 46% dos sufrágios, ficando a segunda classificada a cerca de 20% de diferença.


De facto, a lei argentina obriga a que , para ganhar à primeira volta, o candidato mais votado tenha de obter mais do que 45% dos votos, ou então, 40% dos votos, desde que tenha também mais do que 10% de vantagem sobre o segundo classificado.

Mais vale prevenir do que remediar...


O jornal espanhol "El País" publicou hoje um texto de José Comas que com a devida vénia transcrevemos. Os socialistas portugueses, em especial os órgãos nacionais do partido, não podem ignorar os factos e as indicações que o Congresso aqui relatado lhes oferece. Nós ainda estamos a tempo de evitar seguir o mesmo triste trajecto. Como o povo nos ensina : "Vale mais prevenir do que remediar."
*** *** *** ***
El SPD contenta a la izquierda con sus nuevas propuestas

Las iniciativas del congreso socialdemócrata alemán disgustan a la CDU, su aliada en el Gobierno federal

JOSÉ COMAS - Berlín - 28/10/2007

Las resoluciones del congreso que los socialdemócratas alemanes celebran este fin de semana en Hamburgo han tenido buena acogida en los partidos de oposición, La Izquierda y Los Verdes, pero recibieron fuertes críticas por parte de los democristianos (CDU/CSU), socios del SPD en el Gobierno federal.
En el congreso intervino ayer el vicecanciller y ministro de Trabajo, Franz Müntefering, que en las últimas semanas libró una dura batalla contra su presidente del SPD, el primer ministro de Renania-Palatinado, Kurt Beck, para no modificar los recortes que la Agenda 2010 de Schröder había aprobado para los parados. Müntefering no tocó el tema en su discurso. El conflicto ha quedado barrido bajo la alfombra y al concluir su discurso se estrechó la mano con Beck en un gesto de reconciliación.
El SPD y Beck intentan por todos los medios frenar la irresistible caída del partido en los sondeos de intención de voto, que se mueven en torno al 25%, casi quince puntos menos que la CDU/CSU. El partido, que en 140 años de historia adquirió la fama de ser el defensor de los más débiles y paladín de la justicia social, pagó con una enorme sangría de votos y militantes la política de recortes sociales que llevó adelante el canciller Gerhard Schröder (SPD) en coalición con Los Verdes. Beck parece haber encontrado en la corrección de esa política un trampolín para intentar subir la cotización demoscópica del SPD.
Cambio climático
El congreso del SPD camina en esta dirección, dar marcha atrás en algunas de las reformas y actuar como contrapeso al socio de coalición, los democristianos (CDU/CSU), a los que acusan de neoliberalismo desalmado. La tarea del SPD no resultará nada fácil. La canciller Angela Merkel (CDU) se ha destapado como una especie de criptosocialdemócrata que ha sorprendido a los sectores más conservadores de su partido y le ha robado el espectáculo al SPD en temas como el clima o la política de protección a la familia.
Conscientes de la necesidad de recuperar la imagen progresista, los delegados del SPD aprobaron mociones en esa dirección. La sorpresa ayer fue la resolución a favor de limitar la velocidad en las autopistas a 130 kilómetros por hora para reducir la emisión de gases nocivos, en contra de la dirección del partido. La no limitación de velocidad es una de las vacas sagradas en Alemania, defendida por la industria del automóvil y muchos ciudadanos. Cuando llegó a adquirir visos de realidad la posibilidad de reducir la velocidad, surgieron las pegatinas en los coches con la frase "ciudadanos libres exigen vía libre". La resolución de limitar la velocidad es en realidad un brindis al sol, porque no tiene la menor posibilidad de lograr una mayoría parlamentaria, pero queda como un gesto, un mensaje que el antiguo socio de coalición Los Verdes acogió con satisfacción.

O Clube dos Mentirosos


Hoje, é público e todos sabemos: o drama vivido no Iraque tem uma das suas raízes nas mentiras que alguns dirigentes políticos proclamaram como se fossem verdades, para justificarem o desencadear de uma guerra à margem das Nações Unidas e do direito internacional.


Quem mente, é mentiroso. Os mentirosos concertados são como um clube. Um clube cuja óbvia designação só pode ser uma : o Clube dos Mentirosos.



Ora, o Clube dos Mentirosos tem vindo a insinuar uma nova verdade, acerca do Irão, também ela, plena de incidências bélicas. Mas será que as verdades do Clube dos Mentirosos podem ser tidas como verdadeiras? Quem , honestamente, o pode garantir ?

Pelo contrário, o simples bom senso faz pensar que tudo o que é difundido como verdade por um Clube de Mentirosos é provavelmente mentira.

Três poemas de Carlos de Oliveira




Carlos de Oliveira foi um dos poetas do neo-realismo que mais fundas marcas deixou na tradição poética portuguesa. Se lermos hoje os seus poemas, com a fraternidade de quem com ele partilha horizontes que não se perdem, podemos sentir como sofria profundamente as palavras com que esculpia os seus versos, tensos de beleza e amargura.


Vou recordar três dos seus poemas, homenageando-o. A ele e à própria poesia.



1. Cantiga do Ódio


O amor de guardar ódios

agrada ao meu coração,

se o ódio guardar o amor

de servir a servidão.

Há-de sentir o meu ódio

quem o meu ódio mereça:

ó vida, cega-me os olhos

se não cumprir a promessa.

E venha a morte depois

fria como a luz dos astros:

que nos importa morrer

se não morrermos de rastros?



2. Elegia de Coimbra


Gela a lua de março nos telhados

e à luz adormecida

choram casas e os homens

nas colinas da vida.


Correm as lágrimas ao rio,

a esse vale das dores passadas,

mas choram as paredes e as almas

outras dores que não foram perdoadas.


Aos que virão depois de mim

caiba em sorte outra herança:

o oiro depositado

nas margens da lembrança.



3. Soneto


Acusam-me de mágoa e desalento,

como se toda a pena dos meus versos

não fosse carne vossa, homens dispersos,

e a minha dor a tua, pensamento.


Hei-de cantar-vos a beleza um dia,

quando a luz que não nego abrir o escuro

da noite que nos cerca como um muro,

e chegares a teus reinos, alegria.


Entretanto, deixai que me não cale:

até que o muro fenda, a treva estale,

seja a tristeza o vinho da vingança.


A minha voz de morte é a voz da luta:

se quem confia a própria dor perscruta,

maior glória tem em ter esperança.

Fim de manhã em Coimbra





Hoje - eleições na Argentina

Estão hoje a realizar-se eleições presidenciais na Argentina. Concorrem 14 candidatos. Há 40 milhões de votantes. Os candidatos são peronistas, ex-peronistas, radicaiss e ex-radicais; dirigentes de esquerda e direita. A favorita é a mulher do actual presidente, como ele pertencente à esquerda peronista.
O jornal argentino CLARÍN publicou uma pequena nota biográfica sobre os candidatos. Transcrevo o que nos diz sobre os três mais cotados, de acordo com as sondagens.


1. " Cristina Kirchner



Conoció al Presidente en la facultad de Derecho de La Plata, antes del golpe del 76, cuando Néstor Kirchner tenía una figura desgarbada y usaba gruesos anteojos. Están juntos desde entonces y no sólo forman un matrimonio. Son, además, una sociedad política. Si gana la elección, Cristina Kirchner protagonizará un hecho inédito: le pondrá la banda presidencial su propio esposo. Platense, dos hijos (Máximo y Florencia), la actual senadora se hizo fama de cuadro político con mayúsculas dentro del PJ. Es una obsesiva de su propia imagen, lo que habla, claro, de su coquetería. Ama Santa Cruz, su provincia adoptiva, su verdadera casa, pero es legisladora por Buenos Aires, un paso obligado para darle fortaleza al proyecto de poder del kirchnerismo. Su CV dice que fue diputada provincial, nacional y convencional constituyente. Su gran salto mediático -mucho antes que el de su marido- fue en recordadas peleas con el gobierno de Carlos Menem por la defensa de los Hielos Continentales. Fue la "verduga" en las urnas del duhaldismo cuando en 2005 le ganó la elección a Chiche Duhalde y empezó así a construir, con el paraguas de la Casa Rosada, la candidatura presidencial. Con Kirchner en el poder mantuvo bajo perfil pero participó del núcleo chico que ha tomado las grandes decisiones de Gobierno.

MARIANO PEREZ DE EULATE

EDAD: 54 AÑOS
ESTADO CIVIL: CASADA
PROFESION. ABOGADA
ANTECEDENTES: FUE DIPUTADA PROVINCIAL Y NACIONAL. ES SENADORA POR BUENOS AIRES.


2. Elisa Carrió


"A los 15 años me recibí, a los 16 me casé, a los 17 ya tenía un hijo y un año después ya estaba separada; la vida me llevó puesta", dice medio en broma y un tanto en serio Elisa Carrió, madre de tres hijos. Dice que llegó a la política tarde, en 1994, de la mano de la UCR, cuando fue electa convencional constituyente. Carrió ya era abogada y docente universitaria. La política, de todos modos, no le era ajena: siempre recuerda cómo le gustaba seguir a su padre, Rolando "Coco" Carrió, caudillo radical, en los mitines políticos por el Chaco. A mediados de los 90, siendo ya diputada nacional, empezó a chocar y a votar distinto que sus correligionarios. Su desilusión alcanzó a Raúl Alfonsín. Carrió cobraba vuelo propio. Por entonces, tenía una buena relación con Cristina Kirchner, la diputada esposa del gobernador de Santa Cruz. Convencida de que la UCR estaba agotada, fundó el ARI. Como candidata a presidente de ese partido, en 2003, sacó más de 2.700.000 votos. Salió quinta. Meses atrás, sorprendió una vez más a propios y extraños. Renunció a su banca de diputada y a su afiliación al ARI. "Hay que hacer algo más grande", dijo. Fundó, entonces, la Coalición Cívica. Cuatro años después de su primer intento, Carrió cree haber madurado lo suficiente como para ser presidente del país.

HORACIO AIZPEOLEA


EDAD:50 AÑOS
ESTADO CIVIL: DIVORCIADA
PROFESION: ABOGADA
ANTECEDENTES: FUE CONSTITUYENTE Y DIPUTADA NACIONAL POR LA UCR Y EL ARI



3. Roberto Lavagna




Obsesivo y solemne hasta el extremo, está casado hace 37 años con una belga que conoció mientras estudiaba en ese país gracias a una beca. Tuvieron tres hijos varones. Es el primer candidato presidencial de origen peronista que recibe el apoyo oficial de la UCR. Raúl Alfonsín fue uno de los gestores de su irrupción en la carrera electoral, tras una larga trayectoria en cargos técnicos. Empezó en el 73 en el equipo económico de José Gelbard, siguió con Alfonsín y Fernando de la Rúa, y estuvo al frente del Palacio de Hacienda en las gestiones de Eduardo Duhalde y Néstor Kirchner. Asumió el puesto en medio de la mayor crisis económica del país, y se considera el padre de la recuperación. Desde entonces le gusta que lo llamen "piloto de tormentas". Asegura que su acierto fue apostar al consumo interno y a un dólar alto para favorecer las exportaciones. Peleó duro con el Fondo Monetario y motorizó el mayor canje de la deuda pública. En el 2005 se negó a acompañar a Cristina en su campaña bonaerense contra el duhaldismo y un mes después del comicio el Presidente lo sacó del Gabinete. Se negó a aceptar el ofrecimiento de una candidatura a jefe de Gobierno porteño por el kirchnerismo y armó un frente opositor con ex duhaldistas, la UCR, el MID y otros 25 partidos menores.

MARCELO HELFGOT


EDAD: 65 AÑOS.
ESTADO CIVIL: CASADO
PROFESION: LIC. EN ECONOMIA
ANTECEDENTES: EX MINISTRO DE ECONOMIA DE DUHALDE Y KIRCHNER."

sábado, 27 de outubro de 2007

Três suspiros com moralidade



1. A política parece ter fugido do discurso do governo.
Mas o governo não pode comportar-se como se fosse um simples conselho de administração a prestar contas aos accionistas; nem pode ser uma câmara de eco das banalidades mediáticas; e, muito menos, uma equipa de "marketing" a anestesiar-nos de complacência.
Na verdade,consentir nessa deriva de ambiguidades, faz-lhe correr o risco de o aproximar do que poderia ser para si o supremo abismo: passar a ser olhado como se fosse o braço político dos patrões.
É que quem for encarado como braço político dos interesses dos mais ricos e privilegiados, dificilmente continuará a ser visto como seu pelo povo de esquerda.

2. De facto, não é realista esperar-se que o povo de esquerda tenha paciência eternamente, suportando sem reagir que as desigualdades sociais cresçam e os sacrifícios se repartam sem justiça, não beliscando sequer o essencial dos privilégios dos ricos e dos poderosos.
Efectivamente, exigir da maioria que se sacrifique hoje para que amanhã todos vivam melhor, é algo que exige garantias; exigir que a maioria se sacrifique hoje, para que cada vez menos vivam cada vez melhor e cada vez mais vivam cada vez pior, é um miserável embuste que não pode durar muito tempo.


3. Conseguir explicar com clareza a complexidade da vida em sociedade é uma enorme virtude política. Descompreender a complexidade social, fechando-a num discurso economicista encantatório, que apresenta os principais problemas do mundo como se fossem simples, lineares, transparentes e sem saída, é claro sintoma de uma irrecuperável mediocridade politica.

Moralidade : Seria bom que tudo isto nada tivesse a ver com o que se passa actualmente em Portugal.

sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Trabalho: reforma ou regressão ?


Acumulam-se indícios de que, em círculos próximos do Governo, tem vindo a ganhar peso uma visão conservadora das relações laborais, encaradas numa perspectiva anti-humanista, que reduz o trabalho a uma simples mercadoria, consentindo na destruição do Direito do Trabalho, enquanto área jurídica especial, através de uma espécie de regresso ao direito civil, o que significaria um grave retrocesso histórico, susceptível de se converter numa amarga aventura para o Partido Socialista. Neste contexto, é importante que se dê voz aos que tendem a ser ignorados sob as toneladas de propaganda que, dia após dia, procura ocultar o essencial, sob a cortina das trivialidades neoliberais do costume.
Por isso, com autorização do autor, transcrevo uma Entrevista publicada hoje na Vida Económica e que permite conhecer o que pensa sobre estas questões António Casimiro Ferreira, sociólogo, que é Professor da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e Investigador do Centro de Estudos Sociais.



" A reforma do mercado de trabalho é considerada prioritária. O trabalho da Comissão pode ser o primeiro passo nesse sentido?

Muitos estudos têm sido elaborados, quer pelos parceiros sociais, universidades e órgãos da Administração Pública. Recordo, por exemplo, o exercício desenvolvido para os Planos Nacionais de Emprego e o Livro Verde das Relações Laborais português. No entanto, há outro diagnóstico que necessita de ser aprofundado e que diz respeito à avaliação do impacto do Código do Trabalho, envolvendo os parceiros sociais, os órgãos da Administração do Trabalho, os Magistrados Judiciais e do Ministério Público e os advogados. Não conheço nenhum estudo sobre as possíveis alterações nos padrões de litigação e mobilizadores dos tribunais de trabalho. Na actualidade, existe uma certa tendência para confundir estes dois planos. O relatório pode dar um contributo. O diálogo social entre os parceiros sociais e o debate parlamentar são as sedes fundamentais para a reforma das relações laborais e do direito do trabalho.

Acha que a Comissão deve propor uma mudança profunda quanto às orientações actuais do Código do Trabalho ou um conjunto de alterações mais ligeiras? Ou seja, a reforma de fundo deve ser debatida e executada numa altura posterior?

A Comissão deverá fazer sugestões, mas as propostas nunca terão uma leitura anódina. As reformas de fundo exigem o diálogo social e o envolvimento empenhado de parceiros sociais e governo como metodologia. Todos os contributos serão bem-vindos, o mais importante é que os princípios e objectivos de quem os formula sejam claros. A reforma de fundo necessita de legitimidade parlamentar e de encontro de vontades entre os parceiros sociais. A este propósito, não pode deixar de se mencionar a simultaneidade dos processos de reforma ao nível europeu e os trabalhos do Livro Branco. A articulação entre estas tendências de reforma não é clara, mas tem tido um efeito constrangedor no debate nacional.

É verdade que até agora houve poucos avanços no trabalho da Comissão por falta de consenso entre os seus membros sobre as áreas e a profundidade das alterações a propor?

A Comissão é composta por membros de orientações diversas do ponto de vista político, científico e institucional. Desse ponto de vista foi uma experiência enriquecedora pela qualidade dos contributos e pela discussão. Os resultados foram os possíveis para uma Comissão com as características desta. Há, efectivamente, concepções muito diferentes sobre o mundo do trabalho, que se acentuaram.

Que razões determinaram a sua saída da Comissão do Livro Branco?

Foi uma decisão difícil. Fiz uma opção consciente, aquela que me pareceu mais adequada face às preocupações que sinto relativamente ao mundo do trabalho. A evolução da sociedade portuguesa dá sinais de maior fragilização e precarização da situação vivida pelos trabalhadores, sendo sinónimos de precarização das expectativas e das motivações. O relatório intercalar fixou uma matriz nascida de um consenso provisório. A metodologia seguida de privilegiar os consensos mostrou-se pouco operacional quando as divergências mais intensas e profundas começaram a evidenciar-se. Em meu entender, dificilmente se criariam as condições para recalibrar o documento, repercutindo esse novo equilíbrio no relatório final. Gerou-se, por isso, uma forte dissonância entre os meus princípios científicos, éticos e políticos e os resultados que iam sendo alcançados. Factualmente, registo como ponto muito negativo a inexistência de actas, o que foi provocando um efeito de ausência de memória relativamente aos pontos controversos e, por vezes, de interpretações diferenciadas face a factos passados. A selectividade das memórias é um mau princípio quando nos debruçamos sobre matérias de grande melindre social.

Actualmente existem duas correntes sobre as normas laborais. Uma mais proteccionista seguida no Sul da Europa e outra mais liberal adoptada pelos países anglo-saxónicos e países da Europa de Leste. Entre os dois modelos qual é que deve ser seguido por Portugal?

Em boa verdade, existem mais do que dois modelos. Tomando como referência o da flexigurança, identificam-se cinco tipos de posicionamentos. Os liberais que sempre defenderam a mercantilização das relações laborais e a sua sujeição ao princípio do mercado. Os cínicos da flexigurança, isto é, aqueles que ao abrigo das discussões sobre os re-equilíbrios entre a flexibilidade e a segurança mais não pretendem do que liberalizar o mercado de trabalho, deslaboralizar o direito do trabalho, aproximando-o do direito civil, e despolitizar as assimetrias de poder que efectivamente são constitutivas das relações sociais estabelecidas no mundo do trabalho. Os críticos da flexigurança que a consideram expressão do euro liberalismo e o prolongamento do Consenso de Washington por outros meios, palavra mágica da comitologia europeia. Os conservadores expressam as expectativas de insegurança quanto às transformações do mundo do trabalho face aos contextos de crise. É um conservadorismo defensivo e compreensível. Finalmente, os reformistas consideram necessário algum tipo de ajustamento no mundo do trabalho. O problema está em que não há um reformismo. Há vários modelos de reforma social com radicais diferenças entre si. Portugal, face ao défice de cidadania e democracia laborais, necessita de um reformismo crítico assente nos princípios de maior segurança, maior protecção para os trabalhadores e maior rigor e efectividade das normas laborais. A noção de trabalho digno da OIT tem de ser escrutinada no nosso próprio país. O debate sobre os modelos é, por isso, muito mais do que um mero exercício de escolha teórica. Acrescento que o bom senso determina que a flexigurança seja contextualizada pelas efectivas condições de vida e de funcionamento institucional do nosso país. Não é a flexigurança que faz a Dinamarca, mas sim a Dinamarca que cria as condições para a afirmação de um modelo de flexigurança. Portugal, com ou sem flexigurança, terá de encontrar o caminho da sua reforma, envolvendo o diálogo e os parceiros sociais.

Um dos pontos controvertidos do actual Código do Trabalho diz respeito ao princípio do tratamento mais favorável (art. 4º). Trata-se de matéria a ser corrigida?

O princípio do tratamento mais favorável está na génese de do direito do trabalho e dos modernos sistemas de relações laborais, trata-se de um princípio de discriminação positiva que reconhece a assimetria de poder existente entre empregadores e trabalhadores e que fundamenta a autonomia dogmática do direito do trabalho. É por essa razão que o posicionamento face ao artigo 4º revelará o sentido profundo das opções seguidas pela Comissão do Livro Branco. Também o que se venha a propor relativamente ao artigo 531º, que estabelece a relação entre a regulamentação colectiva e o contrato individual de trabalho, se afigura relevante".

Bush - monarca universal ?



Se os grandes títulos de alguns jornais internacionais de referência não distorcem a verdade, o Sr. Bush declarou o exército iraniano como terrorista.

Declarar alguém como terrorista não é hoje um qualificativo ideológico ou político, é a imputação da qualidade de criminoso ao destinatário do qualificativo. Declarar um exército de um país como terrorista não pode deixar de envolver o respectivo país.

Mas declarar um país, ou mesmo apenas o seu exército, como uma entidade criminosa, não pode ser algo de mais ligeiro do que declarar uma pessoa como criminosa. Ora, no âmbito de um Estado, para que algum dos seus cidadãos seja considerado criminoso é preciso que pratique um acto previamente considerado como crime, e que um tribunal dê como provado que esse cidadão praticou realmente esse acto. Um tribunal: mas não o Presidente da República ou o Primeiro-ministro.

Por isso, se nos ficarmos pela superfície do que foi dito, talvez encolhamos os ombros, encarando-a como mais uma idiotice do Sr. Bush. Mas se o valorizarmos como sintoma do que significa no seu cerne a deriva bushista, talvez devamos preocupar-nos.

O Sr. Bush acha-se como uma espécie de monarca absoluto do mundo, com legitimidade para decidir o que é ou não é crime, quais os comportamentos que podem configurá-lo, quem são os criminosos. E não tem que explicar porquê o Irão e não a China, ou a Arábia Saudita. Porquê considerá-lo hoje e não há um ano ou daqui a seis meses ? E se o exército iraniano é um exército criminosos por ser terrorista, o que garante que o Sr. Bush não considerará amanhã como crime ser socialista ou nacionalista, para a partir daí criminalizar um outro exército por ser socialista, ou por ser nacionalista ?

No fundo, o sr. Bush acha-se no direito de considerar como criminosos os Estados (ou os exércitos dos Estados) que não lhe agradem, ou seja, quem não se comportar perante ele como um capacho. Parece que para ele, o mundo tem Estados pária ou Estados capacho, ou Estados que caminham num ou noutro sentido.

Sob a capa desculpabilizante de uma luta contra o terrorismo (que aliás teve já como frutos as guerras do Afeganistão e do Iraque, deixando o terrorismo prosperar),o Sr. Bush parece querer criminalizar a política, pelo menos quando dela resultam posições que lhe são hostis ou desfavoráveis.

E o mais curioso é que alguém que como ele esteja longe de ser um prático exemplar de uma democracia limpa, se sinta com legitimidade para distribuir certificados de bom comportamento democrático, com base nos quais se sente autorizado a distribuir reprimendas e bombas.

Ele, o presidente que foi eleito para o seu primeiro mandato ao arrepio dos votos expressos do povo americano, com um voto de diferença entre uma dúzia de juízes que em parte ele próprio nomeara.

Se este é o farol das democracias e dos democratas de todo o mundo, não se pode deixar de recear o aumento dos naufrágios...

quinta-feira, 25 de outubro de 2007

O velho navio, os ratos e a prudência.




O navio está carcomido pela ferrugem da mediocridade, diminuído pela pequenez dos horizontes, frágil perante o fragor das tempestades.
Quanto mais parece ter dificuldade em arrastar-se, mais as tempestades se acirram contra ele. Não vai resistir-lhes. As alfândegas tornam-se mais exigentes, os passageiros mais raros, as listas de candidatos a novas viagens minguam. Já ninguém fica no cais preso pela curiosidade de o ver chegar ou partir. O comandante e subcomandante, irmanados na desesperança,trovejam imprecações, distribuem censuras pelos oficiais subalternos e pela tripulação, vociferam contra a criadagem. E, no ápice da crispação, rosnam suspeitas de conspirações.

Mau sintoma , é o facto de já há algum tempo se ter vindo a notar que alguns ratos mais sábios ou mais tementes estão a abandonar o navio. São da casta dos imediatos,dos grumetes, dos cozinheiros, dos guardas nocturnos. Foram dóceis e fiéis servidores do comandante e do sub-comandante até há pouco tempo. Sussurram agora temerosas conspirações e sugerem com prudência um tempo novo para o velho navio, supõe-se que sob a sua discreta e temerosa liderança. Ou seja, têm a bravura da sua própria cobardia.

Mas quem, sendo desse navio, nunca se conformou com os comandos agora em ruína, olha com ironia, cepticismo e desconfiança, o activismo sôfrego de tão prudentes arrependidos.

Dar o comando do navio em perigo aos ratos que o abandonam quando pressentem a agonia é talvez inútil, ou até perigoso.

Não será melhor chamar novos comandantes, escolhidos entre aqueles que não foram nunca cúmplices da desastrosa viagem ?

terça-feira, 23 de outubro de 2007

Coimbra, Universidade e Mondego




segunda-feira, 22 de outubro de 2007

Onde está a esquerda polaca?


Os resultados das eleições polacas traduziram-se na vitória da direita liberal contra uma direita conservadora de um primarismo fora de uso, mas que, no entanto, continua a ter como Presidente da República um dos seus líderes.

Contudo, tem ficado em silêncio um outro aspecto dos resultados eleitorais: a esquerda continuou politicamente irrelevante, não tendo chegado aos 15%. A catástrofe das anteriores eleições, que dera a vitória aos conservadores, agora derrotados, apenas foi mais severa cerca de 3%.

Dir-se-á que são sequelas de uma conotação excessiva com o regime pro-soviético derrubado em 1989, já que a actual Aliança da Esquerda Democrática integrada na IS, resultou, de algum modo, de uma reconversão dos sectores mais arejados do regime anterior.Puro engano, a ALD já liderou uma coligação que governou a Polónia depois de 1989, tendo eleito um Presidente da República, o Sr. Kwasniewski, que ocupou o cargo durante dois mandatos,de 1995 até 2005.

Mas o governo de esquerda alinhou com o Sr Blair,mandou os soldados polacos para o Iraque, foi dócil perante os cânones neoliberais dominantes e perante o Sr. Bush, fragmentou-se, tornando-se irrelevante.

Na verdade, quando a esquerda se assemelha demasiado à direita, pode acontecer que os eleitores acabem por preferir os originais, por acharem que serão pelo menos mais autênticos do que a cópia. Enfim, a moderação nem sempre dá votos; também pode levar a catástrofes eleitorais.

Negócios são negócios...




Meditemos na notícia que aqui se transcreve, retirada do prestigiado diário espanhol "El País".

La mafia, primera empresa de Italia

Factura el 7% del PIB del país, según un informe de la patronal de la pequeña y mediana empresa de Italia

22/10/2007

"La mafia es la primera empresa de Italia, con una facturación anual de, al menos, 90.000 millones de euros, lo que representa el 7% del Producto Interior Bruto (PIB) del país transalpino, según el informe Sos Empresa elaborado por Confesercenti -la patronal de la pequeña y mediana empresa de Italia- presentado hoy en Roma.

La noticia en otros webs
webs en español
en otros idiomas
Según detalla el estudio, la usura representa la principal fuente de negocios, con alrededor de 30.000 millones de euros, mientras que el chantaje -denominado racket- aporta otros 10.000 millones.

En comparación con los diversos métodos de extorsión, los clanes mafiosos consiguen mucho menos dinero a través del robo (7.000 millones), el fraude (4.600), el contrabando (2.000), o los juegos y las apuestas (2.500).

En total, la extorsión perpetrada por las distintas asociaciones mafiosas de Italia afecta a unos 160.000 comerciantes de todo el país, que en algunas zonas representan el 20% del total, mientras que en otras representan hasta un 80%, como sucede en las ciudades sicilianas de Catania y Palermo.

Sin embargo, el informe denuncia que uno de los elementos más alarmantes es la actitud que mantienen muchos empresarios, especialmente en el ámbito de las obras públicas, ya que prefieren llegar a un pacto con la mafia antes que denunciar el chantaje.

En la presentación de este estudio estuvo presente el presidente de Confesercenti, Marco Venturi, además del viceministro del Interior, Marco Minniti, quien avanzó nuevas medidas -entre ellas, innovaciones legislativas- para combatir la criminalidad organizada, especialmente contra su patrimonio."


Seria interessante que as instâncias económicas internacionais, que tanto se preocupam com qualquer excesso de protagonismo económico das entidades públicas, nos dissessem o que propõem para combater este "cancro" que corrói o tecido democrático e apodrece o próprio capitalismo. É que não é só a Itália. Também não se podem esquecer nem as "mafias" do leste europeu, nem as tríades japonesas, nem as "mafias" americanas,nem os gangs sul-americanos.

Na verdade, os arautos do neoliberalismo, centrados num unilateralismo economicista que os cega, ignoram a complexidade das sociedades actuais. O sôfrego poder económico dominante, obcecado pela vertigem do lucro rápido, parece esquecer tudo o resto. Uns e outros acabam por ser incapazes de equacionar sequer os problemas que a sua própria hegemonia desencadeia ou agrava.
Na verdade, quando o controle democrático, protagonizado por poderes políticos representativos, esmorece na voragem neoliberal, não são apenas os grandes grupos económicos a ocupar o vazio, são também os agentes do crime organizado a aproveitar a oportunidade.

domingo, 21 de outubro de 2007

A UE, a Turquia e a Sérvia : ora gato, ora tigre.





Se a chamada "comunidade internacional" tratasse a Turquia como tem tratado a Sérvia no Kosovo, as suas tropas estariam a ocupar o Curdistão turco, e uma "comissão de não se sabe bem o quê" estaria a estudar a maneira de fazer engolir à Turquia a independência do Curdistão.

Mas a Sérvia é fraca e a Turquia é forte. Por isso, a " comunidade internacional" (e com uma voz muito especial dentro dela a União Europeia) ruge como um corajoso tigre frente à Sérvia e ronrona como um pobre gatinho perante a Turquia.

Se a União Europeia quer realmente ter um peso maior na arena política internacional, antes de inventar um Ministro dos Estrangeiros de âmbito europeu, que se passeia a sorrir por metade do mundo, ou de brincar às guerras contra inimigos imaginados, tem de começar por se impor como uma potencia moral que actua com justiça, em face do que lhe é exterior, usando contra os fracos, apenas a força que saiba ter, para agir contra os fortes.

Assim, se contra a Turquia só tiver possibilidades de usar sanções simbólicas, políticas ou económicas, não poderá ir mais longe do que isso contra a Sérvia. Se contra a Sérvia usar a força militar, usa-a também conta a Turquia. O problema está no facto de já a ter usado contra a Sérvia, sendo incapaz de a usar conta a Turquia...

Uma coisa é certa, no entanto, será um escândalo político imenso, uma vergonha sem tamanho no plano ético, se impuser à Sérvia a independência do Kosovo e não impuser à Turquia a independência do Curdistão.

Se assim não for, fica claro que todas as encenações internacionais em torno da igualdade entre os povos, dos direitos humanos, da democracia e da justiça nas relações internacionais, são afinal um retórica hipócrita que apenas oculta o jogo da pura relação de forças. E para esconder esta ocultação , nada melhor do que obrigar os fracos aos rituais das virtudes, que a coligação dos fortes decida que são conjunturalmente adequadas.

Mas se isto já é, em si, degradante, dado o destaque que UE ocupa nesse eufemismo pairante que é a "comunidade internacional", pior o será quando a UE se perfila como espaço político onde pode vir a ser acolhida esta Turquia.

Ora, se a UE quer na verdade ser olhada com respeito pelos povos do mundo e ter a reputação de uma comunidade de pessoas de bem, tem de praticar realmente o que declara ser a sua matriz identificadora. E, por isso, no mínimo, deve desde já tornar claro que com um Estado que se comporta como a Turquia em face dos curdos não há negociações de adesão.

E é bom não esquecer que a "comunidade internacional" tem uma dívida de quase cem anos para com os curdos : o compromisso não cumprido da sua independência. Há vários países que poderiam não gostar ? Certamente, mas o povo curdo gostaria de certeza.

Flexigurança – do modelo dinamarquês à realidade portuguesa





Foi publicado no blog Boa Sociedade, um artigo "Flexigurança – do modelo dinamarquês à realidade portuguesa" da autoria dos sociólogos e professores da FEUC, Elísio Estanque e Hermes A. Costa.

Vale a pena visitar o referido blog para se ler o texto completo. Mas não resisto à tentação de transcrever dois excertos especialmente expressivos, que podem aguçar o interesse pelo escrito no seu todo.

"É obviamente muito duvidoso que um modelo deste tipo possa ser importado por uma sociedade com características estruturais e históricas bem distintas do modelo dinamarquês. Vejamos alguns contrastes: a) na Dinamarca existe um sindicalismo ultra-forte, em que 80% da população activa está sindicalizada; b) a adesão ao sindicato não é uma escolha política, mas uma questão de bom senso (uma espécie de vocação natural); c) os sindicatos gerem as caixas de subsídios de desemprego, pagam as reformas antecipadas e negoceiam as condições laborais por sector; d) a diferença de rendimentos entre os mais elevados e os mais baixos é das menores da Europa (em Portugal é uma das maiores); e) o sucesso do modelo reside numa cultura de compromisso e consenso entre os actores sociais (ao passo que em Portugal vigora no mundo do trabalho uma cultura de autoritarismo, marcada por sentimentos de medo e laços de dependência)"(...)

"Recorde-se, de resto, que o êxito da versão dinamarquesa da flexigurança é o resultado de um longo processo histórico assente numa série de compromissos entre parceiros sociais, na evolução do Estado-Providência e num desenvolvimento gradual de políticas activas para o mercado de trabalho. Em suma, não é a flexigurança que gera por si só o desenvolvimento, mas é sim o desenvolvimento que pode – ou não – exigir maior flexibilidade ou maior segurança. Por isso, mais do que a retórica governamental da flexigurança, o que a sociedade portuguesa exige é um programa de desenvolvimento sustentável para o país, onde os direitos sociais, o bem-estar dos cidadãos e o combate às desigualdades e injustiças na distribuição da riqueza passem do plano das promessas eleitorais para o plano da sua concretização."


É urgente que se multipliquem textos críticos (como este) que não se limitem ao desespero dos slogans defensivos, nem se refugiem na vulgata jornalística, reprodutora até à exaustão dos textos oficiais, visando, não o esclarecimento,mas o adormecimento dos mais lesados.
O que não pode ser esquecido, como muito bem mostra o texto citado, é a importância que desempenham na flexigurança os factores contextuais, que resultam de uma evolução que exige décadas, não dependendo de qualquer decreto.

De facto, pelo menos no caso português, só se podem esperar efeitos de curto prazo das modificações que prejudicam o lado laboral, já que as que podiam compensá-las, se sairmos do discurso da propaganda, sempre demorariam muitos anos a dar frutos.

sexta-feira, 19 de outubro de 2007

Chavez, a liberdade de imprensa e Habermas







Pareceu-me útil transcrever o texto que se segue, apesar da sua dimensão.Foi publicado numa interessante revista brasileira de grande circulação, mas pouco difundida em Portugal: CartaCapital. Ocupa-se de Chavez e da liberdade de imprensa. Mostra como se têm contado algumas "histórias da carochinha", a propósito dele e do seu "bolivarianismo". E se será imprudente ver nele o infalível paradigma de uma nova esperança universal, pior será encará-lo com os olhos do Sr. Bush, vendo nele a perigosa raiz de todos os males.

Como podem verificar é um texto que informa e não sendo asséptico, nem cai no anátema, nem no panegírio. Aliás, também entre nós, seria bom que a comunicação social tivesse o cuidado de não ser, com demasiada frequência, uma câmara de eco acrítica da propaganda internacional da administração norte-americana.




Nem Estado nem mercado
por Antonio Luiz M. C. Costa

Se Chávez é ameaça à expressão livre, idem os oligopólios da informação


Difícil equilibrio Ninguém está acima de críticas e é compreensível que seja criticada a decisão de Hugo Chávez de não renovar a concessão da oposicionista Radio Caracas Televisión (RCTV) e transferir seu canal de tevê aberta para uma emissora estatal.

É correto criticar a atitude de Chávez na medida em que deixam de garantir diversidade, equilíbrio e acesso público, e servem para calar críticos indiscriminadamente – como, por exemplo, a disposição que prevê a punição de “desrespeito” ao governo. O presidente já detém o controle do governo federal, da maioria dos estados e municípios, do Legislativo e de boa parte do Judiciário – obtido em eleições livres e por meios legítimos, vale lembrar – e não deveria precisar de meios tão extremos para proteger a legalidade. Mas é errado tratar Chávez como a primeira e única ameaça à liberdade na Venezuela. Ameaça muito maior foi a própria mídia, durante o golpe de 2002.

Igualmente errôneo é acusá-lo de criar um monopólio da informação: isso já existia. Na pior das hipóteses, se o governo venezuelano tomasse as emissoras restantes e as controlasse diretamente, o monopólio só mudaria de mãos. Caso se queira mesmo defender a pluralidade e a liberdade de informação dos excessos de Chávez, o retorno da RCTV e do oligopólio midiático não é a solução.

As críticas devidas ao personalismo e ao autoritarismo não deveriam servir para ocultar o problema muito mais amplo da hegemonização e homogeneização da informação, na maior parte do planeta, pela grande mídia transnacional ou pelos oligopólios nacionais. A própria maneira como essa mídia tem falseado o debate venezuelano e omitido ou minimizado dados essenciais da questão é mais uma justificativa para ampliar o debate sobre a conveniência de se limitar o poder dos oligopólios da comunicação, a bem da democracia e liberdade de informação propriamente ditas.

O resultado mais comum das crises da imprensa no mundo tem sido o encolhimento do pluralismo em favor da formação de umas poucas sociedades anônimas transnacionais que não só açambarcam a distribuição de notícias e opiniões, como também a condicionam e subordinam ao lucro do conglomerado e de seus parceiros e clientes, em prejuízo da busca de qualidade e objetividade.

Em artigo para o Süddeutsche Zeitung de 16 de maio (traduzido na Folha de S.Paulo do dia 27) o filósofo alemão Jürgen Habermas manifestou-se sobre a questão a partir da situação desse jornal alemão. As famílias controladoras, insatisfeitas com a lucratividade, querem vendê-lo a investidores ou conglomerados de mídia, como já se deu com muitas publicações tradicionais e prestigiosas.

Em geral, seguem-se medidas de racionalização que reduzem o alcance e a autonomia dos jornalistas e comprometem o esforço de reportagem e análise independente – dispensa de repórteres experientes e de correspondentes no estrangeiro, por exemplo – para chegar a taxas de lucro comparáveis às de setores de ponta e promover “sinergia” com outros braços do grupo empresarial. Sobra a edição de press-releases e comunicados de agências internacionais e a promoção sensacionalista de personalidades, eventos e interesses de controladores e anunciantes espalhados por todos os setores da economia, das finanças ao cinema.

Isso é muito perturbador para um filósofo que faz do ideal de uma rede autônoma de arranjos comunicativos regida por princípios éticos e racionais o fundamento da formação da vontade e opinião pública esclarecidas e da própria democracia. Nesse setor, ao menos, Habermas recusa a hegemonia do sistema disfarçada em escolha do consumidor: “Pois essa mercadoria a um só tempo atende e transforma as preferências de seus consumidores”. Propõe a intervenção e participação do Estado na imprensa escrita, pelo meio que for adequado – subvenção estatal, renúncia fiscal ou fundações com participação pública –, como já se aceita na Alemanha e na maior parte da Europa, no que se refere à tevê.

Caso contrário, a esfera pública não seria mais capaz de desempenhar sua função de fazer do processo democrático um debate ético com resultados racionais. “Quando se trata de gás, eletricidade ou água, o Estado tem a obrigação de prover as necessidades energéticas da população. Por que não deveria prover essa outra espécie de ‘energia’, sem a qual o próprio Estado democrático pode acabar avariado?”

Um capitalismo de empresas nacionais sob controle familiar podia dar mais margem à busca de qualidade e diversidade. Empresários enquanto pessoas físicas podem ter outros objetivos que não o resultado material e imediato, tais como acumular “capital simbólico”, prestígio ou credibilidade intelectual. Podiam se dar ao luxo de aceitar uma taxa de lucro abaixo da média para manter um alto padrão de objetividade e independência, ou mesmo nadar contra a corrente. Já sociedades anônimas submetidas à busca de valorização do capital sem qualificações só sabem contabilizar dinheiro vivo, descontado a juros de mercado.

“O mercado foi outrora o cenário em que idéias subversivas puderam se emancipar da repressão estatal. Mas o mercado só é capaz de desempenhar essa função se as determinações econômicas não penetrarem nos poros dos conteúdos culturais e políticos dispersos no mercado”, concluiu Habermas.

Pois já penetraram e muito – e a conseqüência lógica deve ser buscar maneiras de tirar do mercado a hegemonia sobre o “quarto poder” – e a proposta do filósofo, se for algo mais do que uma luta de retaguarda em defesa de meras “reservas” de pensamento racional, deveria ir além da preservação da imprensa tradicional para buscar meios de dar voz àqueles que não têm capital, grande ou pequeno.

Isso não significa, bem entendido, dar ao Executivo a hegemonia sobre a mídia, como já é realidade na Rússia de Putin e uma tendência na Venezuela. Em um mundo ideal, o governo venezuelano teria recorrido a um processo público e democrático para conceder esse ou outros canais a fundações com real independência, cujo orçamento não dependa da vontade do governo ou dos interesses de patrocinadores privados, mas seja garantido por uma porcentagem dos impostos, ou outra fonte fixa de recursos.

Mas, nesse mesmo mundo, as concessões das tevês venezuelanas teriam sido cassadas há anos e seus dirigentes ainda estariam atrás das grades. O que teria acontecido, em qualquer país desenvolvido, com uma emissora que participasse de uma conspiração para depor o governo eleito de seu próprio país? Segundo Patrick McElwee, da ONG estadunidense Just Foreign Policy, “o caso da RCTV não é de censura de opinião política. Um governo, por meio de um processo falho, deixou de renovar a concessão de uma empresa que não a teria conseguido em outras democracias, inclusive os Estados Unidos. De fato é espantoso, francamente, que essa companhia tenha tido permissão de transmitir por cinco anos após o golpe e que o governo Chávez tenha esperado pelo fim da licença para lhe tirar a permissão de usar o espectro público”.

Nos dias que precederam o golpe de abril de 2002, as quatro principais redes – Venevisión, RCTV, Televen e Globovisión, apelidadas por Chávez de “Cavaleiros do Apocalipse” – trocaram a programação regular por discursos antichavistas e convocações aos espectadores para ocupar as ruas: “Nenhum passo atrás. Saia! Saia agora!” Esses anúncios eram patrocinados pela PDVSA, ainda controlada pela oposição, mas as emissoras o colocavam no ar como “de interesse público”.

Na noite do golpe, os conspiradores, inclusive o candidato a ditador Pedro Carmona, reuniram-se na emissora do poderoso empresário Gustavo Cisneros, a Venevisión. O presidente da Televen, Omar Camero, e a co-proprietária do Canal Metropolitano de Televisión (CMT), Albertina de Petricca, foram signatários, juntamente com outros empresários e militares, do decreto que empossou Carmona e dissolveu a Assembléia Nacional.

As emissoras celebraram abertamente a “renúncia” de Chávez. Mas, quando os chavistas reagiram, foi imposto um apagão noticioso. Andres Izarra, jornalista venezuelano que trabalhou como editor da CNN em espanhol antes de se tornar gerente de produção do telejornal da RCTV, recebeu instruções claras: “Nenhuma informação sobre Chávez, seus seguidores, ministros ou qualquer pessoa que possa ser relacionada a ele”.

Izarra viu os chefes suprimirem a reportagem de uma afiliada dos EUA que revelava que Chávez não havia renunciado e sim seqüestrado e preso. Também as notícias de que o golpe fora condenado por México, Argentina e França. Quando o repórter em Miraflores avisou que o palácio fora retomado por chavistas e o presidente retornava, as notícias foram trocadas por Pretty Woman e desenhos de Tom e Jerry. O jornalista decidiu dar um basta e pediu o boné. Meses depois, dizia a Naomi Klein, da revista estadunidense The Nation, que as quatro redes deveriam ter as concessões revogadas.

Apesar disso, a ONG Repórteres Sem Fronteiras assumiu a defesa incondicional e acrítica das empresas de mídia. Repetiu o discurso das emissoras golpistas, chamou o fracassado Carmona de “ex-presidente”, insistiu na mentira de que Chávez havia “renunciado” e condenou-o pelas freqüentes interrupções da programação para falar ao povo em cadeia nacional – tudo isso nas semanas seguintes à tentativa de golpe da qual elas haviam ativamente participado!

Chávez não tinha condições para punir a mídia no momento em que foi reconduzido ao palácio. Começou a acumular forças no início de 2003, quando outra tentativa de depô-lo por meio de um locaute geral lhe deu argumentos para controlar de fato a estatal petrolífera e os recursos do petróleo, criar programas sociais de grande impacto e vencer o referendo de 2004 que o consolidou, mas o momento adequado para intervir nas emissoras já passara.

Primeiro, criou uma rede de mídia estatal, que começou com a fundação da Telesur, canal de satélite, em julho de 2005, com participação de Argentina, Cuba, Uruguai e, depois, também Bolívia e Nicarágua. Em fevereiro de 2007, a Telesur comprou o canal da CMT e passou a transmitir como tevê aberta na Venezuela.

Apesar de 46% do capital da Telesur pertencer a Caracas, essa emissora não é só propaganda chavista. Dirigida por Andrés Izarra, tem jornalistas respeitados e seu conselho conta com personalidades independentes e de brilho próprio, como o Prêmio Nobel da Paz argentino Adolfo Pérez Esquivel, o escritor paquistanês Tariq Ali, o historiador Ignacio Ramonet e o programador estadunidense Richard Stallman, criador do movimento pelo software livre e do copyleft (forma de proteção dos direitos autorais que permite ao autor estabelecer as condições em que seu trabalho pode ser copiado e reproduzido sem a rigidez e as restrições do copyright).

Além de criar essa estação, Chávez decidiu aplicar a lei vigente desde antes do início de seu governo, que faz da renovação ou não das concessões de canais de rádio e tevê uma decisão administrativa do Executivo, sem necessidade de qualquer consulta. As concessões à RCTV, Televen e Venevisión, por 20 anos, foram outorgadas em 27 de maio de 1987. Desde a confirmação de Chávez no plebiscito de 2004, Cisneros aceitou um acordo pragmático com o presidente, pelo qual deixaram de se atacar mutuamente e a Televen de Camero fez o mesmo, mas a RCTV continuou a agredir o governo e a apoiar incondicionalmente a oposição. Televen e Venevisón tiveram as concessões renovadas – e não opinaram sobre o fechamento da RCTV e as manifestações que se seguiram.

No lugar da emissora de Marcel Granier (que continua a transmitir por cabo e satélite) entrou a Televisora Venezolana Social (TVes), operada por uma fundação controlada pelo governo. É cedo para avaliá-la. Em princípio deve difundir produções independentes de todos os tipos, inclusive de opinião da oposição.

Já a Globovisión, do empresário Alberto Ravell, ainda tem oito anos de concessão pela frente e a expectativa de Chávez, provavelmente, era de que o exemplo da concorrente lhe inspirasse um comportamento mais cordato. Entretanto, a rede atacou Cisneros e a Venevisión – que também se tornaram alvos das marchas de protesto da oposição – por não se solidarizar com a RCTV e fez uma cobertura tão parcial e sensacionalista quanto se poderia esperar.

Também exibiu um documentário sobre os programas e as notícias transmitidos pela RCTV durante sua história. Um trecho desse documentário mostrava o atentado de 1981 contra o papa João Paulo II ao som de uma canção do panamenho Ruben Blades, dizendo “tenham fé, que isto não acaba aqui”.

O ministro das Comunicações, William Lara, interpretou a cena como incitação “subliminar” ao assassinato de Chávez e levou o caso à Justiça. Também pediu investigação da CNN em espanhol, por mostrar cenas de uma manifestação massiva contra o assassinato de um jornalista em Acapulco, no México, como se fossem parte dos protestos contra a cassação da RCTV (a emissora reconheceu o erro e pediu desculpas) e justapor, em vídeo, Hugo Chávez a protestos contra o governo chinês e o cadáver de um suposto líder da Al-Qaeda.

Soa como paranóia, mas não totalmente injustificada: durante a campanha para o referendo de 2004, o ator venezuelano Orlando Urdaneta pediu o assassinato de Chávez “com um rifle de mira telescópica” em um programa dirigido pela jornalista Maria Elvira, do canal 22 a cabo da Flórida. A própria apresentadora, em 2005, juntamente com os convidados, um venezuelano residente em Miami e um ex-agente da CIA, defendeu o assassinato de Chávez por ação militar dos EUA.

A associação de Chávez ao terrorismo começou a ser forçada quando a Telesur, anunciada como concorrente de estadunidenses como essa, foi apresentada pelas agências internacionais como a “Al-Jazira do Sul”. Em janeiro de 2006, quando a Telesur firmou de fato um acordo de cooperação com a emissora do Catar, o deputado republicano Connie Mack, da Flórida, levou a acusação para além do subliminar: “Quando Chávez lançou a Telesur, eu salientei muitas preocupações sobre ele estar criando uma rede inspirada na Al-Jazira. Hoje, ele foi ainda além. Não é suficiente para ele espalhar sua propaganda socialista pela América Latina. Agora ele fez uma parceria com a tevê terrorista (sic) original”.

Ao roubar audiência da CNN e da Fox e permitir a povos dos países periféricos ver a realidade com outros olhos, as duas redes, é claro, cometem um atentado contra o oligopólio da mídia global pelo Primeiro Mundo, um cartel dedicado – com a exceção parcial do canal Euronews, das tevês públicas européias – a apresentar o ponto de vista dos grandes grupos transnacionais como a única verdade factual.

A caminho de lado nenhum...




Muitas são as perspectivas a partir das quais se podem encarar os dois grandes episódios políticos ocorridos ontem em Lisboa: a manifestação de protesto contra a política do Governo e a cimeira europeia que aprovou o tratado renovado da UE.É possível questionar-se a política do governo que tornou possível uma tão significativa manifestação de protesto. É possível inquirir-se sobre o acerto do tom, do tempo e do modo da manifestação. Mas não é possível fugir ao peso que os factos objectivamente têm para ambos os lados lados.

Um governo de esquerda, que queira ser um factor de transformação social no sentido da justiça e da liberdade, não pode, sem prejuízo da sua eficácia política, dispensar um robusto apoio sindical, nem a capacidade de ter na rua a apoiá-lo uma grande parte do seu eleitorado e dos trabalhadores portugueses. Um movimento sindical não pode menosprezar a fragilidade política que lhe advém de ter como correspondente política mais directa o conjunto de dois partidos que no máximo tem valido 15% do eleitorado, sendo hegemonizado apenas por um deles, cuja força eleitoral não tem chegado aos 10%.

Este desfasamento, entre hegemonia política e hegemonia sindical, é agravado pelo facto de o partido de esquerda que supera os 40% de votos ter uma expressão sindical reduzida, em termos de potencial combatente e de eficácia reivindicativa, ao mesmo tempo que a tendência sindical dominante é liderada por uma força política que tem apenas um quarto do eleitorado do partido de esquerda predominante. É um desfasamento histórico, mas é um desfasamento que tem prejudicado muito a evolução de Portugal.

Tudo o que agrave esse desfasamento é especialmente negativo para todo o povo de esquerda, para todo o movimento sindical, para todos os partidos da esquerda. E uma das consequências disso é, precisamente, a intransigência com que cada parte procura imputar à outra toda a responsabilidade pelo que se passa e com que se mostra indisponível para tentar sequer compreender as razões da outra parte.

No imediato, cada uma delas pode festejar pequenos êxitos ou sentir-se reconfortada com os pequenos fracassos da outra. Mas que não haja ilusões, a médio prazo, ambas caminham para o desastre. Um desastre que irá muito para além de um possível descalabro eleitoral. Um desastre que marcará profunda e negativamente as vidas de todos os portugueses que não estejam abancados na estreita mesa dos mais ricos.

quinta-feira, 18 de outubro de 2007

Homenagem ao Adriano




Transcrevo hoje,tendo em conta o clima de justa homenagem ao Adriano Correia de Oliveira que está a ser vivido, um conjunto de quatro pequenos poemas que procuram homenageá-lo.Foram primeiro publicados no JL, tendo sido incluídos mais tarde no meu livro "Sete caminhos", publicado em Coimbra pela "Fora do texto", em 1996.


QUATRO POEMAS DE SAUDAÇÃO E MEMÓRIA
(para Adriano Correia de Oliveira)

1.
estamos todos fechados na parede do tempo
nessa teia bem triste onde os anos se perdem
no Penedo absortos descobrindo a Saudade

fomos espanto e guitarra ousadia e ternura
uma garra prendendo o terror que morria

nessa noite arrepio tão amarga tão espessa
o futuro era tanto o futuro era tudo
nessa noite onde fomos a mais louca semente

2.
a boémia bebida gota a gota com raiva
a boémia sorvida alegria tão breve
era então que nos ríamos do que havia de ser

uma casa cercando o bolor destes anos
o emprego roendo gota a gota levando
o que resta no fundo dessa larga memória

era então que aventura
era estar devagar nessa curva do tempo
onde a areia mais leve se perdia entre os dedos
dia a dia fugindo ansiosa e suave

era então que nos ríamos devagar sem saber
desta náusea futura que ainda havia de ser


3.
Na secreta raiz de algum poema
tu nasceste por dentro das palavras.


Cantar era para ti uma viagem.
Sentias a revolta, nervo a nervo,
como um pássaro ferido.

Neste tempo rasteiro e abafado,
guardavas o veneno precioso.

Ias para longe de mais e o tempo passa:
os milhafres do nojo prosseguiam,
rasgando a carne pura do teu sonho.


Matavas o silêncio.
Mas na sombra do tempo houve uma pausa,
um outono mais rápido,
um inverno mais súbito.

E as pétalas da noite desabaram,
corroendo o teu nome de grinaldas perdidas.


4.
Procura-se o criminoso!

Na treva mais remota,
nos pensamentos mais lisos,
na lógica mais fria,
nos lugares mais comuns,
nos sonhos mais seguros,
nos corações lineares,
no denso labirinto
das pequenas traições,
é possível encontrá-lo.

Procura-se o criminoso:
como encontrar o castigo?

A voz dos poetas





Do grande mestre de poesia, Carlos Drummond de Andrade:


Descoberta


O dente morde a fruta envenenada

a fruta morde o dente envenenado

o veneno morde a fruta e morde o dente

o dente, se mordendo, já descobre

a polpa deliciosíssima do nada.

A laranja marota



Eis o excerto de um texto de João Pedro Henriques, publicado hoje no "Diário de Notícias":

"Ontem, em declarações ao DN, o juiz Rui Moura Ramos, eleito em Abril passado presidente do TC, disse que o argumentário de Menezes para sustentar a tese da extinção do tribunal "está completamente errado". Segundo acrescentou, o novo líder social-democrata demonstrou uma "grande falta de rigor no argumento segundo o qual o tribunal funciona como correia de transmissão das maiorias parlamentares". Para o comprovar, Moura Ramos mandou os seus serviços fazerem um levantamento sobre as maiorias de decisão do tribunal desde para ali entrou, em Abril de 2003.Fechando o ângulo desta contabilidade nas decisões a que implicitamente se referia Menezes - as fiscalizações abstractas de constitucionalidade, ou seja, aquelas que são suscitadas por órgãos políticos como, por exemplo, o Presidente da República - chegou-se à conclusão que o TC aprovou 87 acórdãos. Destes somente três - isto, apenas 3,4 por cento - foram aprovados pela margem mínima de um voto, como o líder do PSD referiu. Dois desses acórdãos foram sobre o referendo ao aborto e um sobre o imposto sobre o imposto petrolífero. Todos os outros foram aprovados por uma maioria superior a um voto, sendo que 45 por cento foram por unanimidade."

Um aspirante à chefia do Governo, que faz uma proposta tão fracturante como a de extinguir o Tribunal Constitucional, deveria pelo menos ter uma justificação consistente para uma tal ruptura. Como o texto, que se acaba de transcrever, mostra, os argumentos em que se baseou nada têm a ver com a realidade. Ou seja, o Dr. Menezes deu mais uma prova de ligeireza. Teve logo um apoiante à altura: o ferrabraz do Funchal.

E assim os portugueses podem estar tranquilos. O PSD tem para lhes ofercer um trio pleno de equilíbrio, sentido de Estado e de credibilidade política: Menezes, Jardim , Santana.

Neste contexto, transformar a Constituição num pretexto para palpites é uma trivialidade que o Dr. Menezes , decerto, não deixará sózinha, no seu afã de nos surpreender sempre mais.

terça-feira, 16 de outubro de 2007

17 perguntas



Com a devida vénia, transcrevo uma série de perguntas que me foram feitas pelo semanário conimbricense "O Despertar", bem como as respectivas respostas.



17 perguntas a Rui Namorado

Rui Manuel dos Santos Namorado, 66 anos, nasceu e reside em Coimbra.

Professor da Universidade de Coimbra, casado, um filho.
namorado@fe.uc,pt - http://ograndezoo.blogspot.com/


O diabo em pessoa: O perverso melífluo com pele de piedoso.

Com o diabo no corpo: Chamar-lhe diabo é uma boa piada.

O diabo que o (a) carregue: Se puder…

Põe-me nos píncaros: O ataque de um imbecil.

Santos vícios: "Ai que prazer não cumprir um dever…”

Pecado sem remorsos: Os sonhos de que nos esquecemos.

Problema insuperável: Todo aquele de que não temos consciência.

Formiga ou cigarra? Cigarra sempre que possível, formiga sempre que necessário.

Telemóvel ou micro-ondas? Telemóvel para cozinhar palavras, micro-ondas para ganhar tempo.

Vinho ou Coca-Cola? Vinho de Silgueiros, Coca-cola se voltar a ser proibida.

Hillary Clinton ou Al Gore? Ambos aceitáveis: mas ela votou no Senado a favor da invasão do Iraque e ele suportou com mansidão a fraude eleitoral que lhe roubou a Presidência e pôs o segundo Bush à frente dos USA.

Nascer em berço de ouro? Uma vantagem tão preciosa quanto injusta.

Quem tem filhos tem cadilhos? Quem os não tem devia tê-los.

O pior filme da minha vida: Um dos que me fez sono sem me deixar dormir.

Desporto detestável: O massacre dos cristãos nos coliseus romanos e os autos-de-fé para queima de cristãos novos e outros hereges.

Data para esquecer: 28 de Maio de 1926.

Sem perdão: No mundo: ver no que se gasta a pagar salários, uma despesa inútil; e no que se gasta a pagar como lucros, o oxigénio da economia. Em Portugal: as alarvidades salazarentas.


12.10.07

Cesteiro que faz um cesto...



A desproporção entre o que ocorreu no já célebre episódio da Covilhã (mesmo que se aceite como certa a versão dos sindicatos e não a dos inquiridores) e o ruído público e mediático que persiste, é tão grande, que só pode compreender-se se tiver uma outra razão que a explique.

O meu vaticínio é o de que, dentro de alguns anos, quando, de entre os actuais expoentes do sector sindical do PCP, algum deles passar a percorrer novos territórios políticos, ser-nos-á revelado que todo este exuberante excesso de reacção foi afinal o instrumento possível, para crispar ao máximo o clima público, na esperança de assim se potenciar a captação de manifestantes, para a próxima grande jornada nacional de protesto.

Sem enveredar por comentários de natureza ética, de um ponto de vista apenas político, ainda que, parecendo por vezes imediatamente rentável, a instrumentalização política das lutas sindicais, a médio prazo, acaba por ser penalizadora, quer para instrumentalizadores , quer para instrumentalizados.

Dir-me-ão que esta hipótese é uma simples conjectura.E isso é verdade. No entanto,a área política dominante na CGTP já executou outras manobras dúplices bem mais amplas e complexas, que poucos apontaram como tais, quando estavam a acontecer.

Quem encarou na sua altura o PRD como o resultado de uma manobra política amplamente apoiada pelo PCP, pelo menos, no plano organizativo? E, no entanto, já houve antigos membros do PCP, entretanto saídos, que o afirmaram publicamente, revelando que eles próprios estiveram envolvidos na decisão de desencadear esse processo.

Quem terá pensado, na altura em que isso ocorreu, que o Partido Ecologista "Os Verdes" foi constituído por decisão tomada dentro do PCP e que o seu processo de recolha de assinaturas foi predominantemente posto em prática por militantes do PCP? E no entanto mais do que um antigo membro do PCP afirmou à minha frente ter participado nesse processo, nos termos referidos.

A democracia está estabilizada, o PCP assume-se como partido fiel ao estado democrático, não há nenhuma insurreição popular no horizonte , nem sequer como miragem. Portanto, a duplicidade não é uma arma política legítima. É sim uma verdadeira hipocrisia.


E não há um outro nome para a hipocrisia na política que não seja, pura e simplesmente, o de oportunismo.

segunda-feira, 15 de outubro de 2007

O velho PSD já não existe !




O congresso do PSD terminou. Os analistas dirão dos discursos, melhor ou pior. Em regra, assim , assim. Serão faladas as tiradas arrasadoras, as premonições luminosas, os afagos ( ou não) ao Presidente da República. Os ataques mais virulentos ao Governo recordar-se-ão durante três dias.

Os oráculos políticos explicarão os sinais. O gesto decisivo do Dr. Menezes no momento em que... O militante saído do nada que... O barão que gravemente avisou que... O jovem incendiado que afirmou ...
Com o seu implacável microscópio observarão as listas . Descobrirão aqui uma mossa, ali um pequeno rasgão, ali um ponto luminosos. E dirão o Dr. Menezes podia ter feito melhor.

Quanto ao discurso final , serão generosos. Um bom discurso. A atestá-lo falarão na chama, no verbo em ascensão, na palavra certeira.

De facto, o Dr. Menezes atirou para cima do governo, inflamadamente, toneladas de lugares comuns. Desceu e subiu pela emoção dos congressistas. E, no entanto, se alguém conseguir chegar ao último nervo do que afinal disse, surpreenderá a sombra suspeita de um nó por desfazer. Solenemente, o Dr. Menezes, com a voz embargada de piedosa preocupação, prometeu aos pobres, aos explorados, aos excluídos, o precioso pão de melhores dias. Simultaneamente, acariciou triunfantemente o horizonte dos ricos e privilegiados, garantindo-lhes melhores condições para continuarem a explorar e a excluir, todos aqueles que o Dr. Menezes prometeu ajudar. Tudo isto, combinando sabiamente o tom vociferante das grandes ocasiões com a voz mansa das manhãs tranquilas.

E no entanto, de tudo isso,o que afinal emergiu como assombração salvadora foi o Dr. Pedro Santana Lopes, gerindo o seu pesado silêncio com uma pose mais aguçada do que a usada habitualmente no receado extremo do seu verbo.

Um oráculo do universo laranja confessou-se profundamente preocupado com o inesperado eclipse dos senhores barões do PSD, deixando a subtil alusão que eles eram talvez a essência do verdadeiro PSD. De facto, esperados como sucessores naturais do desmoronamento anunciado do Dr. Marques Mendes, apenas consentiram em afirmar a sua ausência. E como o Dr. Santana Lopes ainda lá estava, limitou-se a esboçar dois ou três gestos mediáticos , a adiantar duas meias palavras, para logo lhe pedirem que se sentasse no seu lugar. E o velho PPD pareceu sorrir. Mas alguém cepticamente já afirmou que este não é o velho PPD, é uma simples emoção conservadora vestida dos ouropéis do neoliberalismo mais corrente, dividido entre o risco de vir a ser protagonizado pelo Dr. Menezes ou pelo Dr. Pedro Santana Lopes.

É que afinal este Congresso não foi um grande acontecimento. É um sintoma de que o velho PSD já não existe. Falta agora saber se o novo PPD será verdadeiramente um PPD.

domingo, 14 de outubro de 2007

Santidade enviezada



José Ariztimuño, asesinado en 1936. Primero por la izquierda, junto a Aguirre, que luego fue lehendakari, con sombrero y gabardina.


Resolvi transcrever do jornal diário espanhol "Público" um preocupante texto que mostra como a Igreja Católica de Espanha, com a benção de Roma, ainda não saiu por completo da sua vergonhosa cumplicidade com os franquistas na guerra civil espanhola.


Los mártires de la desmemoria

En octubre de 1936 el bando sublevado asesinó a 16 religiosos vascos. Ninguno de ellos figura en la lista de los 498 mártires de la guerra

MIGUEL ÁNGEL MARFULL - Madrid -

"La historia edulcorada por la actual jerarquía católica ante la próxima beatificación de los llamados 498 "mártires españoles del sigloXX" se salta siempre la misma página. Dieciséis curas y religiosos vascos fueron asesinados por las tropas franquistas en Euskadi sin renunciar tampoco a su fe.
"Todos los asesinatos son condenables, pero no todos los asesinados son mártires", señaló el pasado martes el portavoz de los obispos, Juan Antonio Martínez Camino, preguntado por esta causa olvidada.
Entre los 498 nuevos beatos de la Guerra Civil hay elementos comunes. Todos murieron de manera trágica en el umbral del conflicto o avanzado el verano de 1936. Todos han sido desde entonces ensalzados por la Iglesia del poder nacional católico. Todos han ocupado un lugar en su recuerdo y en sus oraciones. Pero ninguno murió por orden del bando franquista. Eso les diferencia y les garantiza un lugar en la memoria de la Iglesia, que ha resultado ser tan coincidente en lo temporal con la agenda del Gobierno, como selectiva en cuanto a su rigor histórico.
Durante la presentación de los actos que coronarán esta causa de beatificación masiva el próximo 28 de octubre en la plaza de San Pedro del Vaticano, Juan Antonio Martínez Camino negó cualquier discriminación hacia los religiosos asesinados por orden del bando sublevado. Casualidad o no, ninguno ha sido elevado aún a la gloria del Vaticano.
Martínez Camino lavó sus manos y las del episcopado. Se excusó señalando que las causas sobre la posible santidad de una persona no las inician los obispos, sino los fieles. "La conciencia del pueblo de Dios es donde está depositada la fama de santidad o de martirio", concretó. Cuando se presenta una causa "no hay prejuicio previo que cierre el camino a nadie", dijo el portavoz de los obispos.

Sacerdotes depurados
Pero nadie ha iniciado causa alguna a favor de sacerdotes o religiosos asesinados por las balas del bando fascista. Su memoria sigue viva sólo en los archivos de historia.
El golpe de Estado de Franco fracasó inicialmente en Guipúzcoa. La columna del general Mola entró en San Sebastián el 3 de septiembre de 1936. Como en el resto de España, ocupación se convirtió en sinónimo de depuración. Republicanos y nacionalistas vascos fueron el primer objetivo. La sotana no fue, en esta ocasión, un salvoconducto. Dos curas de Rentería, Gervasio de Albizu y Martín de Lekuona fueron los primeros. El 8 de octubre de 1936 eran fusilados sin renunciar a sus convicciones religiosas ni a sus ideas nacionalistas.

Durante las tres semanas siguientes serían ejecutados por el bando rebelde 14 religiosos más, entre ellos el cura y escritor José de Ariztimuño, un teórico del nacionalismo.

No fueron hechos aislados. En un territorio en el que el nacionalismo está fuertemente ligado al fenómeno religioso, el asesinato de sacerdotes era algo más que un simple aviso.

Franco obedece al cardenal
"Tenga Su Eminencia la seguridad de que esto queda cortado inmediatamente", respondió Franco al primado de los obispos españoles, el cardenal Isidro Gomá, cuando éste se quejó ante el general tras tener conocimiento de las ejecuciones de religiosos vascos.

Cuenta también el historiador Julián Casanova que a los 16 curas asesinados "se les tomó declaración en juicio sumarísimo antes de la ejecución. Los fusilaron vestidos de seglar, de noche, para evitar publicidad, avisados poco antes para evitarles sufrimientos morales". Dos jesuitas estuvieron con ellos en un improvisado confesionario, en el interior de un automóvil.

Gomá detuvo los asesinatos. La jerarquía de la Iglesia, "identificada y fusionada con las armas franquistas, hablaba con quien tenía que hablar y presionaba a quien tenía que presionar. Ése era el método. Y lo podían haber utilizado para truncar bruscamente los asesinatos de muchas más personas, de miles de ellas. Pero no eran sacerdotes, sino ‘rojos' y ‘canalla marxista' por los que no valía la pena incordiar al Generalísimo", escribe Casanova en La Iglesia de Franco, un manual de referencia sobre este episodio de la historia.

La represión de Franco contra el clero vasco, no se detuvo ahí. Decenas de curas y religiosos fueron encarcelados. El obispo de Vitoria, Mateo Múgica, favorable a la sublevación, acabaría siendo una excepción dentro de la complaciente jerarquía católica.

El obispo exiliado
Múgica protestó por los abusos del bando sublevado contra clérigos y creyentes en su diócesis. Se quejó y acabó por convertirse en un exiliado. Instalado en Roma desde mediados de octubre de 1936, Múgica no regresó a España hasta diez años después. Fue condenado al ostracismo hasta su muerte. Su pecado fue de omisión. No firmó la "Carta colectiva del Episcopado español a los obispos del mundo entero", encargada por Franco al cardenal Gomá. Un pacto firmado en julio de 1937 que uniría para siempre a la dictadura con la jerarquía de la Iglesia."